Últimas Notícias
0
Versão sem anúncios. Atualize sua experiência no Investing.com. Economize até 40% Mais detalhes

Inflação: Estamos em uma crise de preços ou crise de oferta?

Economia 31.03.2022 10:06
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 
© Reuters.

Por Jessica Bahia Melo

Investing.com – Se a inflação era vista como temporária pelas autoridades monetárias mundo afora, hoje a preocupação está mais exacerbada nas falas dos representantes dos Bancos Centrais. Commodities como ouro, petróleo, prata, níquel e outras parecem se revezar em ralis históricos após o início da crise na Ucrânia, impactando nos indicadores inflacionários em todo o mundo.

Entre as altas, a do petróleo, cotado acima dos U$100 o barril, e do gás natural, matrizes energéticas necessárias, já trazem impactos não somente na União Europeia, dependente do gás russo, mas em outros países. Nos Estados Unidos, a inflação anual medida pelo Índice de Preços ao Consumidor (IPC) atingiu 7,9% em fevereiro deste ano. Em fevereiro do ano passado, esse indicador era de apenas 1,7%. No Reino Unido, também em fevereiro deste ano, o IPC anual chegou a 6,2%, enquanto o indicador no mesmo mês do ano anterior era de 0,4%. No Brasil, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) alcançou 10,54% em doze meses finalizados em fevereiro, mas, diferente dos outros exemplos, a inflação já estava acima da meta estabelecida para 2021, com 5,20%.

LEIA MAIS: 2 ETFs de Energia para Embarcar no Bull Market do Petróleo

Como a duração do conflito é incerta, ainda não se pode afirmar para onde os preços vão neste ano. Segundo o JPMorgan (NYSE:JPM) (SA:JPMC34), os preços do petróleo podem chegar a US$185 caso a tensão geopolítica continue.

A alta nos preços de commodities já trouxe repercussão a nível local. Nesta semana, o presidente Jair Bolsonaro demitiu o presidente da Petrobras (SA:PETR4), o general Joaquim Luna e Silva, desgastado com a série de elevações nos preços dos combustíveis.

LEIA MAIS: Petrobras (PETR3; PETR4): Oportunidade ou Furada?

Mas será que estamos enfrentando uma crise de oferta ou uma crise de preços?

Economistas consultados pelo Investing.com divergem sobre esse assunto. Crises de preços, inflacionárias, podem ser causadas por choques de oferta, aumento expressivo na demanda ou pelo chamado caráter inercial da inflação – quando os preços são elevados na expectativa de aumentos futuros. Já crises de oferta propriamente dita estão mais relacionadas ao desabastecimento, implicando em preços mais altos pelo descompasso entre oferta e demanda.

Norbert Rücker, chefe de economia e pesquisa de próxima geração da Julius Baer, acredita que mesmo que as commodities sejam o foco do choque desencadeado pela guerra na Ucrânia, de forma geral, há uma crise de preços e não uma crise de oferta. Segundo ele, os problemas de suprimentos de energia, metais ou grãos afeta a economia mundial por três canais: inflação, soluços na cadeia de suprimentos e erosão da confiança geral. “Por exemplo, no choque de petróleo dos anos 1970, essa foi uma crise de oferta, pois você não poderia dirigir, não havia suprimento. Não é o que estamos vendo hoje, ainda há suprimento”, compara o economista sueco. “No entanto, estamos vendo esse nervosismo e incerteza, onde é muito difícil prever as dinâmicas políticas envolvidas. As commodities simplesmente subiram incluindo um prêmio de risco no preço. No entanto, há suprimentos o suficiente para compensar qualquer disrupção severa no petróleo russo por meses”, acredita. Um possível abandono das restrições de oferta do Oriente Médio e o crescimento de óleo de shale estão entre as medidas que poderiam ser adotadas durante esta crise. Para o níquel, o economista acredita que países como a Indonésia e as Filipinas poderiam aumentar suprimentos com novas tecnologia de refino. Em relação aos grãos, os estoques indianos poderiam preencher parte da lacuna.

Para Paulo Gala, economista-chefe do Banco Master, a pandemia bagunçou as cadeias de comércio global e, na sequência, a crise na Ucrânia desencadeou uma segunda rodada de altas em combustíveis, energia e alimentos. “A crise inflacionária decorre do aumento de preços externos, algo que não pode ser controlado. Não é um problema brasileiro, é um problema mundial. Mesmo a questão fiscal no Brasil tem melhorado muito”. No Brasil, a situação piorou com a taxa de câmbio. No ano passado, o dólar chegou à máxima R$5,8788 no dia 09 de março. Nesta quarta, ronda os R$ 4,70 , o que ajuda a controlar a inflação neste ano. “Somos bastante sensíveis a esses preços. O que o BC fez foi subir juros de maneira preventiva, porque ele não vai conseguir alterar preços do petróleo, nem do gás, nem da gasolina, nem do trigo, milho, soja e boi. O que vai fazer é não deixar que a economia fique muito aquecida para que as altas de preços não se transformem em altas permanentes na economia”, completa Gala.

O economista-chefe do Banco Original, Marco Caruso, afirma que a demanda global segue forte, com as medidas econômicas justificadas pela necessidade de retomada pós-pandemia. “As famílias voltaram a consumir rapidamente e a oferta não conseguiu voltar na mesma velocidade. No nosso entendimento, a mão dupla é válida. É um problema de demanda forte, mas também não podemos ignorar os problemas de oferta que estamos sofrendo, o mais explícito a situação no leste Europeu. Vamos ter dificuldade de suprimento de algumas commodities agrícolas e há discussão sobre as implicações na oferta de petróleo, gás natural. A seca aqui no sul é também um problema de oferta”, destaca Caruso.

CONFIRA: Cotações das principais commodities

Alta nos juros será suficiente para conter a inflação?

Na última reunião, o Comitê de Política Monetária (Copom) anunciou a elevação da taxa básica de juros da economia brasileira, a Selic, em um ponto percentual, para 11,75% ao ano. A indicação é de outro aumento na mesma magnitude ao final do próximo encontro do Conselho.

Caruso, do Banco Original, acredita que a eficácia da política monetária diminui em momentos de elevada incerteza econômica. Ou seja, o Banco Central precisa aumentar ainda mais os juros para atingir a mesma desinflação, pois a inércia inflacionária fica muito alta. Volatilidade do câmbio, da bolsa de valores e outros indicadores podem medir a incerteza.

LEIA MAIS: A Perda de Potência da Taxa Selic em Momentos de Elevadas Incertezas Econômicas

“Nessa situação em que estamos agora, estamos nessa definição de alta incerteza. Coincidência ou não, estamos vendo uma inflação muito mais persistente e estamos vendo que está sendo preciso subir muito mais os juros do que se imaginava tempos atrás“, ressalta o economista, lembrando as mudanças em sequência de estimativas no Boletim Focus.

Paulo Gala reforça que o conflito pegou em cheio o preço dos grãos, e isso já foi mostrado nas altas em alimentos no último indicador do IPCA-15, considerado a prévia da inflação brasileira. “E isso não tem nada ver com que o Banco Central faz. Subir ou cortar a Selic não vai mudar em nada o preço do trigo, nem do pão”. A expectativa é que o BC eleve a taxa Selic em até 12,75% em um fim do ciclo de alta, como apontado pelo presidente do Banco Central do Brasil, Roberto Campos Neto.

A nível global, Rücker concorda que a crise na Ucrânia faz com que as autoridades monetárias precisem fazer mais para controlar a inflação. “A causa desse tipo de inflação é do lado de oferta e os BCs não podem fazer nada desse lado. Ao mesmo tempo, os mercados de trabalho ainda estão fortes, o Federal Reserve também está observando que o mercado imobiliário está forte ainda. A inflação contempla todos esses outros elementos”, completa.

Inflação: Estamos em uma crise de preços ou crise de oferta?
 

Artigos Relacionados

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
Comentários (11)
Cesar Capri
Cesar Capri 09.05.2022 10:05
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Inflação estimulada pelo setor privado, que seguram a produção numa forma de inflar a economia e recuperar os prejuízos da pandemia, ainda forçam o BC a subir juros, capital de giro das empresas rendem mais com taxas mais altas.
Cesar Capri
Cesar Capri 09.05.2022 10:04
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Oficialmente é uma crise de oferta, já que a atividade econômica está desacelerando, não é inflação puxada por consumo. Mas na prática mesmo é a velha jogada do setor privado que está estocando, segurando produção, numa forma de inflar os preços, lucrar com produtos mais caros para recuperar as perdas da pandemia, e ainda forçar o BC a subir juros para aumentar o rendimento do capital de giro das empresas e que estão na renda fixa dos bancos. Essa inflação é uma jogada de grandes grupos.
Wal Açaí
Wal Açaí 31.03.2022 12:04
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Não falem mal deeu patrão. Ele emprega muitos fantasmas e está acabando com o desemprego no cemitério. I❤️👻
Fabio Piloto
Fabio Piloto 31.03.2022 11:55
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Enquanto isso o Lula argentino decreta racionamento de combustíveis, só pode comprar 15 litros de diesel e gasolina por veículo! Parabéns à esquerda por destruir mais um país!!!
Wilames de Lima
Wilames de Lima 31.03.2022 11:49
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Crises de preços, inflacionárias, podem ser causadas por choques de oferta, aumento expressivo na demanda ou pelo chamado caráter inercial da inflação – quando os preços são elevados na expectativa de aumentos futuros. Já crises de oferta propriamente dita estão mais relacionadas ao desabastecimento, implicando em preços mais altos pelo descompasso entre oferta e demanda. Como a causa de inflação é do lado de oferta e os BCs não podem fazer nada desse lado resta ao sistema politico em crise achar um denominador comum para prover o bem estar social pelo qual os contribuintes pagam embora não recebam.
Mateus Dantas
Mateus Dantas 31.03.2022 11:29
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Macroeconômia crlh
Moreira Lima
Moreira Lima 31.03.2022 11:15
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Crise de preço devido termos um presidente incompetente, fracassado sem moral sem credibilidade alguma.
Mateus Dantas
Mateus Dantas 31.03.2022 11:15
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Ta falando mer*
Thales guimaraes
Thales guimaraes 31.03.2022 11:15
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Moreira, realmente é culpa dele a pandemia, guerra, mosquito da dengue, derretimento das calotas polares... educaçao no Brasil cada vez pior
Cristhian Cruz
Cristhian Cruz 31.03.2022 11:15
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
vai estudar, não perde tempo jogando não.
Marco Sabino
Marco Sabino 31.03.2022 11:15
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
KKKK. Estão falando do Planeta Terra Gado do Lula KKKK. Brasil é uma coisa, Macro Mundial é outra. Todo fanático politico só encherga o que quer enchergar.
Amaury Galo
Amaury Galo 31.03.2022 10:52
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Quase 50% de todo dinheiro que existiuno mundo foi impresso nesses dois últimos anos, é normal essa hiperinflação que tá vindo.
Lucas Lopes
Lucas Lopes 31.03.2022 10:52
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Até que enfim, um comentário coerente. Guerra é ótima pra dar vazão nisso tudo, como outras coisas, terrenos virtuais, formas de consumos novas, etc.
Cristhian Cruz
Cristhian Cruz 31.03.2022 10:52
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
aleluia, alguém que fez o dever de casa. e sim, foi um ótimo ponto que ninguém deu atenção, e agora estão reclamando de uma inflação que já era esperada. enfim, brasileiros que não tem um fundo de emergência está agora sofrendo as consequências.
Julio Costa
Julio Costa 31.03.2022 10:37
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Depois de longos 2 anos de pandemia é claro q a demanda reprimida viria voraz e com a guerra tb veio uma crise de oferta. Então, o mundo passa por grandes problemas tanto na oferta quanto na demanda.
Fergra Comercio
Fergra Comercio 31.03.2022 10:27
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Se no passado os presidentes do Brasil não tivesse roubado tanto é feito mais investimentos para que o Brasil refinar o petróleo, achou mais cômodo roubar e importar o refinado.
Marco Sabino
Marco Sabino 31.03.2022 10:27
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Mas ainda teria problemas com abastecimento na maior crise hidríca dos ultimos 100 anos, e ainda vieram as chuvas para precionar alguns produtos da cesta básica. São diversos eventos por tudo quanto é lado. Mesmo se hoje só com a Exportação do Petróleo e tivessemos o Dobro de Usinas de Etanol, alcool por R$ 2,00, ainda assim o carro novo teria subido por falta de produção. Estaria tudo caro do mesmo jeito.
Jorge Correa
Jorge Correa 31.03.2022 10:27
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Se não tivesse investido hoje estava abastecendo a 10reais gasolina. Governo atual que não finalizou as obras das refinarias, 2 delas 80% construídas.
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail