Últimas Notícias
0
Versão sem anúncios. Atualize sua experiência no Investing.com. Economize até 40% Mais detalhes

Desalinhamento cambial persistirá em 2021 após tombo do real em 2020

Economia29.12.2020 18:50
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 
© Reuters. REUTERS/Lee Jae-Won

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - Mesmo depois de perder quase 23% de seu valor em 2020, engatar o quarto ano seguido de queda e figurar entre os piores desempenhos globais, o real ainda deverá mostrar fragilidade em 2021, podendo ficar novamente atrás de seus pares e manter seu desalinhamento negativo, com analistas citando dúvidas fiscais e o baixo retorno da moeda como fatores negativos.

No cenário básico dos analistas, a economia não recuperará no próximo ano a queda prevista para 2020, os juros não subirão tanto e o cenário para as contas públicas continuará suscetível a intempéries e sem aprovação de reformas estruturantes, combinação que deixa o real apenas com o vento favorável do exterior.

"O real deve voltar à casa de 5 (por dólar), 5,05", disse Bernardo Zerbini, um dos responsáveis pela estratégia da gestão macro da gestora AZ Quest. "A imagem do Brasil ainda está afetada, não só pela questão fiscal, mas também pelas políticas ambientais. Isso é um fator para o estrangeiro", completou.

O real cai 22,4% ante o dólar, em termos nominais, neste ano. É o segundo pior desempenho numa lista de 33 rivais do dólar, melhor apenas que o peso argentino, que despenca 28%. O dólar estava em 5,1922 reais nesta terça-feira.

Pelas estimativas do Bank of America, o real apreciará 1,4% em 2021, enquanto as principais moedas emergentes da Ásia --que já foram menos golpeadas em 2020 que os pares-- vão subir em média 3%.

O rublo russo ganhará quase 9% (após perder 16% neste ano), o rand sul-africano ficará praticamente estável (depois de queda 5% em 2020) e o peso mexicano cairá quase 10%, após recuar 5% neste ano.

A perspectiva de que a moeda brasileira continuará sem muita força em 2021 ocorre mesmo considerando que ela estaria barata, segundo modelos de taxa de câmbio "justa", que levam em conta dados macroeconômicos como termos de troca, diferencial de juros, diferencial de crescimento econômico, preços das commodities, entre outros.

O Instituto de Finanças Internacionais (IIF, na sigla em inglês) calcula que o desalinhamento negativo do real é o maior entre as principais divisas emergentes. O IIF vê taxa "justa" de 4,50 por dólar e, pelas cotações atuais, o real está 13% abaixo desse patamar.

O Deutsche Bank também vê a moeda brasileira como a mais barata num conjunto que inclui divisas de países ricos e emergentes. E, pelos dados mais recentes da Fundação Getulio Vargas (FGV), o desalinhamento médio da taxa real de câmbio no Brasil está em torno de 34%, um dos maiores da história.

"A conta (dos modelos) permite dizer que o valor justo para o real estaria perto de 4,50 (por dólar), 4,70. Mas, mesmo considerando o exterior positivo, sem um ciclo de alta de juros é mais difícil haver essa correção", afirmou Roberto Serra, gestor sênior de câmbio da Absolute Investimentos.

A taxa básica de juros da economia brasileira (Selic) está em 2% e, segundo analistas, terminará 2021 em 3,13%, pela mediana das previsões mostradas pela pesquisa Focus do Banco Central.

Esse patamar ainda deixaria o Brasil com juros menores que México (4,25%), Rússia (4,00%) e África do Sul (3,50%) --em números projetados pelo Bank of America--, três dos principais concorrentes do Brasil na atração de capital externo.

O Brasil chegou a ser o "paraíso" do "carry trade" --operações que lucram com diferencial de taxas de juros entre moedas--, mas não só perdeu esse posto como inverteu o status, conforme a Selic caiu em apenas dois anos de 7% para os atuais 2%.

"Você tem um prêmio de risco fiscal alto, um efeito do (baixo) diferencial de juros e um juro real predominantemente negativo", disse Zerbini, da AZ Quest.

Outro elemento que pode limitar ganhos ao real são uma pausa no rali das commodities --que desde as mínimas de abril disparam 63%-- e um menor crescimento da economia em 2021, segundo o UBS Brasil, o que teria desdobramentos fiscais.

