Últimas Notícias
Garanta 40% de desconto 0
🔎 Invista igual ao Warren Buffett e lucre +174.3% acima do badalado S&P 500 Aproveite desconto de 40%

Possível entrada do Irã na guerra em Israel faria petróleo disparar

Publicado 12.10.2023 17:03 Atualizado 13.10.2023 11:53
Salvo. Ver Itens salvos.
Esse artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 
Possível entrada do Irã na guerra em Israel faria petróleo disparar
 
USD/IDR
+0,11%
Adicionar/Remover de uma Carteira
Adicionar aos favoritos
Adicionar posição

Posição adicionada com êxito a:

Dê um nome à sua carteira de investimento
 
LCO
-0,19%
Adicionar/Remover de uma Carteira
Adicionar aos favoritos
Adicionar posição

Posição adicionada com êxito a:

Dê um nome à sua carteira de investimento
 
CL
-0,18%
Adicionar/Remover de uma Carteira
Adicionar aos favoritos
Adicionar posição

Posição adicionada com êxito a:

Dê um nome à sua carteira de investimento
 
USD/CAD
-0,03%
Adicionar/Remover de uma Carteira
Adicionar aos favoritos
Adicionar posição

Posição adicionada com êxito a:

Dê um nome à sua carteira de investimento
 
USD/SGD
-0,13%
Adicionar/Remover de uma Carteira
Adicionar aos favoritos
Adicionar posição

Posição adicionada com êxito a:

Dê um nome à sua carteira de investimento
 
USD/ILS
-0,21%
Adicionar/Remover de uma Carteira
Adicionar aos favoritos
Adicionar posição

Posição adicionada com êxito a:

Dê um nome à sua carteira de investimento
 

A deflagração do confronto entre Israel e Hamas no sábado (7.out.2023) levantou dúvidas sobre a possível extensão do conflito a outros países. Isso porque o grupo extremista palestino tem uma relação complexa com o Irã, uma potência militar e econômica que forneceu apoio político e financeiro à organização ao longo de anos, incluindo armas e financiamento.

Mesmo tendo negado qualquer participação no ataque em 7 de outubro, o governo iraniano celebrou a investida palestina e aumentou a incerteza de uma possível intervenção direta na guerra. Além de um arsenal militar robusto, um envolvimento do Irã teria impactos econômicos à nível mundial, em especial por causa da maior vantagem geopolítica do país: o controle do estreito de Ormuz.

Segundo dados do CBIE (Centro Brasileiro de Infraestrutura), o preço do barril deve ficar em US$ 86,5o. Entretanto, se o estreito de Ormuz for fechado, este valor pode disparar. Estimativas inicias indicam um possível aumento nos preços do barril para US$ 110.

Em conversa com o Poder360, o sócio e diretor do CBIE, Pedro Rodrigues, disse que o mundo vive uma situação inédita, com 2 conflitos simultâneos próximos a países com grandes reservas petrolíferas. Para Rodrigues, o mundo já vive as consequências das sanções às commodities russas e um bloqueio do estreito de Ormuz e eventuais sanções ao Irã deixariam o cenário global ainda mais complicado.

“Você está tendo duas guerras simultâneas, isso tudo, sem dúvida, vai trazer volatilidade para o preço do barril”, disse o sócio e diretor do CBIE. “Em menor ou maior grau você vai ter essa tendência de volatilidade nas próximas semanas e meses”, afirmou.

O ESTREITO DE ORMUZ

O estreito de Ormuz é o gargalo mais importante do comércio global de petróleo. Segundo dados do centro de pesquisa, Strauss Center, cerca de 1/3 da produção mundial do óleo atravessa o local de aproximadamente 54 km de extensão.

Em 2021, cerca de 17 milhões de barris por dia foram transportados pelo estreito via transporte marítimo. Aproximadamente 88% do petróleo produzido no golfo Pérsico, onde estão os principais produtores do mundo, passam por Ormuz.

O estreito de Ormuz é a única ligação do golfo Pérsico com o mar Arábico e também é importante para o transporte de GNL (Gás Natural Liquefeito) do Qatar. O país é o maior fornecedor mundial do produto. Em caso de fechamento da via, o petróleo produzido na região teria que ser transportado por oleodutos, que não tem a mesma vazão que o transporte marítimo.

A alternativa mais viável ao estreito para as exportações de petróleo é o oleoduto Leste-Oeste, que atravessa a Arábia Saudita e tem capacidade de transportar cerca de 5 milhões de barris de óleo por dia. A commodity pode viajar por meio desse duto até o porto de Yanbu, na Arábia Saudita, para ser exportado por meio do mar Vermelho. Entretanto, o cenário levaria a um brusco aumento nos custos de transporte e na queda da oferta do óleo.

Na 2ª feira (9.out), o mercado reagiu ao início da guerra com uma valorização de 5,22% no preço do barril de óleo, que foi negociado a US$ 89. Mesmo sem grandes produtores de petróleo envolvidos, o aumento da volatilidade da commodity é uma reação a partir da deflagração de conflitos dessa escala na região mais estratégica do mundo para o setor petrolífero.

A ameaça de fechar o estreito de Ormuz é uma estratégia recorrente do governo iraniano em momentos de tensões geopolíticas. Em 2019, o país ameaçou fechar a via depois que os Estados Unidos enviaram militares para a região depois de Teerã abater um drone norte-americano que sobrevoava o golfo Pérsico.

Em 2012, o Irã já havia ameaçado fechar o estreito depois que a UE (União Europeia) e os EUA anunciaram sanções comerciais e econômicas ao país islâmico.

ENTENDA O CONFLITO

Embora seja o maior conflito armado na região nos últimos anos, a disputa territorial entre palestinos e judeus se arrasta por décadas. Os 2 grupos reivindicam o território, que possui importantes marcos históricos e religiosos para ambas as etnias.

O Hamas (sigla árabe para “Movimento de Resistência Islâmica”) é a maior organização islâmica em atuação na Palestina, de orientação sunita. Possui um braço político e presta serviços sociais ao povo palestino, que vive majoritariamente em áreas pobres e de infraestrutura precária, mas a organização é mais conhecida pelo seu braço armado, que luta pela soberania da Faixa de Gaza.

O grupo assumiu o poder na região em 2007, depois de ganhar as eleições contra a organização política e militar Fatah, em 2006.

A região é palco para conflitos desde o século passado. Há registros de ofensivas em 2008, 2009, 2012, 2014, 2018, 2019 e 2021 entre Israel e Hamas, além da 1ª Guerra Árabe-Israelense (1948), a Crise de Suez (1956), Guerra dos 6 Dias (1967), 1ª Intifada (1987) e a 2ª Intifada (2000). Entenda mais aqui.

Os atritos na região começaram depois que a ONU (Organização das Nações Unidas) fez a partilha da Palestina em territórios árabes (Gaza e Cisjordânia) e judeus (Israel), na intenção de criar um Estado judeu. No entanto, árabes recusaram a divisão, alegando terem ficado com as terras com menos recursos.

ATAQUE A ISRAEL

O Hamas, grupo radical islâmico de orientação sunita, realizou um ataque surpresa a Israel no sábado (7.out). Israel declarou guerra contra o Hamas e começou uma série de ações de retaliação na Faixa de Gaza, território palestino que faz fronteira com Israel e é governado pelo Hamas.

Os ataques do Hamas se concentram, até o momento, ao sul e ao centro de Israel. Caso o Hezbollah faça novas investidas na fronteira com o Líbano, um novo foco de combate pode se estabelecer ao norte de Israel.

O tenente-coronel israelense, Richard Hecht, afirmou que o país “olha para o Norte” e que espera que o Hezbollah “não cometa o erro de se juntar [ao Hamas]”.

Leia mais em Poder360

Possível entrada do Irã na guerra em Israel faria petróleo disparar
 

Artigos Relacionados

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir esse gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por esse motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
Comentários (3)
Patty Faria
Patty Faria 13.10.2023 17:14
Salvo. Ver Itens salvos.
Esse comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Os fariseus de 🇮🇱 precisam reconhecer a soberania da Palestina.
elton szweryda santos
elton szweryda santos 13.10.2023 12:22
Salvo. Ver Itens salvos.
Esse comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
os ditadores religiosos iranianos precisam serem extintos
Fernando Moreira
Fernando Moreira 13.10.2023 12:05
Salvo. Ver Itens salvos.
Esse comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Só falta a China invadir Tawan e então a tempestade perfeita estará formada
 
Tem certeza que deseja excluir esse gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar esse comentário

Diga-nos o que achou desse comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail