Garanta 40% de desconto
🚀 Ações escolhidas por IA em alta. PRFT com alta de +55% em 16 dias. Não perca as ações de junho!Acessar lista completa

Fique por dentro das 5 principais notícias do mercado desta sexta-feira

Publicado 26.01.2024, 07:36
© Reuters
US500
-
DJI
-
INTC
-
EWZ
-
CL
-
AXP
-
NSC
-
V
-
LCO
-
CL
-
1YMM24
-
NQM24
-
TSLA
-
IXIC
-
US500
-

Por Scott Kanowsky e Jessica Bahia Melo

Investing.com – Os futuros das ações dos EUA recuavam nesta sexta-feira antes da abertura das bolsas em Nova York, com os investidores avaliando uma perspectiva de receita decepcionante da fabricante de chips Intel e aguardando novos dados sobre a inflação no país. A Visa prevê uma desaceleração no crescimento da receita em seu trimestre atual, devido, em parte, à recente onda de frio em grande parte dos EUA, o que afetou os gastos dos consumidores. A Inflação segue em foco no Brasil, com divulgação da prévia de janeiro.

AS MELHORES AÇÕES DE 2024: Inscreva-se no workshop e saiba encontrar verdadeiras joias na bolsa brasileira com Cristiane Fensterseifer

1. Intel decepciona com projeção de receita fraca

A Intel (NASDAQ:INTC) frustrou os investidores com uma projeção de receita abaixo das expectativas para o primeiro trimestre, afetando o ânimo dos mercados na última sessão da semana.

A empresa de semicondutores estimou uma receita entre US$ 12,2 bilhões e US$ 13,2 bilhões para o trimestre atual, enquanto os analistas esperavam US$ 14,5 bilhões, segundo dados da LSEG compilados pela Reuters. O lucro ajustado por ação também ficou aquém das previsões, em US$ 0,13, contra US$ 0,33 esperados.

As ações da companhia californiana recuaram no pregão eletrônico dos EUA na sexta-feira.

Em uma conferência com analistas após a divulgação dos resultados, o CEO, Pat Gelsinger, atribuiu a projeção fraca a "desafios pontuais" em sua divisão de chips para automóveis Mobileye e em sua unidade de soluções programáveis, que estão "pesando sobre a receita total". O segmento principal da Intel - a fabricação de chips para PCs e servidores convencionais - também enfrenta pressões sazonais de demanda, disse Gelsinger.

Além disso, os investimentos elevados, especialmente em tecnologias de inteligência artificial, ao longo do ano passado, reduziram a margem bruta da Intel. "Os investidores estão começando a pagar a conta dos investimentos massivos em IA do ano passado, e essa é uma mensagem clara para a temporada de balanços que se aproxima", afirmou Thomas Monteiro, analista sênior do Investing.com.

Os contratos futuros de ações dos EUA caíam na sexta-feira, indicando uma possível correção das ações após uma semana de altas.

Às 7h52 (horário de Brasília), o contrato Dow futuros recuava 0,15%, o S&P 500 futuros perdia 0,16%, e o Nasdaq 100 futuros cedia 0,57%.

Os principais índices de Wall Street avançaram na quinta-feira, impulsionados por um dado preliminar mais forte do que o esperado do crescimento econômico dos EUA no quarto trimestre. Os números reforçaram as esperanças de que a maior economia do mundo esteja em uma trajetória de recuperação sustentável, sem provocar um surto inflacionário que exija uma redução abrupta dos estímulos.

O índice S&P 500 registrou seu quinto recorde seguido de fechamento, subindo 0,5%, enquanto o índice Nasdaq Composite, de forte peso tecnológico, cresceu 0,2% e o índice Dow Jones Industrial Average, composto por 30 ações, subiu 0,6%.

Contrariando o sentimento positivo, a gigante dos carros elétricos Tesla (NASDAQ:TSLA) despencou 12,1% depois de alertar que as vendas cresceriam em um ritmo "significativamente menor" este ano.

2. Visa vê desaceleração no crescimento da receita

As ações da Visa (NYSE:V) operavam em queda no pré-mercado na sexta-feira, após uma projeção fraca sobre as vendas do segundo trimestre do maior processador de pagamentos do mundo.

A empresa projetou um aumento na "faixa alta de um dígito" na receita líquida durante o trimestre atual - o que representa uma desaceleração em relação ao crescimento de 11% registrado no mesmo período de 2023.

Em conversa com analistas, o diretor financeiro Chris Suh disse que o crescimento foi afetado especialmente na primeira semana de janeiro devido a um período de frio intenso em muitas regiões dos EUA. No entanto, Suh acrescentou que o efeito desse evento provavelmente será "atenuado" ao longo do trimestre.