De acordo com Fabio Ramos, economista do UBS Brasil, os modelos trazem valor justo em torno de 4,50 reais, mas a projeção do banco é de 4,95 reais ao fim de 2021.

"Projetamos queda de 0,7% do PIB no primeiro trimestre (sobre os últimos três meses de 2021). Se essa contração for mais forte poderá causar tensão no cenário político e aumentar pressão para a volta do auxílio emergencial", disse, lembrando que o coronavoucher está previsto para terminar daqui a dois dias.

Mas há quem veja o real ainda mais apreciado em 2021.

O Santander manteve projeção de que a moeda norte-americana fechará 2021 em 4,60 reais e 2022 em 4,15 reais, estimativas abaixo do consenso de mercado.

"Levamos em conta cenário de retomada da economia global, volta do multilateralismo com Joe Biden (presidente eleito dos EUA), de que o Brexit vai passar e de que a guerra comercial não apenas não vai escalar, como vai perder alguns decibéis", disse Ana Paula Vescovi, economista-chefe do Santander Brasil (SA:SANB11), em recente entrevista à Reuters, para quem essa combinação de fatores ajudaria na volta do fluxo estrangeiro ao Brasil.

Esse quadro, combinado a uma redução de riscos fiscais via comprometimento com o processo de consolidação fiscal e respeito ao teto constitucional de gastos, poderá reduzir os prêmios de ativos brasileiros em geral, levando o real a se fortalecer de forma "mais pronunciada", avaliou Vescovi.

Desalinhamento cambial persistirá em 2021 após tombo do real em 2020
 

Artigos Relacionados

Dólar à vista fecha em alta de 0,34%, a R$5,6785
Dólar à vista fecha em alta de 0,34%, a R$5,6785 Por Reuters - 03.12.2021 1

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou em alta nesta sexta-feira, perto de 5,68 reais e na máxima desde abril, alavancado por um movimento global de busca por segurança que dominou...

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
Comentários (5)
cassiano braga
cassiano braga 30.12.2020 1:49
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Matéria com "saudades" do carry trade. Desisto da investing. Não tem condição.
Rogério Gomes Ferreira
Rogério Gomes Ferreira 29.12.2020 21:51
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
ainda bem que só invisto em bitcoin ❤️
Luiz Bipolar
Luiz Bipolar 29.12.2020 17:15
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Esse é o preço de ter uma taxa de juro oficial de 2%. Os Gastos com pandemia (só o aux. emergencial foram mais de R$ 400 Bilhões) elevou a divida publica federal de R$ 4,1 Trilhão para R$ 5 Trilhões de reais - para que o Dolar volte para baixo de R$ 4 como era na época da Dilma teríamos de ter juros de 14% como era em 2015. Agora imagine quanto pagaríamos de juros da divida com Selic de 14%????
Rod Cst
Rod Cst 29.12.2020 17:10
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Que ótimo, metade dos meus investimentos estão em dólar. Bom para o Brasil, que é exportador de commodities, e pra quem tem mais de dois neurônios e se preveniu o quanto antes. Talvez não tão bom para os especuladores, que ganham em cima de crises, quebradeira e tragédia.
jefferson duartesp
jefferson duartesp 29.12.2020 17:01
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Mesmo com todos os fatores externos a favor do Real, o que ainda é crucial para a sua valorização é o fator interno, enquanto os politicos não tomarem decisões que favoreça a moeda ela vai ficar acima dos 5.
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Declaração de Riscos: Fusion Media would like to remind you that the data contained in this website is not necessarily real-time nor accurate. All CFDs (stocks, indexes, futures) and Forex prices are not provided by exchanges but rather by market makers, and so prices may not be accurate and may differ from the actual market price, meaning prices are indicative and not appropriate for trading purposes. Therefore Fusion Media doesn`t bear any responsibility for any trading losses you might incur as a result of using this data.

Fusion Media or anyone involved with Fusion Media will not accept any liability for loss or damage as a result of reliance on the information including data, quotes, charts and buy/sell signals contained within this website. Please be fully informed regarding the risks and costs associated with trading the financial markets, it is one of the riskiest investment forms possible.
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail