Garanta 40% de desconto
🚀 Ações escolhidas por IA em alta. PRFT com alta de +55% em 16 dias. Não perca as ações de junho!Acessar lista completa

Fique por dentro das 5 principais notícias do mercado desta quinta-feira

Publicado 11.04.2024, 06:12
Atualizado 11.04.2024, 07:54
© Reuters
US500
-
EWZ
-
FAST
-
PBR
-
STZ
-
LCO
-
CL
-
1YMM24
-
NQM24
-
DAL
-
KMX
-
PETR3
-
PETR4
-
US500
-

Por Peter Nurse e Jessica Bahia de Melo

Investing.com – A inflação mais alta que as expectativas em março nos Estados Unidos provocou uma reversão das expectativas de corte de taxas de juros pelo Federal Reserve (Fed, banco central americano), e os investidores vão analisar o relatório de preços ao produtor no país em busca de mais clareza.

Na agenda de hoje, o Banco Central Europeu (BCE) anuncia sua decisão de juros pela manhã, enquanto a temporada de balanços americana tem início.

No Brasil, notícias na mídia apontam que fritura do atual CEO da Petrobras pode ter chegado ao fim – pelo menos por enquanto.

CONFIRA: Calendário econômico do Investing.com

1. Caem expectativas de corte das taxas pelo Fed

O relatório de inflação de março veio mais alto do que o esperado, o que fez com que as expectativas de um corte nas taxas do Fed diminuíssem. Agora, parece cada vez menos provável que haja uma redução em junho.

O índice de preços ao consumidor (IPC), que é monitorado de perto, subiu 3,5% no mês passado. Isso é mais rápido do que o ritmo de 3,2% registrado em fevereiro e acima dos 3,4% esperados. O valor anual do núcleo do IPC, que exclui itens voláteis como alimentos e combustível, permaneceu em 3,8%, contrariando as expectativas de uma queda.

Esses dados fortes levaram os mercados futuros a precificar apenas 40 pontos-base de cortes neste ano, em comparação com os 150 pontos-base precificados no início de 2024.

Isso também fez com que o Goldman Sachs (NYSE:GS) adiasse sua previsão do primeiro corte na taxa de juros de junho para julho. “Continuamos esperando cortes em um ritmo trimestral depois disso, o que agora implica dois cortes em 2024, em julho e novembro”, disseram os analistas do influente banco de investimentos, em uma nota datada de 10 de abril.

O UBS está ainda mais pessimista, com o gigante bancário suíço agora prevendo que o primeiro corte ocorrerá em setembro, já que ele removeu um corte na taxa de junho como seu cenário base.

Os dados devem ser “particularmente preocupantes para o Fed”, disseram os analistas do UBS, em uma nota datada de 10 de abril. “Eles têm dito que não seria apropriado cortar as taxas até que ganhassem mais confiança de que a inflação estava se movendo de forma sustentável em direção à sua meta de 2%.”

“Não está mais claro que a inflação esteja sequer em uma tendência de desaceleração, muito menos que esteja se movendo em direção a 2%.”

Os preços ao produtor dos EUA devem ser divulgados mais tarde na sessão, e os investidores estão esperando por um quadro mais claro da inflação de março.

Espera-se que o número principal valor anual tenha aumentado 2,2%, de 1,6% em fevereiro, enquanto o mês a mês liberação deverá mostrar um aumento de 0,3%, uma queda em relação ao aumento de 0,6% do mês anterior.

Os futuros das ações dos EUA pouco mudaram na quinta-feira, com os investidores aguardando nervosamente outro relatório de inflação após a leitura dos preços ao consumidor da sessão anterior.

Às 7h49 (de Brasília), o contrato Dow futuros estava em baixa de 0,22%, o S&P 500 futures perdia 0,24%, e o Nasdaq 100 futures recuava 0,12%.

Os principais índices de Wall Street fecharam em forte queda na quarta-feira, na esteira do relatório do IPC, com os investidores começando a considerar que o Federal Reserve implementará menos cortes nas taxas este ano do que o esperado anteriormente.

Os preços ao produtor de março serão divulgados no final da sessão, e os economistas esperam que os preços mensais no atacado tenham crescido 0,3% em março, e 0,2%, excluindo-se alimentos e energia.

Também haverá balanços de empresas como a varejista de veículos usados CarMax (NYSE:KMX), a empresa de soluções para a cadeia de suprimentos Fastenal (NASDAQ:FAST) e a gigante de bebidas Constellation Brands (NYSE:STZ) para serem digeridos antes do sino de abertura.

ACOMPANHE: Cotações das ações americanas

2. O BCE sinalizará um corte na taxa de juros em junho?

O Banco Central Europeu vai definir as taxas de juros nesta quinta-feira, e os investidores estão bastante seguros de que as autoridades vão decidir manter os custos dos empréstimos no mesmo nível recorde.

No entanto, com a inflação diminuindo rapidamente e a zona do euro sofrendo com a fraqueza econômica, todos estão atentos à conferência de imprensa da presidente Christine Lagarde para ver se ela vai indicar que um corte nas taxas pode acontecer já em junho.

O BCE tem mantido as taxas de juros estáveis desde setembro, mas os formuladores de políticas têm sinalizado uma postura mais dovish recentemente, com a zona do euro agora em seu sexto trimestre consecutivo de estagnação econômica e a inflação apenas ligeiramente acima da meta de médio prazo de 2% do banco central.

“Esperamos que o BCE sinalize uma confiança crescente, mas ainda insuficiente, nos cortes das taxas”, disseram os analistas do BofA (NYSE:BAC) Securities, em uma nota datada de 5 de abril. “Ainda esperamos o primeiro corte em junho”.

ACOMPANHE: Calendário da temporada de balanços

3. Balanços corporativos podem salvar o dia?

A nova temporada de resultados corporativos começa na sexta-feira, com uma série de grandes bancos que devem divulgar seus números do primeiro trimestre. Com os principais índices de ações dos EUA em níveis muito altos e as dúvidas crescentes de que o Federal Reserve começará a cortar as taxas de juros em breve, essa temporada de lucros provavelmente terá de ser impressionante para evitar um forte retrocesso.

No entanto, os analistas esperam ver um crescimento dos lucros de 5% no primeiro trimestre, de acordo com dados da LSEG. Esse seria o menor valor desde o segundo trimestre de 2023. Dito isso, as primeiras evidências são animadoras.

Na quarta-feira, a Delta Air Lines (NYSE:DAL) previu um forte lucro no trimestre atual, depois de registrar ganhos melhores do que o esperado no primeiro trimestre.

O Wells Fargo (NYSE:WFC) também expressou confiança, já que sua equipe de estrategistas elevou o preço-alvo do S&P 500 para 5535, em comparação com os 4625 anteriores, o que implica um potencial de alta de mais de 6%.

“Até certo ponto, acreditamos que a moderação das expectativas do Fed está ajudando, e não prejudicando o desempenho do SPX, pois mantém o status quo, que é construtivo para as grandes empresas, o comércio de crescimento/IA secular e o Momentum”, disse o banco, em uma nota.

CONFIRA: Cotação das principais commodities

4. O petróleo recua em meio às tensões no Oriente Médio

Os preços do petróleo recuavam na quinta-feira, com a situação no Oriente Médio ainda tensa, ameaçando a segurança da oferta dessa região, rica em petróleo.

Às 7h49, os futuros do petróleo dos EUA eram negociados 0,70% mais baixos, a US$ 85,61por barril, enquanto o contrato do Brent recuava 0,56%, para US$ 89,97por barril.

Israel e o Hamas iniciaram uma nova rodada de negociações em uma tentativa de pôr fim à guerra de mais de seis meses em Gaza, mas não há muita confiança de que essas discussões resultarão em um acordo.

Ao mesmo tempo, ainda há o risco de que o Irã, apoiador do grupo militante e terceiro maior produtor da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), seja arrastado para o conflito, principalmente como consequência de um suposto ataque aéreo israelense contra a embaixada do Irã na Síria no início do mês.

Dados oficiais na quarta-feira mostraram que os estoques do petróleo dos EUA cresceu 5,8 milhões de barris na semana até 5 de abril, mais do que o esperado, e a terceira semana consecutiva de crescimento desproporcional nos estoques dos EUA.

A Opep divulga seu relatório mensal sobre o mercado de petróleo no final da sessão, antes do relatório equivalente do Agência Internacional de Energia na sexta-feira.

LEIA MAIS: Petrobras (PETR4): Alta do petróleo pode impulsionar resultados e dividendos?

5. Prates deve ser mantido no cargo – Reuters

Com semanas de fritura do atual presidente da Petrobras (BVMF:PETR4), Jean Paul Prates, a expectativa é de que ele siga no cargo, segundo fontes ouvidas pela Reuters na condição de sigilo. As pressões por sua demissão – motivadas pelos embates públicos com o ministro de Minas e Energia – teriam diminuído, segundo a agência de notícias.

Em março, o CEO da estatal sugeriu ao Conselho de Administração o pagamento de metade do montante de R$43,9 bilhões na forma de dividendos extraordinários aos acionistas, sendo vencido pelo colegiado, com maioria do governo. De acordo com a Reuters, a fonte indicou que os sinais são de que o Conselho ainda pode aprovar essa proposta inicial de Prates em assembleia de acionistas prevista para dia 25 de abril.

Questionado sobre o tema nos últimos dias, o ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, pediu um "um pouco de paz" para a estatal e disse que qualquer decisão cabe ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A repercussão de que o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Aloizio Mercadante, nome próximo à Lula, teria sido cotado pelo cargo, repercutiu de forma negativa no mercado.

“Uma possível mudança para uma pessoa que não seja do setor e que seja 100% alinhada ao Palácio do Planalto preocupa”, aponta o analista da Levante Flávio Conde.

Às 7h49 (de Brasília), as ADRs da Petrobras (NYSE:PBR) subiam 0,31% no pré-mercado.

**

Precisa de ajuda para navegar nos mercados? InvestingPro é para você!

Seja você busca conquistar orientações sobre investimentos ou procura por ferramentas que permitam escolher as ações corretas do Ibovespa ou dos mercados globais por conta própria, o InvestingPro tem algo a oferecer.

Você encontrará estratégias de IA, indicadores exclusivos, dados financeiros históricos, notícias profissionais e muitos outros serviços para sempre manter uma vantagem nos mercados e saber quais ações comprar e quais evitar.

E os leitores de nossos artigos têm por tempo limitado um desconto especial nas assinaturas Pro e Pro+ de 1 e 2 anos, graças ao código promocional INVESTIR a ser inserido na página de pagamento.

Inscreva-se agora! E não esqueça o código promocional "INVESTIR", válido para assinaturas Pro e Pro+ de 1 e 2 anos!

Recursos do InvestingPro - Use o cupom INVESTIR para um desconto adicional

Veja como aplicar o cupom no vídeo abaixo:

caption credit

Últimos comentários

Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.