⌛ Perdeu a alta de 13% da ProPicks em maio? Assine agora e receba mais cedo as ações de Junho.Desbloquear ações

Jorge Paulo Lemann e sócios venderam as ações na Kraft Heinz no fim de 2023, sem fazer alarde

Publicado 10.04.2024, 15:38
Atualizado 10.04.2024, 19:10
© Reuters.  Jorge Paulo Lemann e sócios venderam as ações na Kraft Heinz no fim de 2023, sem fazer alarde
KHC
-
KO
-
ULVR
-
RAIL3
-
ABEV3
-
AMER3
-
ZAMP3
-

A empresa de private equity 3G Capital, dos bilionários brasileiros Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Carlos Alberto Sicupira, vendeu a sua participação acionária na empresa de consumo americana Kraft Heinz, segundo informações da rede americana CNBC. Quase nove anos depois de amarrar a fusão entre a Kraft Foods e a Heinz, com o apoio e presença acionária do megainvestidor Warren Buffett, a holding de investimentos vendeu, sem alarde, os 16,1% que ainda tinha na empresa, no quarto trimestre do ano passado.

Depois de conseguir aprovar a formação da Kraft Heinz, o grupo de origem brasileira assumiu a gestão da empresa resultante da fusão e trouxe a sua cultura baseada em economia de custos, eficiência operacional e metas agressivas de resultados, que já havia aplicado em empresas brasileiras como a Ambev (BVMF:ABEV3) e instituições financeiras como o Banco Garantia.

Nos últimos anos, a influência brasileira foi diminuindo na Kraft Heinz e, em julho de 2022, já não havia representantes da 3G no conselho de administração da empresa. O grupo Berkshire Hathaway (NYSE:BRKa), de Buffett, no entanto, permanece no negócio, como principal acionista, com fatia de 26,8%.

A estratégia inicial com a fusão, apoiada por Buffett, era dar um choque de gestão na empresa resultante da fusão. O bilionário americano conhecia os métodos de gestão do 3G, que foram levados ao mercado americano com a série de aquisições e fusões promovidas no mercado de cerveja para a criação da Anheuser-Busch InBev, que envolvia a texana Anheuser-Busch, fabricante da marca Budweiser, e a belga InBev, resultante de uma fusão anterior entre a belga Interbrew e a brasileira Ambev.

A 3G também havia assumido a rede Burger King (BVMF:ZAMP3), dando origem a uma divisão de cadeias de alimentação fora de casa entre os seus investimentos. A gestão da Kraft Heinz parecia o caminho natural para a conquista do mercado de consumo americano. Berkshire e 3G se uniram primeiramente, em 2013, para comprar a Heinz, e dois anos depois propuseram a fusão com a Kraft. Depois disso, rumores de que Lemann e os seus parceiros de negócios poderiam assumir a europeia Unilever (LON:ULVR) ou mesmo a Coca-Cola circularam.

Mas o sucesso anterior não se repetiu no novo negócio. Num primeiro momento, os cortes de custos deram resultados, sob o comando do executivo de Bernardo Hees, executivo de confiança do trio de bilionários brasileiros. Ele já havia presidido a América Latina Logística (ALL) e o Burger King.

Mas os hábitos de consumo estavam em modificação, com pessoas buscando alimentos mais saudáveis e menos produtos industrializados. Em 2019, ficou claro que o plano tinha dado errado, com resultados trimestrais decepcionantes, cortes de pagamento de dividendos, uma investigação sobre práticas contábeis da empresa conduzida pela Securities and Exchange Comission e a baixa contábil de US$ 15 bilhões de suas marcas.

Em uma palestra meses depois, Lemann se classificou como um "dinossauro amedrontado" que estava buscando ser um "dinossauro se movendo". Disse também que o "sono não andou como queríamos" e que não seria possível construir no mercado de alimentos algo tão grande quanto foi possível no setor de cervejas. Também pela primeira vez reconheceu que o estilo de gestão adotado em suas empresas havia sido superado por novas formas de administração de pessoas e de busca por resultado menos agressivas.

Buffett também declarou, em entrevista para o canal de TV CNBC, que tinha sido contaminado pelo otimismo de que as marcas da Kraft Heinz valeriam mais do que seria a realidade, e que havia pagado caro pela empresa.

Uma recuperação do negócio ainda foi tentado nos anos seguintes, mas o fracasso prenunciou um problema maior que estouraria para o 3G, quando no começo de 2023 foi revelada a fraude ocorrida nas Lojas Americanas (BVMF:AMER3). No sábado, 6, Lemann falou pela primeira vez publicamente sobre o caso envolvendo a varejista, com dívida de mais R$ 40 bilhões e que recorreu a um processo de recuperação judicial.

Na edição da Brazil Conference, realizada nos arredores de Boston, nas universidades Harvard e MIT, o empresário comentou: "No geral, tive muito sucesso, mas nos últimos anos, não muito".

Lemann deixou o conselho de administração da Kraft Heinz em 2021, seguido no ano seguinte por seus parceiros Alexandre Behring e João Castro Neves, ex-CEO da AB InBev. No ano passado, a empresa passou a ser presidida por Carlos Abrams-Rivera, o primeiro executivo sem laços diretos com os empresários brasileiros.

Desde 2008, a 3G vinha vendendo suas ações na empresa e o fim da história foi revelada agora, com a saída do grupo do negócio no fim de 2023.

Últimos comentários

Carregando o próximo artigo...
Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.