Últimas Notícias
0
Versão sem anúncios. Atualize sua experiência no Investing.com. Economize até 40% Mais detalhes

Ações Brasileiras, Real e Commodities: Valorização nos Próximos Anos?

br.investing.com/analysis/acoes-brasileiras-real-e-commodities-valorizacao-nos-proximos-anos-200441043
Ações Brasileiras, Real e Commodities: Valorização nos Próximos Anos?
Por Sebastião Buck Tocalino   |  31.03.2021 11:38
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 

Pensamento é coisa muito boa. Voa alto e vai longe. Mas, por serem muito livres, pensamentos se perdem por aí. Liberdade tem destas coisas. Devo admitir que não sou muito bom para escrever. Esta coisa de prender pensamentos ao papel é uma labuta. Um vai-não-vai dos dedos na síntese do que entra no texto, ou não. Briga na captura daquilo que insiste em ser solto. Mas o exercício mais judicioso da escrita é vitamina para a coerência. Na organização das ideias, elas ganham melhor consistência. Se não bastasse isto, ter algo por escrito ajuda-nos a lembrar de observações esquecidas, lá atrás.

Gosto de reler meus artigos antigos. Assim vejo onde errei e onde acertei, numa autocrítica didática. Com o desenrolar do tempo e dos dados é que vejo aquilo que merece maior atenção e credibilidade.

Sou madrugador por natureza. Antes do sol nascer, reli hoje um artigo publicado há um ano: Papagaios de Piratas. Ali estava um gráfico que merecia ser revisto. Nele, fiz a sobreposição de duas séries históricas. A primeira com os juros a mercado de títulos públicos americanos com vencimento em 3 meses. Na linha azul, estes juros foram projetados dois anos à frente, sobre o eixo cronológico horizontal. A segunda série mostrava o VIX (índice de volatilidade do S&P 500). Com atenção, podíamos ver alguma correlação esboçada entre as duas séries. Antecipando-se, os juros de 3 meses parecem sugerir o nível de ansiedade no mercado de ações, dois anos mais tarde. Bastante curioso. Atualizei o gráfico das duas séries históricas aqui:


Pelo menos até agora, aquela sugestão dos juros, sobre a volatilidade futura das ações, se manteve relevante. Se continuar assim, a volatilidade tende a diminuir em breve. Claro que não há garantias disto acontecer. O que vemos é só uma curiosa correlação. Mas vale a pena continuar observando. Não sou místico ou esotérico. Muito menos sortudo. Como não sou formado em futurologia, tento estar atento a estas coisas. Mesmo sem saber explicar a correlação, ela não parece mera coincidência. Mas estas pistas só funcionam enquanto funcionam. Por enquanto, ela é longa e interessante o bastante para chamar minha atenção.

Se materializada, essa menor volatilidade nos próximos doze meses, seguida por outros doze meses de maior tranquilidade (até março de 2023) poderá favorecer muito meu otimismo com as ações. Contudo, não me permito a insensatez de ter certezas sobre o que é incerto. A questão é se posso, realmente, estar correto no meu prognóstico para as ações brasileiras e a nossa moeda.

Em abril de 2020, publiquei meu ceticismo quanto ao dólar. O câmbio não me parece realista nestes patamares. Dólar está muito alto e o real muito sucateado.

Expirou-se aquela minha antiga aposta no dólar, publicada em Alavancagem e Desalavancagem (dez/2011), e reforçada em Petróleo e Dólar... Novamente! (mar/2017). Durou quase uma década e, felizmente, mostrou-se correta! Ao iniciar minha aposta, em dezembro de 2011, a moeda americana estava a R$ 1,77. Ao reforçar meu palpite, em março de 2017, o dólar marcava os R$ 3,12. Seu auge (pelo menos até agora) foi em maio de 2020, aos R$ 5,99 - um mês depois de cancelar minha aposta e me pronunciar desfavorável ao dólar.

