😎 Promoção de meio de ano - Até 50% de desconto em ações selecionadas por IA no InvestingProGARANTA JÁ SUA OFERTA

Taxas futuras de juros disparam após Lula dizer que meta fiscal zero “dificilmente” será alcançada

Publicado 27.10.2023, 16:54
© Reuters. Notas de 2 reais
13/12/2001
REUTERS/Gregg Newton
USD/BRL
-
IBRX
-

Por Fabricio de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - A afirmação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva durante a tarde de que a meta de resultado primário zero em 2024 dificilmente será alcançada azedou o clima no mercado brasileiro nesta sexta-feira, fazendo as taxas dos DIs encerrarem o dia em forte alta, superior a 20 pontos-base nos principais vencimentos.

Em conversa com jornalistas no Palácio do Planalto, Lula disse que entende que a disposição do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, mas fez uma série de ponderações sobre a meta.

“Nós dificilmente chegaremos à meta zero, até porque não quero fazer cortes em investimentos de obras", afirmou o presidente.

“Tudo que a gente puder fazer para cumprir a meta fiscal a gente vai fazer. O que eu posso dizer é que ela não precisa ser zero, a gente não precisa disso. Eu não vou estabelecer uma meta fiscal que me obrigue a começar o ano fazendo corte de bilhões nas obras que são prioritárias para este país”, acrescentou.

Antes da fala de Lula, publicada às 13h55, as taxas dos DIs (Depósitos Interfinanceiros) operavam próximas da estabilidade. Mais cedo, algumas delas chegaram a oscilar no território negativo.

“O (contrato para) janeiro de 2026 chegou a cair alguns bips e agora está abrindo 18 bips, que é um movimento enorme para cima”, comentou durante a tarde Laís Costa, analista da Empiricus Research.

Na prática, os receios em torno do cumprimento da meta fiscal em 2024, que já permeavam o mercado, foram reforçados pela fala de Lula, que coloca em dúvida o espaço do Banco Central para reduzir a taxa básica Selic no futuro. A visão é de que os cortes de 0,50 ponto percentual da Selic continuarão nas próximas reuniões do Comitê de Política Monetária (Copom) do BC, mas as dificuldades fiscais do governo limitarão o nível terminal da taxa básica no atual ciclo.

“O mercado estava acompanhando bem o exterior, estava relativamente calmo, o problema foi a fala do presidente. O cenário virou completamente”, pontuou Costa. “No fim das contas, se não temos uma regra fiscal a ser perseguida, não há ancoragem de inflação e não há ancoragem fiscal”, acrescentou.

A taxa do contrato futuro para janeiro de 2026, que chegou a oscilar levemente no negativo, subiu 26 pontos-base no pico da sessão, às 15h25. No fechamento, acomodou-se um pouco, mas ainda assim com alta firme.

O movimento de alta das taxas no Brasil foi favorecido também durante o início da tarde, ainda que em menor proporção, pelo avanço dos rendimentos dos Treasuries.

Nos EUA, investidores ponderavam os dados econômicos divulgados durante a semana, como o Produto Interno Bruto e o índice de preços PCE, além dos desdobramentos do conflito entre Israel e Hamas no Oriente Médio.

No fim da tarde, porém, o rendimento do Treasury de 10 anos -- referência global de investimentos -- já havia migrado para o negativo, em meio à baixa do índice de ações S&P em Nova York, com a percepção de maior risco global permeando os negócios. Durante a tarde, a Jordânia informou que Israel havia lançado a guerra terrestre em Gaza. Em busca de proteção, investidores saíram do mercado de ações e buscaram a renda fixa norte-americana, o que colocou os yields em baixa.

Na próxima semana, as atenções estarão voltadas para a quarta-feira, quando ocorrem as decisões de política monetária do Federal Reserve e do Banco Central do Brasil.

Perto do fechamento desta sexta-feira a curva a termo precificava em 97% as chances de o corte da taxa básica Selic na próxima semana ser de 0,50 ponto percentual. Já as chances de corte de apenas 0,25 ponto percentual eram precificadas em 3%. Estes percentuais vêm se repetindo desde quarta-feira da semana passada. Atualmente, a Selic está em 12,75% ao ano.

© Reuters. Notas de 2 reais
13/12/2001
REUTERS/Gregg Newton

No fim da tarde, a taxa do DI para janeiro de 2025 estava em 10,98%, ante 10,797% do ajuste anterior, enquanto a taxa do DI para janeiro de 2026 estava em 10,795%, ante 10,578% do ajuste anterior.

Entre os contratos mais longos, a taxa para janeiro de 2027 estava em 10,95%, ante 10,723%, enquanto a taxa para janeiro de 2028 estava em 11,195%, ante 10,986%.

Às 16:41 (de Brasília), o rendimento do Treasury de dez anos --referência global para decisões de investimento-- caía 0,80 ponto-base, a 4,8367%.

Últimos comentários

Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.