Últimas Notícias
0
Versão sem anúncios. Atualize sua experiência no Investing.com. Economize até 40% Mais detalhes

Taxas de Juros Mantêm o Fed Preso à Flexibilização Quantitativa

Por Lance RobertsResumo do Mercado17.07.2020 17:25
br.investing.com/analysis/taxas-de-juros-mantem-o-fed-preso-a-flexibilizacao-quantitativa-200436263
Taxas de Juros Mantêm o Fed Preso à Flexibilização Quantitativa
Por Lance Roberts   |  17.07.2020 17:25
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 

Desde o início da pandemia, o Fed entrou na campanha monetária mais agressiva. Seu objetivo era reforçar o mercado de ativos para restaurar a confiança no sistema financeiro. No entanto, a armadilha é que o Fed está em uma posição em que nunca pode parar a flexibilização quantitativa, pois as taxas de juros não podem subir novamente.

Como discutimos anteriormente, Jeremy Siegel já declarou o fim do mercado em alta de títulos de 40 anos.

"A história mostrou que essa liquidez precisa sair de algum lugar e isso não vem de graça. Eu acho que, no final das contas, será o portador do título que sofrerá. Essa certamente não é a noção popular no momento." - J. Siegel via CNBC

No entanto, esse não é um sentimento novo - existe desde que comecei a pedir que as taxas caíssem abaixo de 1%, já em 2013. O raciocínio então, e é o mesmo hoje, era a ligação entre a dívida e o crescimento econômico.

Dívida Total Vs PIB
Dívida Total Vs PIB

É a Economia Estúpida

As taxas de juros são uma função de três fatores principais: crescimento econômico, crescimento salarial e inflação. A relação entre o índice composto e o nível da taxa do Tesouro a 10 anos está abaixo.

Taxas de Juros Vs Índice Composto
Taxas de Juros Vs Índice Composto

Como mostrado, o nível das taxas de juros se correlaciona com a força do crescimento econômico e da inflação. Como o crescimento salarial permite que os indivíduos consumam, o que representa aproximadamente 70% do crescimento econômico, a demanda por empréstimos é uma função da necessidade de consumo.

Mas aí está a armadilha - a inflação.

A Armadilha da Inflação do Fed

Embora a “deflação” seja a principal ameaça a longo prazo, o Fed também é potencialmente confrontado com uma ameaça “inflacionária” de curto prazo.

A bazuca de “flexibilização quantitativa ilimitada” depende do Fed precisar monetizar o déficit para apoiar o crescimento econômico. No entanto, se as metas de pleno emprego e crescimento econômico rapidamente se concretizarem, o Fed enfrentará um "aumento inflacionário".

Pressão Inflacionária Futura
Pressão Inflacionária Futura

Caso tal resultado ocorra, levará o Fed a uma posição muito difícil. O aumento da inflação limitará a capacidade de continuar a "flexibilização quantitativa ilimitada" sem exacerbar ainda mais a inflação. Infelizmente, se eles não "monetizarem" o déficit por meio do programa de "flexibilização quantitativa", as taxas de juros aumentarão à medida que o Tesouro emitir mais dívidas.

É uma situação sem vitória para o Fed.

A Pior Coisa de Todas

Se as taxas de juros subirem, por qualquer motivo, as coisas sairão do controle.

1) O crescimento econômico ainda depende de níveis massivos de intervenção monetária. Um aumento nas taxas reduzirá o crescimento, à medida que o aumento dos custos dos empréstimos retarda o consumo.

2) O Federal Reserve atualmente administra o maior fundo de hedge do mundo, com mais de US$ 7 trilhões em ativos. O Long Term Capital Mgmt., que administrava apenas US$ 100 bilhões, quase atrapalhou a economia quando o aumento das taxas causou seu colapso. O Fed tem 70x esse tamanho.

3) O aumento das taxas de juros matará imediatamente o mercado imobiliário. As pessoas compram pagamentos, não casas, e as taxas crescentes significam pagamentos mais altos.

4) Um aumento nas taxas de juros significa custos mais altos de empréstimos. Isso leva a margens de lucro mais baixas para as empresas.

5) Um dos principais argumentos de alta nos últimos 11 anos continua sendo as ações baratas, com base nas baixas taxas de juros. Quando as taxas sobem, o mercado fica supervalorizado muito rapidamente.

6) O impacto negativo no mercado massivo de derivativos pode levar a outra crise de crédito, à medida que os derivativos com spread de taxa falham.

7) À medida que as taxas aumentam, também aumentam os pagamentos de juros de taxa variável nos cartões de crédito. Com o consumidor já impactado por salários estagnados, subemprego e altos custos de vida; um aumento no pagamento da dívida reduziria ainda mais a renda disponível. Isso levaria a uma contração nos gastos e a inadimplência crescente (o que já está acontecendo enquanto falamos).

8) O aumento da inadimplência no serviço da dívida impactará negativamente os bancos que ainda não estão adequadamente capitalizados e seguem sobrecarregados por níveis massivos de inadimplência.

9) Os produtos sensíveis à direção e à força da economia global caem de preço à medida que a recessão se instala.

10) A relação déficit/PIB aumentará à medida que os custos dos empréstimos aumentarem bastante. As muitas previsões de déficits futuros mais baixos irão desmoronar à medida que novas estimativas começarem a aumentar.

Eu poderia continuar, mas você entendeu.

Colocando em Imagens

As ramificações do aumento das taxas de juros se aplicam a todos os aspectos da economia.

À medida que as taxas aumentam, também aumentam as taxas de pagamentos com cartão de crédito, empréstimos para automóveis, empréstimos comerciais, despesas de capital, arrendamento, lucratividade corporativa etc.

Atualmente, a economia exige mais de US$ 4,00 em dívidas para fabricar US$ 1,00 de crescimento econômico. Dada a dependência da dívida para financiar o crescimento, taxas de juros mais altas seriam inerentemente destrutivas.

Alavancagem Total do Sistema
Alavancagem Total do Sistema

Mais importante, os consumidores também se afundaram ainda mais em dívidas. Atualmente, a diferença entre os salários e os custos para sustentar o “padrão de vida” exigido é recorde. Com uma exigência de mais de US$ 16.000 em dívidas para manter o padrão de vida atual, há pouca capacidade de absorver taxas mais altas antes que o consumo se reduza drasticamente.

Diferença entre Dívida e Padrão de Vida
Diferença entre Dívida e Padrão de Vida

O Fed Não Tem Escolha

Dada a quantidade de dívida atualmente necessária para sustentar o crescimento econômico, o Fed não tem escolha a não ser continuar a monetização da dívida federal indefinidamente.

Isso deixa apenas dois resultados possíveis a partir daqui, e ambos não são bons.

  1. A Powell & Co. continua mantendo as taxas em zero. Com o envelhecimento demográfico dos sistemas de previdência, a dívida continuará a sufocar a inflação e o crescimento econômico. O ciclo que começou há quase 40 anos continuará à medida que os EUA adotarem a "Síndrome do Japão".
  2. O segundo resultado é muito pior, que é uma dissociação econômica que leva a um processo massivo de desalavancagem. Esse evento começou em 2008, mas foi interrompido pelas intervenções do Banco Central. Em 2020, o Fed interrompeu o processo de desalavancagem mais uma vez. Ambos os eventos levam a um sistema ainda mais carregado de dívidas, que em algum momento as intervenções do Fed podem não impedir.

Alavancagem Total do Sistema e PIB
Alavancagem Total do Sistema e PIB

O Fed Está Preso a Zero

O problema da dívida expõe o risco do Fed e por que agora eles estão presos para sempre no limite zero.

O Fed declarou que as taxas de juros permanecerão baixas até "quando os mandatos duplos de pleno emprego e estabilidade de preços forem alcançados". Dado que a estabilidade econômica não foi alcançada na última década, é altamente improvável que uma duplicação do balanço do Fed melhore os resultados futuros.

Infelizmente, dado que agora temos uma década de experiência em observar a “diferença de riqueza” piorar sob as políticas do Federal Reserve, a próxima década verá apenas essa “diferença” aumentar.

Sabemos agora que a crescente dívida e os déficits inibem o crescimento orgânico. Os enormes níveis de dívida adicionados às costas dos contribuintes apenas garantirão que o Fed permaneça preso no limite zero.

PIB/Crescimento da Dívida por Ciclo
PIB/Crescimento da Dívida por Ciclo

As Tarifas Não Podem Subir Nunca

No entanto, a questão do aumento dos custos de empréstimos se espalha por todo o ecossistema financeiro como um vírus. A ascensão e queda dos preços das ações têm muito pouco a ver com o norte-americano médio e sua participação na economia doméstica. As taxas de juros são uma questão totalmente diferente.

Como as taxas de juros afetam os "pagamentos", os aumentos nas taxas afetam rapidamente negativamente o consumo, a habitação e o investimento, o que acaba por impedir o crescimento econômico.

Dados os ventos contrários soprados por demografia, dívida, pensão e avaliação atualmente, as taxas de crescimento futuro serão baixas nas próximas décadas. Até as próprias taxas de crescimento econômico de longo prazo do Fed estão abaixo de 2%.

Os catalisadores necessários para criar o tipo de crescimento econômico que é preciso para elevar as taxas de juros substancialmente mais altas, como vimos antes de 1980, não estão disponíveis hoje. Nem estarão no futuro.

Por fim, o Federal Reserve e o governo terão que enfrentar escolhas difíceis para retirar a economia da atual "armadilha da liquidez". No entanto, a história mostra que a liderança política sempre faz as escolhas, até que as escolhas lhes sejam impostas.

Você não precisa procurar muito além do Japão para obter um exemplo claro do que quero dizer.

Taxas de Juros Mantêm o Fed Preso à Flexibilização Quantitativa
 

Artigos Relacionados

Taxas de Juros Mantêm o Fed Preso à Flexibilização Quantitativa

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
Comentários (7)
Elber Raminho
Elber Raminho 18.07.2020 23:21
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
O crecimento orgânico esta no limite do meio suportar o individuo.
Arhidamos Megistanides
Arhidamos Megistanides 18.07.2020 22:48
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Boa análise! Parabéns!!!
Jorge Oliveira
Jorge Oliveira 18.07.2020 21:16
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Governo ou desgoverno ? menos Estado. inflação gera produção se o Governo não intervir.
Felipe Moreira
Felipe Moreira 18.07.2020 21:16
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
não se houver perda da qualidade do titulo (comprometimento fiscal) ai vc tem staginflation. O desgoverno Dilma foi um exemplo. A hiperinflação do desgoverno de Delfim Neto tb.
Alexandre Mattos
Alexandre Mattos 18.07.2020 19:45
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
O JAPAO IMPRIME DINHEIRO A UMA DECADA!!!!!! EUA tambem e vai continuar assim.
Julius Capri
Julius Capri 18.07.2020 15:03
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Mas esse é o grande erro de todos os países, excesso de foco na questão monetária, pouco foco na produção. É possível controlar a inflação maligna aumentando a produtividade ao invés de apostar em redução de estímulos quando for necessário. O problema é que os governos injetam muito dinheiro nos serviços públicos e esses salários geram uma demanda descontrolada. O estado precisa gerar produto e não apenas consumo. Os governos precisam participar dos meios produtivos de uns forma que não atrapalhe a iniciativa privada. Então, se o preço dos automóveis sobe, o estado precisa passar a produzir automóveis, se os alimentos sobem, o governo precisa aumentar a produção de alimentos pra suprir a demanda. Chegará um ponto onde irá existir até as indústrias do governo, isso não tem jeito, pois tudo em estímulos pra iniciativa privada já foi dado, e o PIB dos países não saiu do lugar. Então, se frango está caro, o governo perdoa a dívida das granjas em troca de mais produção de aves.
Julius Capri
Julius Capri 18.07.2020 15:03
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
O caminho é os governos entrarem diretamente como colaboradores da produção, e perdoar a dívida das empresas em troca de aumento de produção. Esse problema relatado nesse post de resolverá no mundo desde que o mundo produza mais. O problema é que nem toda empresa tem interesse em aumentar produção, pois é melhor vender mais caro para quem pode pagar, sendo que aumentar produção derruba o preço do produto. Então existe muita má fé humana também, um pouco de bom senso de todos os lados pode resolver tudo isso.
Alexandre Mattos
Alexandre Mattos 18.07.2020 15:03
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Falou tudo. Sou eng de prod e afirmo, é triste nosso setor.
Eduardo Finamore
Eduardo Finamore 18.07.2020 10:59
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
O deficit do setor externo ( a farra vai acabar) virou divida publica. Os derivativos criados para proteger os estoques de riqueza, deram muito prejuizo, que esta sendo resgatado pelos QE, e virou divida publica futura. Os bilionarios criaram fundacoes e estao livres de inpostos. Quero ver esses ajuste de defasagens distribuidas.
Felipe Moreira
Felipe Moreira 17.07.2020 20:39
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
sim, mas impedem o TGA de gastar dinheiro "spend into existence" indiscriminadamente... por isso não tem Inflação na gôndola. It's deflation, not inflation you stupid.
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Declaração de Riscos: Fusion Media would like to remind you that the data contained in this website is not necessarily real-time nor accurate. All CFDs (stocks, indexes, futures) and Forex prices are not provided by exchanges but rather by market makers, and so prices may not be accurate and may differ from the actual market price, meaning prices are indicative and not appropriate for trading purposes. Therefore Fusion Media doesn`t bear any responsibility for any trading losses you might incur as a result of using this data.

Fusion Media or anyone involved with Fusion Media will not accept any liability for loss or damage as a result of reliance on the information including data, quotes, charts and buy/sell signals contained within this website. Please be fully informed regarding the risks and costs associated with trading the financial markets, it is one of the riskiest investment forms possible.
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail