Últimas Notícias
Investing Pro 0
Versão sem anúncios. Atualize sua experiência no Investing.com. Economize até 40% Atualize já

Mercado espera alta em 0,50 ponto percentual nos juros, mas fim de ciclo é incerto

Dados Econômicos 02.08.2022 07:49
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 
© Reuters.

Por Jessica Bahia Melo

Investing.com –  Inicia nesta terça-feira (2) a reunião de dois dias do Comitê de Política Monetária (Copom) para definição da taxa de juros brasileira, que será divulgada na quarta-feira (03). A expectativa dos analistas é de um aumento de 0,50 ponto percentual na Selic, levando a taxa para 13,75% ao ano. Mais incerta é a expectativa sobre o fim ou não do ciclo de alta, que divide os especialistas.

Na última reunião, o colegiado elevou os juros em meio ponto, de 12,75% para 13,25%. O ciclo de alta iniciou em março do ano passado, quando a taxa saiu do nível mais baixo da história, de 2%, para 2,75%.

A política contracionista ocorre para tentar frear a inflação, que está na marca de dois dígitos. O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu 0,67% em junho e atingiu 11,89% em doze meses. O IPCA-15, considerado a prévia da inflação oficial, chegou a 0,13% em julho, indicando diminuição na pressão, mas ainda levando a uma taxa anual de 11,39%.

LEIA MAIS: Os Caminhos do Copom

Para Gabriel Fongaro, economista sênior do Julius Baer Family Office, a expectativa para a decisão do Copom é de elevação de 50 bps na taxa Selic. Segundo o economista, apesar de o Banco Central do Brasil já estar avançado no processo de normalização monetária, com taxa de juros acima da neutra, o aperto adicional é necessário diante do cenário ainda desafiador para a inflação. “Descontando os efeitos das desonerações de impostos, a inflação no curto prazo continua em níveis preocupantes, e há evidências de que vem adquirindo maior persistência, o que demanda um aperto monetário mais agressivo para promover a desaceleração da inflação adiante”, destaca.

Outra preocupação de Fongaro é com a inflação de serviços, que possui maior inércia, e acelerou significativamente nos últimos meses, além da forte recuperação do mercado de trabalho que vem sendo acompanhada de reajustes salariais maiores. “Além disso, os riscos fiscais em alta com as medidas de desoneração de impostos e dúvidas quanto à política fiscal a partir de 2023 tornam o balanço de riscos para a inflação ainda viesado para cima. O cenário internacional é outro agravante, visto que a elevação de juros nas economias desenvolvidas reduz o fluxo de capitais para as economias emergentes”, completa o especialista da Julius Baer.

Ciclo de aperto finalizado?

Mesmo com uma reversão no preço de diversas commodities, como petróleo, minério de ferro, milho e soja, o entendimento dos especialistas é de que o Banco Central ainda não tem condições para sinalizar o fim do ciclo de aperto monetário no comunicado da decisão. Para o BTG (BVMF:BPAC11), a deterioração do cenário faz com que o Banco o Central evite interromper ciclo de aperto monetário. O banco aguarda uma elevação para 13,75% e indicação sobre um novo ajuste de igual ou menor magnitude, dando graus de liberdade para as próximas reuniões.

O economista da Julius Baer indica que o Banco Central deve sinalizar que ainda está atento ao cenário, mas que permanecem dúvidas importantes - e que o fim do ciclo de alta de juros, apesar de próximo, ainda está em aberto.

De acordo com Gustavo Sung, economista-chefe da Suno Research, as medidas fiscais aprovadas, como a redução de alíquotas para diversos bens e PEC dos Auxílios, deterioram o cenário fiscal do país e dificultam o trabalho da autoridade monetária brasileira. Sung também espera alta de 0,50 ponto percentual, mas é mais pessimista sobre o fim do ciclo de aperto monetário.

LEIA MAIS: Os Olhares dos Investidores Para a Decisão da Taxa Selic

“Os malabarismos fiscais aumentaram a incerteza quanto ao risco fiscal do país no médio e longo prazo. O pessimismo dos investidores levou o câmbio a um patamar mais elevado. Caso se mantenha, pressionará os preços internos”, pondera.

O economista completa que as incertezas permanecem: o estado da economia brasileira,  cenário internacional, inércia inflacionária, preços industriais, dos alimentos e de serviços. Com isso em vista, a tendência, segundo ele, é de que haja novas altas na taxa de juros.

“A nossa expectativa é de que o Copom sinalize novos aumentos em menor magnitude. Para a reunião de setembro, nosso cenário é que a Selic chegue a 14,0% a.a. e se mantenha até o fim do ano. Para 2023, possíveis quedas poderão vir apenas no segundo trimestre”, diz Sung.

Débora Nogueira, economista-chefe da Tenax Capital, entende que a autoridade monetária brasileira vai buscar “reter graus de liberdade” em seu comunicado e considera importante que o documento destaque o ponto avançado do ciclo de juros e a defasagem tradicional da política monetária;  a deterioração da percepção de risco da economia brasileira no período entre reuniões, além da permanência da política monetária apertada por um longo período. “Nossa visão é de ajuste de 50 bps nesta reunião, seguido por ajuste de 25 bps na reunião de setembro”, afirma.

E o dólar?

A semana deve ser de volatilidade na moeda americana, tendo em vista o cenário conturbado global, além das altas nos juros globais. Daniel Xavier, gerente do departamento econômico do Banco ABC Brasil (BVMF:ABCB4), concorda com a alta em 50 bps, mas espera a continuidade dessa taxa por um período maior de tempo. Ele acredita que a Selic siga nesse patamar até junho do ano que vem. “Assim, os fundamentos continuarão positivos para o real no médio prazo, dado o carry atraente para cá. Isso a despeito dos ruídos que a pauta eleitoral e fiscal podem trazer na segunda metade do ano. Projetamos 5,01 e 4,95 para o USD/BRL ao final de 2022 e 2023, nesta ordem”, detalha.


Expectativas do Focus

Os dados do último Boletim Focus, divulgado nesta segunda-feira (1), mostram melhoria no indicador de inflação deste ano, mas estabilidade quanto à Selic. Economistas consultados pelo Banco Central reduziram as estimativas para o IPCA neste ano de 7,30% para 7,15. No entanto, a projeção para 2023 passou de 5,30% para 5,33%. Para a Selic, as expectativas não tiveram alterações nesta semana, com a expectativa para 2022 em 13,75% pela sexta semana seguida. Já para o ano que vem, as estimativas subiram de 10,75% para 11%.

FOCUS: IPCA e PIB apresentam leve melhora, enquanto dólar e Selic ficam estáveis

Mercado espera alta em 0,50 ponto percentual nos juros, mas fim de ciclo é incerto
 

Artigos Relacionados

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
Comentários (12)
Danilo Fraga
Danilo Fraga 02.08.2022 17:52
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Os juros "forte", economia "Doente e Suicida". Na estréia da autonomia do BC, entregaram pela primeira vez na história, recorde de inflação em relação a "meta", ao estilo da Dilma, entregaram mais do que o dobro da meta da inflação, depois de subirem mais de 10% a selic em pouco tempo, ao cuato de quase 500 bi aos cofres públicos, que tem a menor taxa de investimento e de retorno dos impostos com os contigenciamentos recordes. A prática mostrando que a autonomia é mais um golpe pra concentrar renda, no País que tem a maior concentração de renda do mundo, depois do Kwait dos sheiks bilionários e pescadores que viraram semi escravos da construção civil. E o Lula já garantiu que mantém a mesma política econômica desse BC, que possibilita 4 dos 10 bancos mais rentáveis do mundo. E a Petrobrás distribui quase 100 bi num trimestre, de outro assalto à economia do Brasil, cujos maiores inimigos são os próprios brasileiros, que suicidam a economia com dogmas que são claramente contra o povo.
Danilo Fraga
Danilo Fraga 02.08.2022 17:52
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
A inflação brasileira é principalmente de preços adminitrados de monopólios concessionários, cujo principal o Governo é o majoritário controlador, além de BB e Caixa que se encartelizam na FEBRABAN. Esses, mídia, Lula e Bolsonaro fingem divergirem para mudar tudo e continuar a mesma coisa. Bancos, acionistas minoritários da Petrobrás (me refiro aos que tem posições relevantes, sei que tem trabalhadores também, mas proporcionalmente é o que sabemos como sardinhada, que se acha rico e defende o interesse que é contra a ele próprio, sua família e seu País. O povo precisa acordar para as idéias do Ciro, tudo que eu disse aqui, aprendi com ele e posso debater com qualquer um sobre esses tópicos, que são criminosos e quem apoia é cúmplice do lesa pátria! #PrefiroCiro
Danilo Fraga
Danilo Fraga 02.08.2022 17:52
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Portanto a selic serve só para "proteger" o patrimônio dos ricos, pq tem efeito nulo em preço administrado, que repassam variação cambial e de importação, como se nada fosse produzido aqui e vira tudo margem de lucro, que tá em torno de 5x a média do setor. Tirando dinheiro que iria ser retorno em Saúde, educação, ciência, tecnologia, infra estrutura, aparato para as forças armadas, todo retorno da população que o ICMS oferecia pra justificar a entrega de quase 100 bi num trimestre, é o cúmulo da desfaçatez. Curioso como tem gente mal intencionada, misturada com tanta gente estúpida, pior do que o 7 a 1 da Alemanha elevado a enésima potência. Que vergonha de vocês que apoiam Lula e Bolsonaro, que vergonha desse Brasil estúpido e suicida!
Oseias Carvalho
Oseias Carvalho 02.08.2022 17:52
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Falou pouco , mas falou bobagem 😎
Guilherme zz
Guilherme zz 02.08.2022 11:02
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Suave, inflação está em baixa.
marcelo manuel
marcelo manuel 02.08.2022 10:43
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Só faltou dizer que torce para que os juros subam muito,e colocar a a bandeira vermelha meu Deus investing ,que analistas são esses ,aqui existe os dois lados e quem quer apenas comentários de economia sem viés por favor
Renato Matos
Renato Matos 02.08.2022 10:00
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Que absurda essa postura de elevação desenfreada dos juros no Brasil. Se a gente parar pra pensar, sairmos de um juros de 2% para mais de 13%, parece piada um negocio desses. Enquanto isso, com um juros de menos que 3% nos EUA, os "analistas" falam em fim do mundo. Parece uma brincadeira de muito mau gosto.....
Cristiano Lima
Cristiano Lima 02.08.2022 9:18
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
nos juros so perdemos pra Argentina e Turquia, fora bozo, povo nao aguenta mais
Samdro Machado da Costa
Samdro Machado da Costa 02.08.2022 8:53
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Tá chegando a hora, e a conta tbm... Somem o total das arrecadações e subtraiam do total de gastos, inflação, dólar alto, perdas no SWAP cambial, os prejuízos extrasque foram divulgados(E ainda temos mais 5 meses de desgoverno), juros das dívidas, entre outros mais... E depois publiquem o resultado final.. Só para eu tentar entender o cálculo do GADO e toda essa motivação para elegerem o LADRÃO DO SÉCULO...
Ruy Cesar Carvalho
Ruy Cesar Carvalho 02.08.2022 8:51
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Deterioração do fiscal. Qual deterioração? Não passam de torcedores e não analistas. Há 1 ano todos diziam que rel. dívida/PIB passaria de 100%. Está em 67% com cortes de impostos e os caras repetindo a ladainha da deterioração do fiscal. Querem o país estagnado, em recessão, para entragá-lo de volta à quadrilha. Não irá acontecer. No Brasil real o desemprego está nas mínimas históricas, indústria de base investindo, agro bombando, shoppings e serviços acima de 2019… chorem.
Leandro Bianchini
Leandro Bianchini 02.08.2022 8:49
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
0.75 e fumo
Marcus Zulzke
Marcus Zulzke 02.08.2022 8:26
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Esses especialistas são uma vergonha. Sempre tem um "mas" não entendem nada de nada. Ficam dando opinião pra levaram vantagem própria. Lógico que a Selic vai parar de subir. A inflação já está caindo e vai cair mais ainda!
Vinicius Souza
Vinicius Souza 02.08.2022 8:26
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
melhor profissão dos mundo ... Sem dar certeza a nada. tipo um médico pronto a operar dizendo : " pode ser que fique bem mas a tendência é morte.
RICARDO HEINECK
RICARDO HEINECK 02.08.2022 8:17
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
os " especialistas " que não acertaram uma o ano todo
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail