Junte-se a +750 mil investidores que copiaram as ações das carteiras dos bilionáriosAssine grátis

ESG: Remuneração Variável Pode Incentivar Práticas Sustentáveis nas Empresas

Publicado 27.04.2022, 07:10
BLK
-
ARCO
-
BLAK34
-
PCAR3
-

A relevância do tema ESG (sigla em inglês para governança ambiental, social e corporativa) tem crescido de maneira expressiva nos últimos anos. Com evidências cada vez mais notáveis sobre a interconexão entre meio ambiente, economia e bem estar, o assunto vem se tornando cada vez mais estratégico nas empresas.

Sabendo disso, e conhecendo a tendência humana de concentrarmos esforços no que gera resultados concretos e no curto prazo, algumas empresas já estão atrelando os bônus de seus executivos de alto escalão às metas ESG, sinalizado de forma clara a importância do tema.

É o caso, por exemplo, do GPA (SA:PCAR3), grupo que engloba as marcas Pão de Açúcar e Extra, que vinculou as metas de redução de emissões de carbono na remuneração variável dos executivos.

O consumo de energia elétrica nas operações do grupo passou a fazer parte do Índice de Sustentabilidade e Diversidade (ISD), que compõe a remuneração variável dos mais de 1.400 gestores elegíveis, conforme explicou a diretora-executiva de recursos humanos, serviços e sustentabilidade da empresa

Outra companhia que já atrela a remuneração variável de executivos às metas ESG é a Arcos Dorados (NYSE:ARCO), dona do McDonald’s no Brasil. Um dos funcionários da empresa explica, , que a companhia possui uma plataforma chamada Receita do Futuro, que conta com diversos compromissos sociais e ambientais dentro de cinco pilares de atuação: emprego juvenil, abastecimento sustentável, embalagens e reciclagem, mudança climática e bem-estar familiar.

Uma pesquisa recente feita pela consultoria Willis Towers Watson, nos Estados Unidos, reforça esse movimento do mercado. O estudo, que contou com a participação de 168 empresas, revelou que 65% delas planejavam relacionar a remuneração de seus executivos à agenda ESG em 2021.

Situação ainda é complexa

A urgência do tema e a velocidade necessária para mitigar as mudanças climáticas e perda de biodiversidade jogam luz nesta agenda, porém, atrelar a remuneração variável às metas ESG ainda é uma situação complexa.

Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (ANBIMA), revelou que a compreensão do mercado sobre sustentabilidade é bastante heterogênea.

O estudo identifica cinco perfis de comportamento, que englobam diferentes tipos de profissionais e sua relação com a sustentabilidade, e os classificaram como desconfiados, distantes, iniciantes, emergentes e engajados.

Conforme classifica a ANBIMA, os desconfiados enxergam as práticas ESG como uma ameaça para o desenvolvimento de seus negócios. Os distantes têm uma visão simplificada da sustentabilidade e encaram como algo ligado às questões ambientais.

Os iniciantes também acham que o tema é focado no meio ambiente, mas têm ações concretas, mesmo sendo a maioria delas ainda dentro de casa.

Enquanto isso, os emergentes estão mais avançados na agenda: compreendem a relevância dos aspectos ESG e estão em fase de implementação de processos mais abrangentes. Por fim, os engajados veem a sustentabilidade como parte da estratégia da instituição, embalando produtos e serviços com esses critérios e cobrando transparência nas relações da empresa com todos seus stakeholders.

Além disso, a associação concluiu que cerca de 67% do mercado entende a sustentabilidade como algo distante ou só toca ações internas no ambiente de trabalho, como a reciclagem de copos plásticos, por exemplo. Atrelar as metas de remuneração variável (que são, em geral, de curto prazo) ajuda a aproximar as equipes da sustentabilidade, provocando uma importante reflexão sobre como a esse tema afeta os resultados financeiros de todos – do acionista ao profissional mais júnior.

Apesar deste cenário, o mercado caminha para uma evolução, já que, ainda de acordo com a pesquisa da ANBIMA, 87% das instituições afirmaram que o assunto ganhou relevância nos últimos 12 meses - o estudo foi divulgado em janeiro deste ano - e quase a totalidade do mercado (90%) tem certeza de que ele ganhará ainda mais destaque no próximo ano.

Sobre isso, Larry Fink, fundador e CEO da BlackRock (SA:BLAK34) (NYSE:BLK), destacou em Em sua famosa carta aos CEO’s que de janeiro a novembro de 2020 foram injetados US$ 288 bilhões em investimentos sustentáveis em todo o mundo. Esse montante representa um aumento de 96% se comparado ao ano anterior, mas ainda é insignificante em relação ao total de investimentos. Isso significa que há grandes oportunidades de expansão.

Resultados em longo prazo

Embora estas metas ajudem a dar o senso de urgência ao tema, é válido destacar que quando falamos de boas práticas, como neste caso, não podemos esperar retornos imediatos e de curto prazo.

O grande desafio de colocar em prática as políticas de governança ambiental, social e corporativa é ter paciência e entender que, muitas vezes, os resultados não serão vistos no curtíssimo espaço.

Ter um projeto de longo prazo para atrelar a remuneração variável às metas ESG pode trazer resultados para a empresa, além, é claro, de engajar funcionários e funcionárias para que tragam ideias inovadoras para a área.

O setor privado tem esta oportunidade e é um dos pilares fundamentais na missão de aliar desenvolvimento econômico a políticas sustentáveis e sociais.

A natureza é a grande protagonista do nosso planeta. Cabe aos líderes agirem e exercerem sua influência positiva para avançarmos na sua conservação. É somente com compromissos ambiciosos que conseguiremos tornar as metas ESG uma realidade concreta em todas as organizações.

Últimos comentários

Carregando o próximo artigo...
Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.