Últimas Notícias
0
Versão sem anúncios. Atualize sua experiência no Investing.com. Economize até 40% Mais detalhes

Últimas Notícias

Arábia Saudita retira embargo a 5 frigoríficos do Brasil suspensos após vaca louca

O Fed Está se Arriscando Demais com a Inflação

Por Michael KramerResumo do Mercado30.07.2021 09:56
br.investing.com/analysis/o-fed-esta-se-arriscando-demais-com-a-inflacao-200443658
O Fed Está se Arriscando Demais com a Inflação
Por Michael Kramer   |  30.07.2021 09:56
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 

Este artigo foi escrito exclusivamente para o Investing.com. Publicado originalmente em inglês em 30/07/2021

Na quarta-feira, 28 de julho, o Federal Reserve resolveu não mexer em sua política monetária. O banco central americano indicou que a economia estava começando a progredir em direção aos objetivos que resultariam em uma mudança de política, mas ressaltou que muito mais ainda precisava acontecer. No entanto, acreditamos que, quando esse momento chegar, o Fed terá que agir de forma muito mais agressiva do que o esperado.

Durante a coletiva de imprensa, ficou muito patente que o que está segurando o Fed é o emprego. Os últimos dados econômicos permitem constatar que a inflação está ficando acima da tendência, e o presidente da instituição, Jerome Powell, sinalizou que ela estava acima da meta de 2% do banco central. O Fed já disse em diversas oportunidades que gostaria de ver uma série de relatórios de emprego sólidos. Pensando sobre essa implicação e dando um passo além, o Fed parece estar tão confiante em sua visão de que as taxas de inflação voltarão a cair para sua meta que está disposto a se arriscar com os preços enquanto espera uma evolução do mercado de trabalho.

Spread entre treasuries de 2 e 10 anos
Spread entre treasuries de 2 e 10 anos

Desde a reunião de junho, o mercado de títulos demonstra nervosismo, que parece ter se reafirmado após a reunião de julho do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês). A reação de queda das taxas de longo prazo e de alta das taxas de curto prazo nas últimas semanas acabou achatando a curva de juros drasticamente. Como sabemos, esse achatamento da curva é um indicativo de que o mercado de títulos projeta um crescimento econômico mais lento no futuro.

O mais sintomático, contudo, é que essa espera do Fed pelo avanço do componente do emprego em seu duplo mandato pode fazer com que a inflação suba ainda mais. O mercado de títulos parece estar considerando que o Fed será obrigado a agir com mais veemência no encerramento da atual política monetária e fazer um aperto, diminuindo o crescimento econômico quando o ciclo começar.

Taxa de inflação neutra de 10 anos
Taxa de inflação neutra de 10 anos

Embora não esteja claro quando o Fed se convencerá de que já houve um progresso substancial, já que não parece haver uma meta concreta, é possível assumir que uma série de relatórios de emprego robustos seja suficiente para o Fed embarcar no ciclo de aperto. Se for isso o que o banco central americano está esperando, esse sinal pode acontecer em setembro ou outubro.

Muitos estados já começaram a encerrar seus benefícios extras de seguro-desempenho em julho. Em setembro, os estados restantes terão concluído os programas adicionais. Se esse for o caso, tudo indica que o forte relatório de junho pode ser transferido para o relatório de julho, seguido de um forte relatório em agosto e setembro. Isso ofereceria ao Fed três relatórios de emprego antes da reunião de setembro e quatro até outubro. Se essa é a série de relatórios de empregos que o Fed deseja, ela pode se concretizar já em setembro ou outubro.

Mas, claramente, o risco aqui é que essa espera do Fed em ajustar sua política monetária e não começar a reduzir seu balanço um pouco pode fazer com que a inflação se distancie ainda mais da meta de 2%. Atualmente, as expectativas de inflação neutra de 10 anos estão em torno de 2,4% e têm estado muito acima de 2% por algum tempo, enquanto a taxa de inflação neutra de 5 anos está ainda mais alta, a quase 2,6%.

Se o mercado de títulos estiver correto, o crescimento econômico irá desacelerar no futuro e, ao que parece, isso acontecerá mais cedo do que muitos imaginam. Isso se dará porque o Fed está brincando de pega-pega e pode acabar tendo que agir de forma muito mais agressiva com sua política monetária, caso a redução do estímulo tivesse começado mais cedo.

O Fed Está se Arriscando Demais com a Inflação
 

Artigos Relacionados

Julio Hegedus Netto
Tentações Populistas Por Julio Hegedus Netto - 17.09.2021 29

Fomos dormir ontem com a notícia de que o governo resolveu elevar o IOF para pessoa física e jurídica, visando o financiamento do novo Bolsa Família (chamado “Auxílio Brasil”). Tal...

O Fed Está se Arriscando Demais com a Inflação

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
Comentários (5)
Dom Luiz
Dom Luiz 31.07.2021 0:41
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Não tem outro jeito. Imprime o dinheiro infinito, que a pandemia ainda não acabou...
Fabio Piloto
Fabio Piloto 30.07.2021 11:46
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
O Norte Americano é o povo mais endividado do mundo, se o FED subir os juros em 0,5% já ocorre uma quebradrira das hipotecas, fora em milhares de empresas jumbis que vivem dos estímulos do governo.
jose eduardo muniz coimbra
jose eduardo muniz coimbra 30.07.2021 10:40
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
O desemprego é a desculpa o real motivo é que o FED está colhendo o que plantou.Está diante de uma economia que vive da impressão de dinheiro e o aumento dos juros ficará para as calendas.!!!
Edir Carvalho Filho
Edir Carvalho Filho 30.07.2021 10:34
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Corrigindo.... """inflação em elevação sempre superior a taxa de juros"""""
Edir Carvalho Filho
Edir Carvalho Filho 30.07.2021 10:08
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Michael, gostaria de ouvir tua opinião. Tenho em mente que está havendo um movimento proposital no sentido de manter uma inflação em elevação sempre inferior a taxa de juros visando diluir os programas de aumento da liquidez. Na verdade assim como no Brasil, os países se tornaram " sócios " da inflação. Já existia uma dúvida de qual seria a consequência desta liquidez alem da inflação. Vejo que agora está ficando claro no Brasil e no resto do mundo que o objetivo é deixar desvalorizar as moedas para compensar as emissões de liquidez.
Leonardo Leal
Leonardo Leal 30.07.2021 10:08
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
e segurar a divida. justificando rompimento do teto...atrolando ainda mais a divida. socios da inflacao; hoje parceiros. concordo
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Declaração de Riscos: Fusion Media would like to remind you that the data contained in this website is not necessarily real-time nor accurate. All CFDs (stocks, indexes, futures) and Forex prices are not provided by exchanges but rather by market makers, and so prices may not be accurate and may differ from the actual market price, meaning prices are indicative and not appropriate for trading purposes. Therefore Fusion Media doesn`t bear any responsibility for any trading losses you might incur as a result of using this data.

Fusion Media or anyone involved with Fusion Media will not accept any liability for loss or damage as a result of reliance on the information including data, quotes, charts and buy/sell signals contained within this website. Please be fully informed regarding the risks and costs associated with trading the financial markets, it is one of the riskiest investment forms possible.
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail