Garanta 40% de desconto
🚨 Mercados voláteis? Descubra joias escondidas para lucros extraordináriosDescubra ações agora mesmo

Onde investir no período de transição?

Publicado 30.11.2022, 15:07
Atualizado 06.10.2023, 17:28

Durante o período de transição, o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva, fez algumas declarações que deixaram o mercado financeiro preocupado. Como resultado, o dólar voltou a subir e a Bolsa a cair. Existe um receio de que o novo governo possa deixar de lado a responsabilidade fiscal para focar apenas no social, o que seria um desastre. Sabemos que ambos (economia e sociedade) andam de mãos dadas.

Mas é claro que se tratou de um movimento pontual. Movimento este que deve se repetir até que o novo presidente tome posse. Qualquer frase dita sem pensar tem o potencial para bagunçar o coreto e aumentar a volatilidade do mercado. Temos, porém, que agir com a razão e não com o coração. Lula já foi presidente do país, sabemos como ele governa. E, por mais que parte da sociedade e parte do mercado torçam o nariz, há que se admitir que ele sempre deixou claro sua preocupação maior com as questões sociais.

Como a ressaca proveniente das declarações do Lula passou, imagino que o mercado entendeu que ele estava falando mais para a sua base de eleitores do que como indicativo de política econômica a ser adotada. Em seus dois primeiros mandatos ele teve preocupação com a responsabilidade fiscal e provavelmente terá neste terceiro mandato. Mesmo assim, daqui até o final do ano, viveremos ao sabor das notícias, o que vai gerar a volatilidade nos ativos financeiros.

Bom, dentro deste cenário, a pergunta que muita gente faz é em quais ações investir, enquanto a insegurança não sai de cena? Àqueles que trabalham como day trader só posso dizer que não precisam mudar muita coisa, pois como sabemos, quem atua neste segmento precisa de volatilidade. É com o sobe e desce dos preços das ações que se faz lucro.

Anúncio de terceiros. Não é uma oferta ou recomendação do Investing.com. Leia as nossas diretrizes aqui ou remova os anúncios .

Quanto àquele investidor que não especula e prefere investir mais a longo prazo, a dica é procurar empresas mais resilientes, com horizonte mais longo para retirar o ruído do curto prazo. E que empresas são essas? Um bom exemplo é a Petrobras (BVMF:PETR4).

Então você caro leitor, deve estar se perguntando? Petrobras, justo agora que o PT voltou ao poder? E o Petrolão, não há o risco de voltar? No meu entender é muito difícil que toda aquela história se repita, pelo menos na mesma proporção. De lá para cá a Petrobras melhorou muito em termos de governança corporativa. Criou mecanismo de compliance que diminuem bastante ações de corrupção que gerem prejuízos aos cofres públicos.

Além disso, a estatal lucrou R$ 46 bilhões no terceiro trimestre de 2022, alta de 48% em comparação a igual período de 2021 e acima das projeções. Na Bolsa, no período de 12 meses o preço de suas ações apresenta alta de 63,82% e de 35,47% durante 2022. E como todos sabem, a Petrobras mantém uma boa política de distribuição de dividendos que faz valer bastante a aposta em suas ações e, em parte até mitiga os riscos do sobe e desce dos preços.

Outra gigante que vale a pena arriscar no longo prazo é a Vale (BVMF:VALE3). Uma das dez maiores pagadoras de dividendos do mundo, no terceiro trimestre deste ano lucrou US$ 4,45 bilhões, alta de 14,6% na base anual. Se considerarmos as ações propriamente ditas, a mineradora apresenta variação positiva de 28,81% em 12 meses e de 11,68% na variação de 2022.

Anúncio de terceiros. Não é uma oferta ou recomendação do Investing.com. Leia as nossas diretrizes aqui ou remova os anúncios .

Concessionárias de serviços públicos como água e energia também costumam ser boas opções para o longo prazo, pois tarifa pública, mesmo que haja atrasos nos pagamentos é algo praticamente garantido. Ninguém fica muito tempo com água ou luz cortados e esse fator é a grande razão para a resiliência dessas empresas que operam com concessões públicas.

Agora, reforçando, essas dicas valem para este momento de transição, que naturalmente deixou todo mundo com um pé atrás. A partir de primeiro de janeiro tudo pode começar a mudar mas, com certeza, não será nada que quebre a banca. A Bolsa continuará a ser a Bolsa de sempre.

Últimos comentários

Mas não foi esse que montou um esquema apocaliptico de corrupção que levou quase uma dúzia de empresas à falencia e seus diretores para prisão?Será que o articulista trabalha para o Big Brother e está reescrevendo a história?
Voce só esqueceu que agora ele sabe que o crime compensa; por isso, a responsabilidade fiscal vai “pro saco”. Ele quer manter sua base forte e o mercado que se rebole.
Espere.....
Você esperando TRANSIÇÃO???????
Show.. sua ideia é ótima para afundar qq investidor.. ! Podia falar de N empresas... foi falar logo de petr!!!?? Uau.. ! Detalhe melhor é o titulo da matéria.. ! Loucura com o $$ dos outros é refresco né
nunca vi um comentário tão pronto pra dar errado
nunca vi um comentário tão pronto pra dar errado
Melhor ideia, juros pós fixados. risco só se for para comprar dólar ou apostar contra esse governo.
penso q foi infeliz o comentário, da equipe de transição sobre altos dividendos distribuídos pela Petrobrás, falaram até em redução dos dividendos, com a finalidade de investir em construção de refinarias, qdo sabemos q existem refinarias, prontas p entrar em operação, Será pq construir novas🫣
Tá fumando ou mamando nas tetas do Lula? Por óbvio que Lula não será o mesmo dos mandatos anteriores, o cenário brasileiro é outro, a economia outra, as parcerias criminosas do Lula são as mesmas e principalmente a nova leva de presidentes do Foro de S. Paulo pegaram economias vibrantes e transformaram-nas em rotas de fugas dos investidores. O discurso é o mesmo do Lula, a solução dos problemas desses mesmos países e a mesma apresentada por Lula. Antônio Marcos, o senhor irá assumir a quebras dos acionistas influenciados por este artigo ou vai apagar quando os maus presságios se confirmarem?
Boa noite !
Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.