Nem todo QE (criação de dinheiro pelo Fed) seria suficiente para depreciar a moeda americana na década passada. Minha visão para o dólar, de dez anos atrás, se baseava (1º) nos efeitos da demografia americana sobre o consumo, (2º) na menor participação da população na atividade produtiva, e (3º) na desalavancagem do setor privado (redução do seu endividamento).

Nos últimos meses, a alta das commodities ganhou evidência novamente. O aumento na criação de dinheiro já parece influenciar estes produtos básicos. Dinheiro não tem valor intrínseco, senão para a aquisição de bens e serviços. Estamos vivendo uma pandemia onde, pela primeira vez desde 2008, os dólares criados estão sendo enviados para a população. Antes só chegavam ao setor financeiro, inflacionando apenas ativos do mercado financeiro e reservas de bancos americanos.

Esta mudança de paradigmas é importante. Só não inflacionou ainda o índice de preços ao consumidor, pelas incertezas naturais com o Covid-19 e o lockdown generalizado. Muitos negócios estão falindo e deixando de produzir bens e serviços para os consumidores. Com cheques assistenciais bem mais generosos que na maioria do mundo, a renda pessoal americana aumentou - em plena crise pandêmica e desemprego elevado! Por enquanto, os americanos estão poupando e investindo estes recursos, em vez de gastá-los no consumo. Como reza a prudência, quando há insegurança social e econômica.

O gráfico a seguir mostra as variações percentuais em um ano: na renda pessoal dos americanos; nos seus gastos pessoais de consumo; e no índice de preços ao consumidor.


O aumento da renda pessoal (linha azul) nos EUA foi contrabalanceado pela redução no consumo pessoal (linha verde), permitindo que a inflação (linha vermelha) permanecesse controlada.

No entanto, as commodities já estão soando um alerta quanto à potencial inflação mais adiante. Commodities são produtos de pouco valor agregado, cujas qualidades e características são uniformes, independentemente da sua origem. Seus preços são determinados pela oferta e a demanda global.

Muitas vezes, as indústrias demoram um pouco antes de repassar ao consumidor os custos dos seus insumos básicos.
A população nota os primeiros sinais de inflação nas suas despesas com alimentação e energia (combustíveis, aquecimento e eletricidade). Sendo assim, faço uma comparação dos preços de alimentação e energia nos EUA (linha lilás) com o valor da moeda brasileira em relação ao dólar (linha laranja). Afinal, o Brasil, importante exportador de commodities, deve ter um câmbio flutuante que responda à demanda e ao valor destas exportações.

No início, o Plano Real não envolvia câmbio flutuante. A atrelagem do real ao dólar não resistiu à crise russa de 1998. A moratória da Rússia resultou na desvalorização do rublo e na renegociação da sua dívida externa. Isto lançou incertezas sobre outros países emergentes. Sem câmbio flutuante, o Brasil e o real se ressentiram. No início de 1999, houve uma grande desvalorização da moeda brasileira. A crise argentina seguiu-se à russa, entre 1998 e 2002, também levando à moratória da sua dívida externa. O Brasil, visto como potencial farinha do mesmo saco, sofreu na flexibilização do câmbio, durante quase todo o segundo mandato presidencial de FHC. Só a partir de outubro de 2002 é que o câmbio encontrou maior equilíbrio no comércio internacional.

Nesta época, as commodities ganhavam impulso com a demanda chinesa. O custo de alimentos + energia já aumentava nos EUA. O Brasil, exportando commodities, passou a ter um fluxo positivo de capital estrangeiro. A demanda pelas nossas exportações valorizava o real brasileiro.

Estava indo ao forno o segundo milagre brasileiro!

É importante compreender estes períodos de maior prosperidade brasileira como fenômenos exógenos, e não como sucessos da nossa administração pública. Nos anos 1970's, as taxas de juros reais eram negativas nos EUA. A mesma situação se repetiu nos anos 2000's. O prejuízo garantido na renda fixa dos EUA gerou um fluxo de capital estrangeiro para os emergentes, como China e países produtores de matérias primas, alimentos e insumos básicos.

O Brasil foi privilegiado, nas duas ocasiões, pelos juros reais negativos nos EUA.

Esta autocrítica deveria ser feita tanto pela direita (beneficiada nos anos 1970's) como pela esquerda (beneficiada nos anos 2000's). Escrevi mais sobre isto em:
- Taxas de Juros
- Comparando Desempenhos de Governos

Em outubro de 2002, com juros negativos nos EUA e a alta mundial das commodities, a bolsa brasileira já estava pronta na linha de largada! Os estrangeiros compravam o real (BRL) ainda barato e se posicionavam em ações brasileiras. Ganhariam nos dois flancos: no câmbio e nas ações. O gráfico abaixo mostra o real (BRL/USD na linha laranja), o índice global de preços de commodities em dólares (na linha roxa) e o índice dolarizado das ações brasileiras (na linha verde).


Embora eu não tivesse elaborado este gráfico antes, ao apostar na alta do dólar (em dez/2011), ou ao inverter minha aposta (contra o dólar, em abr/2020), ele só endossa aquilo que eu disse lá atrás. Ilustra de forma bastante simples e eficiente. Reforça minha aposta nas ações brasileiras e sugere que o real já está atrasado, devendo uma alta frente ao dólar.

O gráfico anterior (4º deste texto) mostrou um atraso do câmbio, em relação à inflação das commodities nos EUA. A valorização destas, em 2001, antecedeu em meses a alta do real, só iniciada em out/2002. Os picos do real brasileiro coincidiram com o pico dos preços globais das commodities, em 2008 e 2011. Em julho de 2011, tirei boa parte dos meus recursos da renda variável, para aplicá-los em juros prefixados.

Este gráfico seria providencial naquela ocasião. Mas na época, apostei no Tesouro Direto prefixado baseando-me na capacidade produtiva ociosa no Brasil e na demografia americana.

O interessante é que, no regime de câmbio flutuante, a partir de outubro de 2002, estes gráficos parecem reunir muitas dicas importantes. E, agora, em 2021, está sugerindo novas oportunidades para o Brasil. Se o ciclo se repetir nas commodities e juros americanos, ou pelo menos rimar com o anterior, nossa moeda e nossa bolsa vão fazer bonito nos próximos anos.

Ironicamente, os investidores brasileiros, pessoas físicas e institucionais profissionais, costumam atuar na contramão dos players internacionais. E acabam atropelados. Os estrangeiros têm muito poder financeiro para chacoalhar os pregões e os ânimos dos brasileiros. A volatilidade confunde e afugenta a maioria de nós. Profissionais ou amadores, esperemos que nossos compatriotas não entreguem suas ações (ainda baratas em dólares) aos estrangeiros. Se eu estiver certo, se arrependeriam mais tarde.

Aquela sugestão dos juros americanos de 3 meses (1º gráfico deste texto) é de que a volatilidade diminua até abril de 2022. Quem aguentar firme os próximos doze meses, talvez veja suas ações subirem mais tranquilamente no ano seguinte.

As pessoas andam ansiosas em vários aspectos. Discutem, se rivalizam, fazem malcriações, radicalizam a política, exageram o "politicamente correto" e criam inimizades. Também não têm paciência para ler, estudar e repensar as ideias. Nem tudo é oito ou oitocentos. Valor se constrói devagar.

No mercado de ações, todos querem ficar rico logo. Há uma progressiva escassez de investidores, diante de uma crescente onda de especuladores de curto prazo.




Se eu estiver certo, a ansiedade por resultados rápidos poderá tirar muita gente da corrida, ainda na linha de largada. Mas é claro que não há garantias de que minha análise será comprovada. Pauto-me pela minha lógica. Mas existem pessoas mais inteligentes, informadas e competentes que eu, com uma perspectiva diferente. É importante buscar diversas opiniões. Procurar só notícias agradáveis não é muito prudente ou aconselhável. O investidor deve desenvolver sua própria crítica e linha de raciocínio. Só assim aprenderá com seus erros e crescerá com seus acertos.

