Libere dados premium: até 50% de desconto InvestingProGARANTA JÁ SUA OFERTA

Brasil e China: transações diretas com Renminbi e Real podem trazer impactos

Publicado 05.05.2023, 11:23
Atualizado 09.07.2023, 07:32
USD/BRL
-
USD/CNY
-
BRL/CNY
-
CNY/BRL
-
CNY/USD
-
USD/CNH
-
CNY/CNH
-

Abordarei aqui um tema bastante importante no xadrez global do comércio exterior e mercado financeiro: as relações Brasil-China. Fazer pagamentos entre real (BRL) e renminbi (RMB) é algo que soa natural para quem tem pagamentos e/ou recebimentos a serem feitos com parceiros comerciais no gigante asiático.

Este, porém, é um assunto que tem sido acompanhado de perto nos últimos dias por nós, especialistas de mercado. A recente visita do presidente do Brasil ao líder chinês Xi Jinping trouxe à tona, afinal, discussões sobre realizar transações sem intermédio do dólar americano (USD). 

Explorando esse assunto, essa possibilidade abre um leque de opções que podem intensificar e estreitar relacionamentos comerciais do Brasil com a China e diversos outros países do mundo, caso estes optem por utilizar o RMB em suas transações com os brasileiros, sejam eles pessoas físicas ou jurídicas. Isso ocorre pois:

  1. Ao se eliminar um intermediário de um processo, os custos financeiros atrelados tendem a reduzir. Esse ponto possibilita a redução de preços para importadores e, também, uma maior competitividade das empresas no que diz respeito à exportação de mercadorias;
  2. Ao se adaptar a um novo sistema de pagamento (como o CIPS, da sigla “Cross-Border Interbank Payment System”), também são geradas oportunidades em relação ao desenvolvimento de soluções financeiras de pagamento instantâneo para uso dos brasileiros nos países que são integrantes desse sistema;
  3. Ao se criar esse canal direto, o comércio exterior com países terceiros (como Rússia e integrantes do Mercosul) pode se fortalecer, e consequentemente as moedas utilizadas nas negociações (BRL e RMB).

Hoje, de modo geral, em algumas situações, pode ser acordado entre as partes envolvidas na transação o uso de uma moeda específica para a realização das operações comerciais. No entanto, as empresas que realizam operações de comércio exterior devem estar preparadas para lidar com diferentes moedas e taxas de câmbio, a fim de minimizar os riscos cambiais e maximizar os lucros. É comum, por exemplo, que as empresas utilizem ferramentas de gestão de risco cambial, como contratos de câmbio a termo ou opções de câmbio, para se protegerem contra flutuações nas taxas de câmbio. Usar a tecnologia como aliada nesse quesito, pode ser interessante.

Embora toda mudança precise de aprofundamento para a sua implementação, a atratividade gerada por esse novo fluxo é grande e vislumbra-se muitos potenciais ganhos para o comércio exterior brasileiro.

No mais, eu diria que essa mudança não significaria o fim do USD como intermediário para todo o comércio exterior brasileiro, mas, sim, uma alternativa que pode (e deve) resultar em processos operacionais e financeiros mais eficientes e sustentáveis, principalmente no que diz respeito aos custos e a diversidade de portfólio de produtos bancários. Vale ficar ligado e acompanhar os desdobramentos do tema.

Últimos comentários

Carregando o próximo artigo...
Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.