Nos três meses encerrados em 31 de dezembro, a Visa ainda reportou um lucro ajustado por ação de US$ 2,41, acima do consenso do mercado, graças, em grande parte, aos gastos robustos no varejo durante a principal temporada de compras entre o Dia de Ação de Graças e a Cyber Monday.

A rival da Visa, American Express (NYSE:AXP), deve divulgar seus últimos resultados na sexta-feira, juntamente com o grupo de produtos de consumo Colgate-Palmolive (NYSE:CL) e a empresa de transportes Norfolk Southern (NYSE:NSC).

3. Dados de inflação nos EUA no radar

O núcleo da inflação dos EUA deve ter avançado 0,2% em dezembro, na comparação mensal, uma taxa que, segundo muitos economistas, poderia ajudar a inflação a convergir para a meta do Federal Reserve.

O índice de preços de despesas de consumo pessoal (PCE), considerado a medida de inflação favorita do Fed, deve ter registrado alta de 2,6% em dezembro, na comparação anual, mantendo o mesmo ritmo de novembro.

O núcleo do PCE, que exclui os preços voláteis de alimentos e energia, também deve ter desacelerado de 3,2% em novembro para 3,0% em dezembro, na base anual. Esse indicador pode sinalizar que os aumentos de preços estão perdendo força em direção à meta de 2% do banco central.

A inflação mais baixa pode ter estimulado os americanos a gastarem mais durante as festas de fim de ano. O consumo pessoal, que responde por mais de dois terços da atividade econômica dos EUA, deve ter crescido 0,4%, acelerando em relação aos 0,2% do mês anterior.

Junto com os dados robustos do produto interno bruto de quinta-feira, os números podem influenciar a forma como o Fed encara a possibilidade de cortar as taxas de juros, que estão em patamares elevados há mais de duas décadas. No final do ano passado, esperava-se que o Fed reduzisse os juros já em março, mas a inflação mais fraca e o crescimento sólido adiaram essas expectativas.

LEIA MAIS: ‘Pouso suave’: EUA estariam em soft landing?

4. Petróleo recua, mas caminha para ganhos semanais

Os preços do petróleo recuavam na sexta-feira pela manhã, devolvendo parte dos fortes ganhos da sessão anterior, mas ainda caminhavam para uma alta semanal, após o crescimento econômico vigoroso dos EUA e sinais de estímulo da China.

Às 7h53, os contratos futuros do petróleo dos EUA operavam em queda de 0,90%, a US$ 76,66 por barril, enquanto os do Brent recuavam 0,56%, para US$ 81,97 por barril, após terem atingido os níveis mais altos desde dezembro na sessão anterior.

Os preços de referência do petróleo ainda caminhavam para o maior ganho semanal desde outubro, depois que dados de quinta-feira mostraram que a economia dos EUA se expandiu mais do que o esperado no quarto trimestre, sugerindo resiliência no maior consumidor mundial de petróleo.

Em outras regiões, a China, o segundo maior consumidor de petróleo do mundo, anunciou um corte acentuado nas reservas bancárias em uma tentativa de estimular o crescimento no início da semana, enquanto as interrupções no fornecimento de petróleo no Mar Vermelho também persistiam.

CONFIRA: Cotações das commodities

5. Prévia da inflação de janeiro no Brasil

A prévia da inflação brasileira de janeiro medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo de meio mês, o (IPCA-15) será divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na sexta-feira (26). Em dezembro, o IPCA-15 subiu 0,40%.

De acordo com a Warren Investimentos, que estima variação de 0,49%, levando o indicador em doze meses a 4,65%, a aceleração da inflação na leitura mensal vai ocorrer devido ao grupo alimentação.

“Os alimentos in natura justificam este movimento em razão do clima e do El Niño, que segue influenciando estes produtos e apresentam variações acima da sazonalidade para o período. Por outro lado, avião, gasolina e energia são vetores baixistas nesta divulgação”, aponta Andréa Angelo, estrategista de inflação da Warren.

Às 7h55 (de Brasília), o ETF EWZ recuava 0,12% no pré-mercado.

Melhore seus investimentos com nossas inovadoras escolhas de ações InvestingPro+ baseadas em IA. Use o cupom "INVESTIR" para o plano Pro+ anual ou “investirmelhor1” para o plano Pro+ 2 anos e obtenha um desconto por tempo limitado. Não se esqueça de usar o código de desconto ao finalizar a compra!

Últimos comentários

Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.