🚀 Ações escolhidas por IA em alta. PRFT com alta de +55% em 16 dias. Não perca as ações de junho!Acessar lista completa

Taxas de juros curtas caem em novo dia de ajustes em meio a fala de Campos Neto

Publicado 22.04.2024, 16:46
© Reuters. Moedas de 1 real
15/10/2010
REUTERS/Bruno Domingos
US10YT=X
-
BR10YT=XX
-

Por Fabricio de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - As taxas dos DIs de curto prazo fecharam a segunda-feira em baixa, dando continuidade ao movimento de ajuste da sessão anterior e após comentários do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, reforçando a incerteza sobre a política monetária, enquanto as taxas de longo prazo terminaram em leve alta, em meio a preocupações com o equilíbrio fiscal.

No fim da tarde a taxa do DI (Depósito Interfinanceiro) para janeiro de 2025 estava em 10,305%, ante 10,353% do ajuste anterior, enquanto a taxa do DI para janeiro de 2026 estava em 10,51%, ante 10,543% do ajuste anterior.

Já a taxa para janeiro de 2027 estava em 10,805%, ante 11,81%, enquanto a taxa para janeiro de 2028 estava em 11,08%, ante 11,059%. O contrato para janeiro de 2031 marcava 11,48%, ante 11,45%.

Na sexta-feira as taxas futuras haviam registrado baixas consistentes, em meio a ajustes de preços após o forte avanço das últimas semanas, quando o mercado passou a precificar chances maiores de adiamento do corte de juros nos EUA e reduções menores da taxa básica Selic no Brasil.

Nesta segunda-feira as taxas curtas chegaram a oscilar em alta no início da sessão, mas se firmaram em baixa logo depois com investidores ainda reduzindo prêmios na curva, mesmo que a precificação majoritária siga indicando corte de apenas 25 pontos-base da Selic em maio -- e não de 50 pontos-base, como vinha sinalizando o Banco Central. Atualmente a Selic está em 10,75% ao ano.

Em evento na manhã desta segunda-feira, Campos Neto voltou a falar tanto da política monetária quanto da política cambial. Segundo ele, o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC reduziu o forward guidance de duas reuniões para apenas uma reunião por conta da maior incerteza no cenário.

Ao mesmo tempo, ele afirmou que na semana passada foi passada a mensagem de que não é possível dar um guidance em função da incerteza.

“O que a gente fez na semana passada foi dizer que não temos como dar um 'guidance' porque temos uma incerteza muito grande", disse.

Em declarações nos Estados Unidos na última semana, Campos Neto apresentou diferentes cenários para o trabalho do BC à frente e citou uma eventual redução do ritmo de cortes da taxa básica de juros, sempre colocando como condicionante a evolução do nível de incerteza, principalmente no ambiente internacional.

"A gente deu essa gradação exatamente para dar mais transparência daqui para frente no que vamos fazer em termos de política monetária. Nós não temos como dar um guidance porque tem muita incerteza", reforçou nesta segunda-feira.

Sobre o câmbio, Campos Neto pontuou que, caso o BC faça intervenções pesadas no mercado, o risco passará para os juros longos. Ele acrescentou que o BC nunca fez intervenção no câmbio para mudar preços.

Em meio a esses comentários, a ponta curta da curva a termo se manteve em baixa, enquanto a longa oscilou em leve alta.

“A mensagem foi de que se o cenário continuar incerto, com possibilidade de dólar alto e meta fiscal ruim, isso pode fazer com que a estratégia de corte de juros se altere. Mas o BC também indicou que se o cenário for positivo ele pode voltar para a estratégia original (de cortes da Selic)”, avaliou Felipe Izac, sócio da Nexgen Capital.

“Com isso, a ponta curta está fechando um pouco hoje (segunda-feira), porque o mercado ainda precifica que os juros vão cair mais. Mas na ponta longa, com o déficit fiscal brasileiro piorando, a curva abre”, acrescentou Izac.

Na semana passada o governo anunciou a redução da meta fiscal de 2025, de superávit de 0,50% do PIB para zero. Sobre a questão fiscal, Campos Neto voltou a afirmar nesta segunda que no Brasil é “muito difícil” cortar gastos públicos e que daqui para frente o risco estará muito atrelado à sustentabilidade da dívida.

© Reuters. Moedas de 1 real
15/10/2010
REUTERS/Bruno Domingos

A curva seguiu precificando cortes menores da taxa básica. Perto do fechamento a precificação estava em 87% para corte de 25 pontos-base da Selic em maio e 13% para corte de 50 pontos-base. Na sexta-feira os percentuais eram de 97% para corte de 25 pontos-base e 3% para manutenção.

No exterior os rendimentos dos Treasuries oscilavam no fim da tarde próximos da estabilidade, mas em níveis elevados, com investidores à espera dos leilões de títulos programados para terça, quarta e quinta-feira e de novos dados sobre a economia dos EUA ao longo da semana.

Às 16h35, o rendimento do Treasury de dez anos -- referência global para decisões de investimento -- estava estável, a 4,619%.

Últimos comentários

Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.