📖 Guia da Temporada de Balanços: Saiba as melhores ações escolhidas por IA e lucre no pós-balançoLeia mais

Fique por dentro das 5 principais notícias do mercado desta sexta-feira

Publicado 11.02.2022, 08:48
Atualizado 11.02.2022, 09:10
© Reuters.
US500
-
DJI
-
BATS
-
EXPE
-
D
-
LCO
-
CL
-
UAA
-
IXIC
-
Z
-
US2YT=X
-
US10YT=X
-
NWL
-
BTI
-
DE10IT10=RR
-
U1AI34
-
D1OM34
-
EXGR34
-
AFRM
-

Por Geoffrey Smith e Ana Beatriz Bartolo

Investing.com - Os mercados de títulos americanos se acalmam após o choque inflacionário de quinta-feira, mas as ações devem abrir em baixa novamente em meio a temores de que o Federal Reserve aja mais rápido do que o esperado para reduzir a inflação. A presidente do BCE, Christine Lagarde, tenta restaurar a calma nos mercados de títulos da zona do euro com uma mensagem mais pacifista.

O índice Sentimento do Consumidor de Michigan, com seu medidor de expectativas de inflação, está no topo do calendário de dados, enquanto os preços do petróleo sobem novamente depois que a Agência Internacional de Energia diz que a demanda mundial por petróleo foi subestimada nos últimos três anos.

No Brasil, a discussão sobre a tributação no preço dos combustíveis continua regendo a pauta em Brasília.

Aqui está o que você precisa saber nos mercados financeiros na sexta-feira, 11 de fevereiro.

CONFIRA: Calendário Econômico do Investing.com

1. Os títulos se ajustam após a mensagem incisiva de Bullard

O rendimento dos títulos de 10 anos do Tesouro dos EUA deve abrir em mais de 2% pela primeira vez em três anos, enquanto o rendimento dos títulos de dois anos subiu 1,60%, após outra reavaliação em alta das expectativas de taxas de juros dos EUA na quinta-feira.

Embora os mercados inicialmente tenham recebido a maior taxa de inflação janeiro dos últimos 40 anos com razoável calma, eles se assustaram novamente quando o presidente do Federal Reserve de St Louis, James Bullard, disse à Bloomberg que queria um aperto total de 100 pontos-base até 1º de julho.

Bulllard é uma voz relativamente marginal no Comitê Federal de Mercados Abertos (Fomc, na sigla em inglês), mas é um membro votante e, mais importante, o fato de ter se tornado agressivo antes do conselho de Washington, DC, está criando a impressão de que ele é um indicador importante da direção política do Fed. Como tal, suas palavras estão tendo mais impacto nos mercados do que normalmente poderiam ter.

CONFIRA: Curva de juros dos EUA

2. Lagarde tenta suavizar as ondas do mercado de títulos

É uma história diferente na zona do euro, onde a presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, teve que recorrer a outra longa entrevista desfazendo os sinais de política que ela deu em sua entrevista coletiva na semana passada.

Lagarde disse que há perigos em agir com muita pressa e disse que “todos os nossos movimentos serão graduais”, começando pela redução das compras de ativos em abril. Seu tom mais conciliador permitiu que uma grande venda de títulos italianos ocorresse sem incidentes, embora o spread de rendimento de 10 anos com a Alemanha – um proxy aproximado para o estresse financeiro na zona do euro – permaneça em mais de 150 pontos-base, o maior em 18 meses.

Já o PIB do Reino Unido caiu menos do que o esperado em janeiro, sugerindo que a economia lidou melhor com a onda ômicron de Covid-19 do que se pensava. O PIB ainda estava abaixo do nível da pandemia no final de 2019, no entanto, em contraste com os EUA e grande parte da Europa.

CONFIRA: Curva de juros da Alemanha

3. Congresso se une para resolver a PEC dos Combustíveis

Ontem, 10, o presidente Jair Bolsonaro (PL) declarou apoio à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos combustíveis da Câmara, que permite zerar ou reduzir parcialmente a tributação sobre óleo diesel, gasolina e gás de cozinha. Em live nas redes sociais, o presidente disse acreditar que o projeto será aprovado por unanimidade no Congresso.

Já na Câmara dos Deputados, o presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), disse trabalhar com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), para encontrar uma forma de incluir impostos federais sobre o combustível na pauta do ICMS que já está pronto para a análise dos senadores. Lira também defende que as alterações desses tributos federais sejam discutidas por meio de Projetos de Lei, que necessitam menos apoio para serem aprovados.

Pacheco já afirmou que a PEC dos combustíveis que é discutida no Senado ficará para um segundo plano, para que sejam priorizados a questão do ICMS e o texto tramitado na Câmara. O projeto dos senadores foi apelidado de “PEC Kamikaze”, por resultar em uma possível renúncia de quase R$ 100 bilhões na arrecadação do governo. A expectativa é que Lira e Pacheco se encontrem nos próximos dias para discutir uma estratégia única entre as Casas.

CONFIRA: Cotação das ações brasileiras

4. Mercado de ações americanas

Os mercados de títulos podem ter se acalmado um pouco, mas as ações dos EUA ainda estão sob pressão e devem abrir com novas perdas, criando a impressão de que os ganhos desta semana foram essencialmente uma recuperação do mercado em baixa.

Às 08h55, os futuros da Nasdaq 100 recuavam 0,69%, enquanto os da Dow Jones e da S&P 500 caíam 0,38% e 0,48%, respectivamente. Como tal, todos os três estão a caminho de terminar a semana com perdas modestas.

Os dados de inflação de quinta-feira garantirão que o componente de expectativas de inflação do índice Michigan de Percepção do Consumidor atraia atenção mais tarde, enquanto as ações em foco incluem o especialista Affirm (NASDAQ:AFRM), que teve uma queda de -20% em resposta ao guidance fraco na quinta-feira. .

Outras ações em destaque incluem Zillow (NASDAQ:Z), que parece pronta para um salto após seus números, Expedia (NASDAQ:EXPE) (SA:EXGR34) – que também apresentou fortes resultados e guidance após o fechamento na véspera, e British American Tobacco (LON:BATS) (NYSE: BTI), depois de aumentar seus pagamentos aos acionistas. Under Armour (NYSE:UAA) (SA:U1AI34), Newwell Brands e Dominion Energy (NYSE:D) (SA:D1OM34) divulgam balanço antes da abertura.

CONFIRA: Cotações em tempo real das ações dos EUA no pré-mercado

5. Estamos queimando muito mais petróleo do que pensávamos, diz IEA

A Agência Internacional de Energia revisou suas estimativas da demanda mundial de petróleo para cima, sugerindo que o mercado global está ainda mais apertado do que se pensava. Ele aumentou as linhas de base anteriores para a demanda entre 770.000 e 970.000 barris por dia nos últimos três anos e elevou sua previsão para 2022 em 870.000 barris por dia. Isso coloca os atuais baixos níveis de estoque em um alívio ainda mais acentuado.

Às 08h58, os futuros de petróleo nos EUA subiam 1,06%, a US$ 90,83, enquanto os do Brent subiam 0,92%, a R$ 92,25, já que as conversas sobre um rápido levantamento das sanções iranianas ficaram em segundo plano.

CONFIRA: Cotação das principais commodities globais

A contagem de plataformas da Baker Hughes, que atingiu seu maior nível desde abril de 2020 na semana passada, mostrará a rapidez com que os produtores de xisto dos EUA estão reagindo ao aumento dos preços.

Últimos comentários

Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.