📖 Guia da Temporada de Balanços: Saiba as melhores ações escolhidas por IA e lucre no pós-balançoLeia mais

Os impactos da eleição americana na economia mundial

Publicado 09.07.2024, 11:48

A campanha presidencial nos Estados Unidos começou para valer com o primeiro debate entre Joe Biden e Donald Trump em junho, quatro meses antes das eleições.

LEIA MAIS: Eleições nos EUA em 2024 e efeitos nos mercados financeiros

Em um ano marcado por eleições importantes, sem dúvida, o nome do próximo presidente americano é a variável mais relevante para o cenário internacional nos próximos anos.

Ainda que a geopolítica tenha pautado o primeiro embate, o futuro governante terá de lidar com a geoeconomia durante o mandato, sobretudo as movimentações chinesas e os desafios da transição energética, com uma luta aguerrida pelo controle do mercado de recursos e de consumo vinculados a manufatura de bens cada vez mais eletrificados e informatizados, altamente dependentes de minerais estratégicos e fornecimento de energias limpas.

Durante seu mandato, Trump endureceu a disputa econômica com a China e deu os primeiros passos para um retorno de setores manufatureiros estratégicos para dentro do território americano.

Biden não fez qualquer inflexão nessa política, inclusive promoveu e promulgou a Lei dos Semicondutores, que busca fazer frente à dependência americana de fornecedores estrangeiros no setor.

A China avança em uma estratégia de reaceleração econômica, ainda movida por exportações e estabilização de sua cadeia de fornecedores, agora com foco na transição energética, já com queixas europeias e americanas. O momento chinês não é dos melhores: as exportações chinesas sofreram uma forte queda em 2023, por volta de 10%.

O mundo nunca esteve tão parecido com o período entreguerras (1919‒1939): guerra cambial, protecionismo, sanções, regionalização econômica, conflitos militares, inclusive na Europa.

O Norte Global foi uma miragem, que agora se bipartiu, e o Sul Global, uma ilusão, que se tripartiu, sendo a influência sobre essas áreas crucial para a manutenção da posição americana e para uma ascensão chinesa.

Por essas e outras razões, a China se tornou uma questão suprapartidária na política americana: Biden ou Trump não poderão esquivar-se de dar respostas geoeconômicas às pretensões chinesas.

O próximo presidente americano será pressionado, interna e externamente, a enfraquecer o bloco político encabeçado por China e Rússia (Leste Global) e impedir sua transformação em bloco econômico (cerca de 20% da economia e da população mundial).

O bloco liderado por América do Norte e Europa Ocidental (Oeste Global), muito bem amarrado por acordos sólidos (Nafta, UE, Otan, Ocde), é a espinha dorsal do sistema econômico internacional (cerca de 60% e 15% da economia e população mundiais, respectivamente), mas enfrenta sérias dificuldades de coordenação política, diplomática e militar, somadas à perda de relevância econômica europeia.

O Sudeste Global (com Oriente Médio, Subcontinente Indiano, Indonésia etc.) tem servido de rota de fuga (nearshoring) dos investidores avessos às tensões na área chinesa. O Sudoeste Global (com Sudeste Asiático, México e América do Sul) seguem sob forte influência americana e europeia, mas menos convictos. O que restou do Sul Global entrou no radar pelo papel no setor extrativo.

A grande missão do próximo presidente americano é manter a liderança econômica do país em um mundo que passa por seu momento de maior instabilidade e concorrência desde o Pós-Guerra e o Pós-Guerra Fria.

Últimos comentários

Carregando o próximo artigo...
Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.