Tolerância e paciência pagam dividendos à nossa saúde - física, emocional e financeira. Boa sorte a todos nós, independentemente de qualquer ponto de vista, religião, time de futebol, afinidade política ou cerveja favorita. Nós brasileiros merecemos uma bonança.

Não deixem de reler artigos antigos. Eles sempre acrescentam algum conhecimento. Meus textos, a partir de maio de 2014, estão listados aqui na Investing. Outros mais antigos estão na minha página.

Bons estudos e bons investimentos!

Ações Brasileiras, Real e Commodities: Valorização nos Próximos Anos?
 

Artigos Relacionados

Ações Brasileiras, Real e Commodities: Valorização nos Próximos Anos?

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
Comentários (33)
Luiz Gomes
Luiz Gomes 29.07.2021 11:24
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
A vasta maioria dos analistas de mercado, Brasil e mundo, sao extremamente miopes em relacao a realide real das coisas, pois seguem a midia convencional (dos EUA e Brasil) e formam 1 visao de manada lendo publicacoes de outros q tem a mesma tipo de visao parcial Eu q desde 1983 invisto em acoes e morei nos EUA por 25 anos fazendo "trades" quase q diarias (e +anos no Japao, China e etc), me gerou 1 visao mais realista em observar por angulos nao presos a 1 manada (a manada pensa igual diferindo bem pouco Passaria 1 hr aqui falando de coisas q a maioria nao enxerga igual ao Sebastiao diz, mas especialmente o fato do q eh chamado por analistas NAO CONVENCIONAIS de EVERYTHING BUBBLE, o mercado de acoes dos EUA bate recordes diarios absolutamente divergentes da realidade e esta tudo p/ eplodir e c/ isso vai estourar tbm o mercado Brasileiro. Se quiserem passo contatos desses gdes analistas realistas p/ vcs enxergarem o outro da moeda.E.g.,Ouro & Prata e.g.serao os ativos + rentaveis da decada
Pablo Jackson
Pablo Jackson 04.04.2021 18:07
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
O segredo é ter paciência, bolsa e para longo prazo, aí sim, o capital investido cresce absurdamente ao longo dos anos
sergio machado
sergio machado 03.04.2021 21:35
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
gostei. Parabéns.
Lucas Antonio Ferreira Santos Nenhum
Lucas Antonio Ferreira Santos Nenhum 03.04.2021 17:29
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Não conseguir compreender a linha de pensamento sobre o dólar? Qual a tendencia?
Alex Morais
Alex Morais 03.04.2021 17:29
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Ele descreve: O Real está atrasado e deve valirizar prrante o dolar ( com o aumento das comodites ). Então a tendência é queda do Dollar nos próximos meses.No entanto em 2022 tem eleições, e se o Lula subir nas pesquisas a Bolsa desaba e o dolar terá novas Altas!!
Alex Morais
Alex Morais 03.04.2021 17:29
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Ele descreve: O Real está atrasado e deve valirizar prrante o dolar ( com o aumento das comodites ). Então a tendência é queda do Dollar nos próximos meses.No entanto em 2022 tem eleições, e se o Lula subir nas pesquisas a Bolsa desaba e o dolar terá novas Altas!!
Alex Morais
Alex Morais 03.04.2021 17:29
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Ele descreve: O Real está atrasado e deve valirizar prrante o dolar ( com o aumento das comodites ). Então a tendência é queda do Dollar nos próximos meses.No entanto em 2022 tem eleições, e se o Lula subir nas pesquisas a Bolsa desaba e o dolar terá novas Altas!!
Alex Morais
Alex Morais 03.04.2021 17:29
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
* o Real deve se valorizar perante o dolar este ano
Vicktor Melo
Vicktor Melo 03.04.2021 8:53
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Bom texto Sebá e quem essa realidade pautada. nos alcance.
Marcelo Thomann
Marcelo Thomann 03.04.2021 5:57
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Parabéns pela análise, mais um belo texto que ajudará em minhas decisões.
Felipe Rodolfo
Felipe Rodolfo 02.04.2021 19:56
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Parabéns pelo artigo! Muito top!
Peterson Borin
Peterson Borin 02.04.2021 18:42
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Valeu pelas informações!
Peterson Borin
Peterson Borin 02.04.2021 18:41
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Valeu pelas informações!
airto zanini
airto zanini 02.04.2021 18:18
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Perfeito. Parabens.
Erick Reis
Erick Reis 02.04.2021 17:46
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Você esqueceu de mencionar que os juros brasileiros estão na mínima história. Quem vai querer alocar dinheiro que rende a nível de país desenvolvido num país de 3o mundo com risco político e de crédito enorme? Fora que a bolsa está "barata" em dólar por o real afundou, mas se você olhar para o P/E em dólar da nossa bolsa ela não está barata. É um risco analisar apenas a capitalização total da bolsa, como mostrado nessa análise, já que se você olhar o lucro das empresas em dólar ele também está bem mais baixo.
Eduardo S Feltz
Eduardo S Feltz 02.04.2021 17:06
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Concordo com o texto, no entanto, a partir de 2003 quando Lula assumiu a euforia foi geral, fez um belo governo, calou muita gente e colocou o Brasil na sexta economia, que Lula e esses bons tempos voltem logo para efetivamente o Brasil voltar a navegar bons mares e que o titanic afundado pelo capitão B ozo volte a navegar.
Rafael Souza
Rafael Souza 02.04.2021 17:06
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
legal que tu só se lembra do primeiro mandato, e o segundo? porquê não o cita? patético esse apego a quem despreza o Brasil.
airto zanini
airto zanini 02.04.2021 17:06
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
José David Vargas
José David Vargas 02.04.2021 16:49
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
muito bom
José Massella
José Massella 02.04.2021 16:41
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
JORGE SALDANHA
JORGE SALDANHA 02.04.2021 16:23
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Perfeito !!!!
Edivaldo Lima
Edivaldo Lima 02.04.2021 16:16
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Profundo.
Fabio Campos
Fabio Campos 02.04.2021 15:54
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
parabéns.. excelente matéria. Análise bem fundamentada.
Invest Brasil
Invest Brasil 02.04.2021 15:52
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Poucas vezes vi um artigo tão original e bem feito.
Silvio Guedes
Silvio Guedes 02.04.2021 15:47
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Muito bom
Berg Ferreira
Berg Ferreira 02.04.2021 15:40
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
correlações show
lauro borges da fonseca Junior
lauro borges da fonseca Junior 02.04.2021 15:40
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Parabéns, bela matéria
Berg Ferreira
Berg Ferreira 02.04.2021 15:40
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
correlações show
lauro borges da fonseca Junior
lauro borges da fonseca Junior 02.04.2021 15:40
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Parabéns, bela matéria
Daniel Pires Ferraz
Daniel Pires Ferraz 02.04.2021 15:37
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
conteúdo muito importante
Wellington Melo
Wellington Melo 02.04.2021 15:19
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Declaração de Riscos: ATENÇÃO: Quaisquer opiniões expressas pelo autor são naturalmente subjetivas e sujeitas a polêmica. Esta não é uma recomendação de investimento! Os dados visualizados aqui procedem de outras fontes, a princípio fidedignas, de boa reputação e acessíveis ao mercado. De Olho Na Bolsa não faz indicações de compra ou venda, ou de negócios de qualquer espécie, e não está autorizada a atuar como consultoria de valores mobiliários. Não nos responsabilizamos por decisões tomadas com base nas informações aqui reunidas. INVESTIMENTOS EM AÇÕES ENVOLVEM RISCOS! Para sua maior segurança, procure sua corretora. Ela poderá ajudá-lo a avaliar riscos e oportunidades em negócios com valores mobiliários.
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail