😎 Promoção de meio de ano - Até 50% de desconto em ações selecionadas por IA no InvestingProGARANTA JÁ SUA OFERTA

Exportadores rivais de carne suína podem se beneficiar das tensões entre China e UE

Publicado 17.06.2024, 17:58
© Reuters.
TSN
-
SYY
-
1928
-
USD/CNH
-

Por Naveen Thukral

CINGAPURA (Reuters) - Os exportadores de carne suína da América do Sul e dos Estados Unidos poderão ganhar participação no mercado chinês se Pequim restringir as importações da União Europeia em resposta à escalada das tensões comerciais, disseram traders e analistas.

A Rússia, cada vez mais um parceiro comercial próximo da China, que começou a exportar carne suína para a China em fevereiro, também poderia aumentar os embarques de carne.

O Ministério do Comércio da China afirmou nesta segunda-feira que abriu uma investigação antidumping sobre a carne suína importada e seus subprodutos da UE, depois que o bloco impôs taxas antissubsídios sobre os carros elétricos fabricados na China.

Qualquer impacto sobre as exportações da UE levará algum tempo para surgir. A China disse que a investigação poderia durar mais de um ano.

"O Brasil, a Argentina e os EUA podem exportar mais carne suína e miúdos para a China se as exportações da União Europeia forem restringidas", disse Pan Chenjun, analista sênior do Rabobank em Hong Kong.

"Se o imposto antidumping for muito alto, as remessas de outras origens, como os EUA, o Brasil e a Argentina, aumentarão."

No entanto, a Federação de Exportação de Carnes dos EUA (USMEF) observou que a carne suína dos EUA enfrenta taxas retaliatórias de 25% na China em resposta às tarifas de aço e alumínio.

"Não está claro se a carne suína dos EUA ainda estará em desvantagem tarifária em relação à carne suína da UE, como é o caso hoje", disse Joe Schuele, vice-presidente de comunicações da USMEF.

A Smithfield Foods, uma unidade do WH Group ltd, listada em Hong Kong, está familiarizada com o impacto das tarifas chinesas sobre a carne suína dos EUA e receberia bem uma mudança, disse o porta-voz Jim Monroe.

As tarifas antidumping poderiam afetar fortemente a Europa.

Pan, no entanto, disse que qualquer impacto no mercado chinês seria limitado.

"Não vemos muito impacto no mercado local em termos de suprimentos e preços se as importações da União Europeia forem restringidas. Isso se deve ao fato de que as importações chinesas de carne suína e miúdos representam apenas 5% do consumo total", disse Pan.

Schuele, da USMEF, disse que poderia haver mais oportunidades para as variedades de carne suína dos EUA na China, incluindo pés, estômagos, cabeças e pescoço.

CONSUMIDOR E PRODUTOR LÍDER

Em 2023, a China importou 6 bilhões de dólares em carne suína, incluindo vísceras, segundo dados da alfândega.

O país é o maior produtor mundial de carne suína e consome cerca de metade da carne suína do mundo.

Um comerciante sediado na Ásia disse que o Brasil, principal parceiro comercial agrícola da China, teria a ganhar com qualquer interrupção no comércio com a UE.

O comerciante, que pediu para não ter seu nome divulgado porque não estava autorizado a falar com a imprensa, disse que o Brasil é muito competitivo em termos de preços e que seria capaz de aumentar facilmente sua participação no mercado.

A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), que representa produtores, afirmou em nota que o Brasil "acompanha com atenção a situação ocorrente entre as autoridades chinesas e os exportadores de carne suína europeus".

"Como player do setor e parceiro das nações em questão, o Brasil espera que seja uma construída equilibrada para ambas as partes", disse a ABPA, evitando fazer prognósticos sobre eventuais ganhos com tensão comercial entre China e UE.

A Rússia também tem potencial de crescimento e, de acordo com Yuri Kovalev, chefe da União Nacional de Produtores de Carne Suína do país, ela quer ter uma participação de 10% nas importações de carne suína da China dentro de três a quatro anos.

Em 2 de junho, os embarques de carne suína da Rússia para a China totalizavam 4.260 toneladas métricas, mas Sergey Dankvert, chefe do Rosselkhoznadzor, órgão de fiscalização agrícola russo, disse no início deste mês que a Rússia poderia exportar até 100.000 toneladas de carne suína para a China em 2024.

O chefe da Miratorg, um dos principais fornecedores de carne suína da Rússia, Viktor Linnik, disse em um fórum de investimentos em São Petersburgo que a holding agrícola estava pronta para fornecer à China cerca de 40.000 toneladas de carne suína até o final do ano.

Um comerciante de carne em Xangai, que pediu para não ter seu nome revelado, disse que sua empresa estava em contato com exportadores de carne suína russa.

(Reportagem de Naveen Thukral; reportagem adicional de Olga Popova em Moscou, Karl Plume, Tom Polansek em Chicago, Roberto Samora em São Paulo e redação em Pequim)

Últimos comentários

Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.