Últimas Notícias
Garanta 40% de desconto 0
👀 Invista igual ao Warren Buffett e lucre +174.3% acima do badalado S&P 500 Aproveite desconto de 40%

A neblina da guerra e outras coisinhas por aí

Por Felipe MirandaAções17.10.2023 06:35
br.investing.com/analysis/a-neblina-da-guerra-e-outras-coisinhas-por-ai-200460240
A neblina da guerra e outras coisinhas por aí
Por Felipe Miranda   |  17.10.2023 06:35
Salvo. Ver Itens salvos.
Esse artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 
 
CL
+1,98%
Adicionar/Remover de uma Carteira
Adicionar aos favoritos
Adicionar posição

Posição adicionada com êxito a:

Dê um nome à sua carteira de investimento
 
ARZZ3
+0,20%
Adicionar/Remover de uma Carteira
Adicionar aos favoritos
Adicionar posição

Posição adicionada com êxito a:

Dê um nome à sua carteira de investimento
 
ITUB4
+0,44%
Adicionar/Remover de uma Carteira
Adicionar aos favoritos
Adicionar posição

Posição adicionada com êxito a:

Dê um nome à sua carteira de investimento
 
VALE3
-0,16%
Adicionar/Remover de uma Carteira
Adicionar aos favoritos
Adicionar posição

Posição adicionada com êxito a:

Dê um nome à sua carteira de investimento
 
CASH3
+0,50%
Adicionar/Remover de uma Carteira
Adicionar aos favoritos
Adicionar posição

Posição adicionada com êxito a:

Dê um nome à sua carteira de investimento
 
RRRP3
+1,11%
Adicionar/Remover de uma Carteira
Adicionar aos favoritos
Adicionar posição

Posição adicionada com êxito a:

Dê um nome à sua carteira de investimento
 

É difícil não falar da guerra. E é difícil falar da guerra. 

Ah, sim, estou certo de que, nos últimos dias, nasceram grandes especialistas nos conflitos do Oriente Médio, a maior parte deles pronta para destilar suas certezas nas redes sociais (e ai de você se ousar ter uma opinião diferente!). Queria ter a autoestima e todo o conhecimento desse pessoal. Como não tenho uniforme de defecador de sapiência (cagador de regra para os mais íntimos), tento me abster. Isso não me impede, claro, de condenar a atrocidade cometida pelo terrorista Hamas, tampouco de defender uma solução de dois Estados. 

Não sou formado em relações internacionais, nem tenho especialização em Oriente Médio, mas, como um curioso em estratégia militar, li Carl von Clausewitz, com especial interesse na ideia de “the fog of war”, a neblina e a incerteza associadas à guerra. Num grande conflito militar, você até pode saber como entra, mas nunca poderá antecipar como sai. 

Estamos exatamente neste ponto agora. Existe uma gama ampla de resultados potenciais da guerra e, entre eles, voltamos a ter de contemplar eventos de cauda, o que costuma ser especialmente problemático porque nos retira a capacidade de fazer conta, elevando a outro nível as dificuldades do gerenciamento de risco. Se a variância da distribuição é infinita, significa basicamente que tudo pode acontecer. Vira um problema de etimologia, não de conta sobre o que está em risco. Entramos no campo do imponderável. 

Especialistas no setor petrolífero escrevem que o eventual envolvimento de Líbano, Síria e Irã no conflito poderia empurrar o barril da commodity para US$ 150 por barril. É evidente o impacto potencial sobre a inflação e sobre as taxas de juro da eventual materialização desse cenário — talvez não chegássemos a algo da magnitude de 1973 ou 1979, porque a dependência do petróleo hoje é menor, mas a direção é aquela. Já se o Irã se mantivesse alheio (aqui no sentido direto e tangível) e envolvêssemos “apenas" Síria e Líbano (além de Israel e Gaza, obviamente), o petróleo poderia ficar mais caro em cerca de US$ 10 por barril. E um cenário mais brando, de restrição da guerra a Gaza, empurraria o óleo para cima em aproximadamente US$ 4 por barril. 

Eu não sei qual desses cenários vai se materializar. Acho que ninguém sabe. Mas a distribuição parece um tanto assimétrica à direita. Você não precisa saber o que vai acontecer (na verdade, normalmente você não sabe) para tomar uma decisão. Volto à velha máxima: X não é F(X), sendo X a realidade objetiva e F(X) como seu portfólio reage à realidade. É muito mais fácil controlar o resultado do seu portfólio do que capturar o mundo inteiro. Parece pouco razoável atravessar a tormenta sem um pouco de petróleo na carteira, seja pelo seu potencial de valorização, seja pela proteção que ele pode oferecer ao restante do portfólio. Comprar um pouco de ouro como hedge clássico ao recrudescimento das tensões geopolíticas também não é má ideia.

Temos expressado o viés positivo para o petróleo em nossas carteiras por meio de um ETF de grandes produtoras globais e das ações de 3R (BVMF:RRRP3). Aliás, não sei se você reparou, mas o price action de 3R mudou bastante nas últimas semanas. Antes, as ações vinham perdendo o rali do petróleo, se comportando como small cap, por conta de seus problemas idiossincráticos (produção errática e questionamentos sobre alinhamento de interesse entre todos os acionistas, com vendas periódicas pelo conselho). Isso, inclusive, deixou a ação para trás da melhora de seus fundamentos. O valor intrínseco melhorou por conta do petróleo mais caro, e as ações não vinham andando. Nos pregões mais recentes, a coisa já mudou e 3R vem acompanhando o óleo. A companhia soltou um belo dado de produção e não houve vendas pelo conselho na última atualização mensal. Além disso, iniciou um bom movimento em direção à melhora do perfil da dívida, pois agora tem balanço para isso. Conforme 3R reduza seu risco de execução, as ações deveriam buscar um outro nível de valuation — a cobertura dos papéis inclusive têm aumentado, com preços-alvo em torno de R$ 55, o que lhe confere expressivo potencial de valorização de aproximadamente 70%. Vale (BVMF:VALE3) a compra.

Ainda gostaria de dividir outra coisa sobre 3R e as junior oils em geral. Depois dos dados de produção da semana passada, ouvi de um amigo gestor, em tom jocoso e irônico: “às vezes, desconfio que a função da Petrorecôncavo (BVMF:RECV3) em bolsa é semelhante àquela desempenhada pelos economistas frente aos meteorologistas” (há uma piada clássica na Academia de que a função dos economistas é fazer os meteorologistas passarem menos vergonha, de tanto que erram suas projeções; ninguém precisa se ofender: eu sou economista, mas, como Groucho Marx, me recuso a fazer parte de um clube que me aceita como membro).

Piadas sem graça à parte, uma hipótese antiga voltou a me ocorrer desde que olhei os dados de produção de Petroreconcavo, com dificuldade de processamento e escoamento da produção de gás em Potiguar. Nossa avaliação é de que, corretamente, tem feito paradas de manutenção focadas, o que reduz a vazão para processamento, obrigando a 3R a dar preferência para sua própria produção, em detrimento a Recôncavo. Olha, com o grau de agito no setor e a intensidade dos bancos de investimento, eu não me espantaria se 3R virasse o ano bem diferente e aqui incluo a possibilidade de fusão com a Petroreconcavo (claro que a probabilidade é baixa em tão curto intervalo de tempo, mas estamos elucubrando). Essa, inclusive, é uma especulação antiga e faria sentido para dar escala, diluir custos fixos e aproveitar sinergias operacionais e estratégicas. Entendo que seria um ganha-ganha.

Já que penetramos o escopo corporativo e em especial movimentações societárias, sou espontaneamente empurrado ao caso de Getninjas (BVMF:NINJ3), até aqui a história do ano. Confesso ter me surpreendido com a ideia de REAG fazer uma OPA para fechar o capital da companhia. Sinceramente, não acho que valha muito mais do que o preço de tela. Pra mim, vale o caixa mais um prêmio de uma opção fora do dinheiro. Não vejo muito o que fazer aqui, mas, dada a força com que REAG e WNT tem comprado essas empresas do ciclo de IPOs encerrado em julho de 2021, todas com esse perfil heterodoxo (sim, um eufemismo, porque somos educados), me pergunto se Méliuz (BVMF:CASH3) não seria um alvo em potencial.

Como recebi de outro grande gestor num email recente: "aos preços de hoje a cia vale ~80% do seu caixa pós a aprovação regulatória da venda do Bankly. Nesse semestre ainda a cia atinge o break-even e no ano que vem deve fazer R$ 20-30mm de ebitda. Somado a uma receita financeira importante do caixa depois do dividendo extraordinário que deve vir, estamos falando de uma cia que vai estar negociando ao redor de 5x lucro depois de pagar um dividend yield de 30-40% no começo do ano que vem. É uma insanidade e, talvez, o maior upside individual ajustado ao risco que vejo hoje.” Se nada mais der certo, a empresa vira alvo de M&A e Israel estará liberado em definitivo para correr de fórmula Porsche (ETR:P911_p).

Duas coisas para terminar:

— Intelbras (BVMF:INTB3): na semana passada, XP (BVMF:XPBR31) soltou relatório com prévia operacional menos otimista para a companhia em seus resultados trimestrais. Hoje, Itaú BBA foi na mesma direção, o que passa a sensação de que a empresa está conversando com o mercado e guiando para números mais comedidos. De fato, parece fazer sentido. No entanto, boa parte do desempenho mais fraco se deve ao descasamento entre sell in e faturamento propriamente dito. Sofre agora no terceiro trimestre e recupera no quarto. Acho que faltou esse esclarecimento, o que tornaria a queda da semana passada bastante exagerada. Mesmo com projeções atualizadas para baixo, Itaú (BVMF:ITUB4), por exemplo, ainda tem estimativa de lucro de R$ 107 M, enquanto nós temos R$ 117 M. A diferença é quase marginal se contemplamos o impacto material disso no DCF. Abaixo de 10x lucros para o ano que vem, Intelbras merece um carinho especial.

— Arezzo (BVMF:ARZZ3): o mercado está batendo no varejo quase sem diferenciação. Ocorre que Arezzo, muito diferente da média do setor, deve apresentar crescimento no trimestre e opera num segmento premium, com qualidade premium. Seja lá o que venha a sair da reforma tributária, valuation atual aguenta desaforo.

A neblina da guerra e outras coisinhas por aí
 

Artigos Relacionados

A neblina da guerra e outras coisinhas por aí

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir esse gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por esse motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
Comentários (4)
Rafa D Jr
MagnataOpcoes 17.10.2023 11:24
Salvo. Ver Itens salvos.
Esse comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Esse Fefito continua um salfrário e pilantra da marca dos Gurus bem charlatães do mundo da Faria Lima.... Quem segue isso ai se ferra bem ferrado
Rosildo da Silva
Rosildo da Silva 17.10.2023 9:28
Salvo. Ver Itens salvos.
Esse comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Hamas cometeu atos terroristas e deploráveis e o Estado de Israel vem cometendo atrocidades semelhantes na Faixa de Gaza. Os também palestinos mercem um Estado para chamar de seu, pois lá já ocupavam há milênios. Para se ter uma ideia, Cristo era palestino. Então para de defender os donos das riquezas e da eugenia.
Jose Pereira
Jose Pereira 17.10.2023 9:09
Salvo. Ver Itens salvos.
Esse comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Analista de Micos kkkk
Rafa D Jr
MagnataOpcoes 17.10.2023 9:09
Salvo. Ver Itens salvos.
Esse comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
um pilantra mesmo
Rilton Reis
Rilton Reis 17.10.2023 7:06
Salvo. Ver Itens salvos.
Esse comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Se a guerra na Faixa de Gaza trouxer oficialmente o Irã para o confronto, o petroleo facilmente passa dos US$100 o barril e certamente beneficiará as petroleiras, 3R e PRIO surfarão esta apreciação da commodity! Tem muita oportunidaade na bolsa, mas tem que ter perfil para bastante volatilidade!
 
Tem certeza que deseja excluir esse gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar esse comentário

Diga-nos o que achou desse comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail