Últimas Notícias
0
Versão sem anúncios. Atualize sua experiência no Investing.com. Economize até 40% Mais detalhes

Últimas Notícias

IGP-DI cai mais que esperado em novembro com minério de ferro; gasolina salta 7,44%

Como o Ouro Pode Reagir aos Dados de Inflação nos EUA Hoje?

Por Investing.com (Barani Krishnan/Investing.com)Commodities14.09.2021 07:27
br.investing.com/analysis/como-o-ouro-pode-reagir-aos-dados-de-inflacao-nos-eua-hoje-200444660
Como o Ouro Pode Reagir aos Dados de Inflação nos EUA Hoje?
Por Investing.com (Barani Krishnan/Investing.com)   |  14.09.2021 07:27
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 

Qualquer dado de inflação atualmente parece jogar uma maldição sobre o ouro e, com o IPC previsto para hoje nos EUA, não deve ser muito diferente.

A expectativa dos analistas é que os números caiam um pouco mais em relação ao mês passado, com um crescimento de 5,3% até agosto, contra 5,4% até julho, mas o Índice de Preços ao Consumidor em si não prenuncia um desastre para o ouro.

O que pode fazer isso é uma eventual alta do dólar e dos rendimentos dos títulos do tesouro americano, em meio à teoria de que o Federal Reserve ainda pode reduzir seus generosos estímulos, apesar da irregular recuperação dos empregos fechados durante a pandemia.

O ouro será a “maior vítima” dos dados do IPC?

Jeffrey Halley, diretor de pesquisa para Ásia-Pacífico da plataforma de negociações online OANDA, ressaltou justamente isso em uma nota emitida ao meio-dia de Cingapura, nesta terça-feira, oito horas antes da divulgação do IPC nos EUA:

“Com as atenções dos mercados voltadas para a inflação e a retirada de estímulos, o caminho de menor resistência é de alta nos dados”.

“Nessa circunstância, minha expectativa é que o dólar dispare, os rendimentos dos treasuries subam e as ações tenham um mau dia hoje. Mas, devido à falta de vigor em todos os mercados no momento, não tenho certeza se esse movimento irá durar”.

Infelizmente, "a maior vítima pode ser o ouro”, asseverou Halley, dizendo ainda:

“É uma ironia, já que o metal deveria servir de proteção contra a inflação. Já concluí há bastante tempo que o ouro não fornece hedge contra a inflação, a não ser para a inflação ao estilo latino-americano. Ainda não chegamos lá.”

A inflação nos países sul-americanos está nas máximas plurianuais, com o Brasil registrando um crescimento de 9% ano a ano, o maior desde 2016; o México também enfrenta uma alta de 5,8%, a maior desde o fim de 2017; no Peru, a alta é de 5%, a maior desde 2009; e no Chile, o avanço é de 4,5%, o mais intenso desde 2016.

O ouro com entrega em dezembro na Comex de Nova York girava em torno de US$1.793 durante a sessão asiática, na terça-feira, praticamente estável em relação ao pregão anterior, quando fechou em alta de US$2,30, ou 0,1%, a US$1.794,40, após oscilar entre 1.800,05 e 1.785,10.

O Índice Dólar, que compara a moeda americana a uma cesta de seis divisas, tampouco se movimentava, ao redor de 92,59. O rendimento da nota referencial de 10 anos do Tesouro americano subia 0,7% no dia. 

O ouro com entrega em dezembro caiu 2,3% na semana passada, maior derrapada desde a semana de 29 de julho, além de ter sido a primeira perda semanal nas últimas cinco semanas. A queda ocorreu com o fim da euforia dos compradores com o decepcionante relatório de empregos de agosto nos EUA.

Especulação revigorada diante da redução de estímulos do Fed

Em seu lugar surgiram especulações de que o banco central americano será pressionado a agir mais rapidamente sobre a inflação por causa da alta de 8,3% no índice de preços ao produtor (IPP) em agosto, a maior em mais de uma década. Até a divulgação do IPP, o argumento para o aperto tinha sofrido um revés considerável devido ao fraco relatório de empregos nos EUA para o mês de agosto, que ficou 70% abaixo das expectativas dos economistas.

Como o Fed entra em seu período de silêncio antes da reunião de política monetária de 21-22 de setembro, os números do IPC de agosto podem atrair uma atenção maior do que de costume.

Tem sido intenso o debate nos últimos meses sobre quando o Fed retirará seus estímulos e elevará os juros, na medida em que a recuperação econômica se defronta com o ressurgimento da variante Delta do coronavírus.

O programa de estímulos do Fed e outras políticas monetárias acomodatícias vêm sendo alvo de críticas por agravar as pressões de preços nos Estados Unidos. O banco central americano tem comprado US$120 bilhões em títulos e outros ativos sob o pretexto de respaldar a economia, desde a aparição da Covid-19 em março de 2020. Também manteve os juros praticamente em zero nos últimos 18 meses.

Após cair 3,5% em 2020 por causa dos bloqueios econômicos para enfrentar a pandemia, a economia americana expandiu-se com robustez neste ano, crescendo 6,5% no segundo trimestre, em linha com a previsão do Federal Reserve.

Inflação supera crescimento

O problema do Fed, entretanto, é que a inflação está superando o crescimento econômico.

O índice de gastos com consumo pessoal, que exclui os preços voláteis de alimentos e energia e serve de medida preferencial do Fed para a inflação, subiu 3,6% no ano até julho, maior alta desde 1991. No ano, o índice geral acumula alta de 4,2%.

A meta do Fed para a inflação é de 2% ao ano.

De volta à questão: para onde vai o ouro após os dados o IPC?

Gold Daily
Gold Daily

Gráficos: cortesia de SK Dixit Charting

De acordo com o analista técnico indiano Sunil Kumar Dixit, a ação dos preços do ouro nos últimos três meses estabeleceu uma forte parede de resistência a US$1.835.

“Tudo indica que o mercado pode ser pressionado por quedas maiores até as regiões de US$1750 e 1670, enquanto acumula forças suficientes para a retomada da alta”.

Dixit afirmou que a queda do ouro à vista nesta semana para US$1792, com um fechamento diário a US$1797, coincide com o meio da Banda de Bollinger no gráfico diário, a média móvel exponencial de 50 períodos no gráfico semanal, e a retração de 50% de Fibonacci medida desde a mínima de março de 2021 a US$1678 até o pico de maio de 2021 de US$1916.

“Tudo isso contribui para uma correção maior até US$1768, com base no nível de 61,8% de Fibonacci. Pode ser que a queda se estenda até US$1750 na área de suporte estático horizontal”, afirmou Dixit, que disse também:

Caso o ouro se sustente acima de US$1797, seu próximo teste seria a MME de 5 semanas de US$1803 e a MME de 5 dias a US$1805. Pode ser que haja um teste da MMS de 100 dias de US$1815, que pode servir de ponto de aceleração para o nível de 38,2% de Fibonacci a US$1.825. O IFR no gráfico diário indica a leitura de 35/62, com sobreposição baixista, indicando um recuo maior.

“Mudanças na tendência e um fechamento decisivo acima de US$1835 abrirão caminho para o nível de 23,6% de Fibonacci a US$1860 e o topo de US$1920”, segundo Dixit.

Aviso de isenção: Barani Krishnan utiliza diversas visões além da sua para oferecer aos leitores uma variedade de análises sobre os mercados. A bem da neutralidade, ele apresenta visões e variáveis de mercado contrárias. O analista não possui posições nos ativos e commodities sobre os quais escreve.

 

Como o Ouro Pode Reagir aos Dados de Inflação nos EUA Hoje?
 

Artigos Relacionados

Como o Ouro Pode Reagir aos Dados de Inflação nos EUA Hoje?

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Declaração de Riscos: Fusion Media would like to remind you that the data contained in this website is not necessarily real-time nor accurate. All CFDs (stocks, indexes, futures) and Forex prices are not provided by exchanges but rather by market makers, and so prices may not be accurate and may differ from the actual market price, meaning prices are indicative and not appropriate for trading purposes. Therefore Fusion Media doesn`t bear any responsibility for any trading losses you might incur as a result of using this data.

Fusion Media or anyone involved with Fusion Media will not accept any liability for loss or damage as a result of reliance on the information including data, quotes, charts and buy/sell signals contained within this website. Please be fully informed regarding the risks and costs associated with trading the financial markets, it is one of the riskiest investment forms possible.
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail