Últimas Notícias
0
Versão sem anúncios. Atualize sua experiência no Investing.com. Economize até 40% Mais detalhes

A Batalha dos ETFs: Novo Capítulo da Competição Entre BTG e XP

Por Luiz FelippoResumo do Mercado02.08.2021 13:51
br.investing.com/analysis/a-batalha-dos-etfs-novo-capitulo-da-competicao-entre-btg-e-xp-200443714
A Batalha dos ETFs: Novo Capítulo da Competição Entre BTG e XP
Por Luiz Felippo   |  02.08.2021 13:51
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 

Disputando Cada Centavo

Não é novidade para ninguém que os altos níveis de juros amorteceram os investidores. Com liquidez, baixíssimo risco e altos retornos financeiros, não havia motivos para migrar para outras classes de ativos.

A queda do CDI quebrou uma dessas pernas, talvez a principal para os investidores: a rentabilidade. Só para se ter uma noção da magnitude do ajuste, em tempos de juros a dois dígitos, bastava 5 anos para dobrar o capital. Hoje, são 35 anos.

Ao mexer no bolso, o investidor teve que repensar as suas escolhas de alocação. A solução passou a ser diversificar entre classes de ativo e tomar mais risco – exatamente como ocorre no resto do mundo.

É aqui que as plataformas trouxeram fundos de diferentes temáticas, Private Equity, SPAC, FIPs, Cannabis etc.

Como o Brasil é cerca de 1,5 por cento do mercado de capitais e sempre viveu da renda fixa, havia um mundo de oportunidades a oferecer.

Essa é a raiz da rivalidade entre BTG (SA:BPAC11) e XP (NASDAQ:XP), disputando a fração do AuM da “futura” indústria como um todo.

O movimento recente de disputa por escritórios de agente autônomo parece acontecer também no campo dos ETFs agora.

Na última semana, o BTG buscou inovar e trazer um ETF para replicar o Ibovespa (IBOB11) com a menor taxa do mercado: 0,03 por cento.

A XP contra-atacou com um fundo que aparentemente seria “taxa zero”, mas na verdade cobrará 0,15 por cento após bater um bilhão de patrimônio – o que, para mim, não faz muito sentido, até porque você deveria baratear o produto conforme ele ganha escala.

A questão é: será que existe espaço para a gestão passiva na sua carteira?

Antes de responder a essa pergunta, vamos dar um overview na indústria tanto aqui quanto globalmente.

O mundo de ETFs

Vamos começar do básico. Se você não conhece a nomenclatura, o ETF (Exchange Traded Fund) é um fundo de investimento que tem suas cotas negociadas em bolsa.

Alguns exemplos de ETF são o BOVA11 (buscando replicar o Ibovespa) e o IVVB11 IVVB11 (buscando replicar o S&P 500).

Ainda que você tenha escutado pouco dessa indústria, ela é gigantesca no resto do mundo. Globalmente, são mais de 7 trilhões de dólares investidos nesse segmento, alocados em 7000 tipos diferentes.

Gráfico à esquerda: AuM dos ETFs globalmente (bilhões de dólares); à direita: mercado de ETFs Brasil (bilhões de R$).
Gráfico à esquerda: AuM dos ETFs globalmente (bilhões de dólares); à direita: mercado de ETFs Brasil (bilhões de R$).
Fonte: B3 (SA:B3SA3) e Statista

O fato de a indústria de ETFs estar tão desenvolvida lá fora tem correlação com a dificuldade da gestão ativa de superar seus índices de referência (S&P, Nasdaq, entre outros).

Inclusive, esse fato não é nada novo. Em 2007, Warren Buffett, um dos melhores stock pickers que o mundo já produziu, apostou uma corrida de 10 anos em favor dos ETFs versus uma cesta de gestores. Não preciso nem lhe dizer que a gestão passiva deu uma surra, com retornos bastante superiores.

No Brasil, é o inverso. A indústria de ETFs é bastante nascente, contando somente com 40 bilhões de reais – o que, em dólares, é uma merreca. Enquanto o mercado internacional tem 7000 ETFs diferentes, temos somente 45 opções, e muitas delas são similares (como mostra a tabela abaixo).

Tabela de ETFs Brasil.
Tabela de ETFs Brasil.
Fonte: B3

Talvez seja pelo potencial que essa indústria tem que ambos os players (BTG e XP) estão investindo nesse negócio. Há muitas opções ainda a serem exploradas, é por isso que acredito que cada vez mais teremos novidades em termos de gama de produtos e menores taxas.

Ainda que exista algum preconceito em utilizar gestão passiva no Brasil, há formas bastante interessantes (e rentáveis) de se utilizar ETFs no seu portfólio.

Um ETF tem espaço no seu portfólio?

Por mais que eu seja um entusiasta da gestão ativa, afinal, meu papel é recomendar gestores ativos, entendo que não podemos ser cegos.

Em certas circunstâncias, a gestão passiva pode ser tão (ou mais) efetiva do que a ativa.

Citarei duas utilidades que acho interessantes. A primeira é o investimento no exterior, em que grande parte dos gestores ativos tem dificuldade de gerar retornos acima dos seus benchmarks (como mostra o gráfico abaixo).

Tabela: Fundos que performaram acima do benchmark
Tabela: Fundos que performaram acima do benchmark

Fonte: Bloomberg

Fica fácil ver que, em uma amostra de 3600 fundos, pouquíssimos conseguem bater a Bolsa americana em janelas de 10 anos. Além disso, falta também consistência, principalmente quando vemos que pouquíssimos gestores ativos superam o índice em todas as janelas.

Esses resultados corroboram bastante o que vejo nas corretoras, com alguns fundos internacionais sendo vendidos pelas plataformas como maravilhosos instrumentos quando, na verdade, não geram ótimos retornos acima dos seus benchmarks.

Além disso, os poucos gestores que batem o mercado frequentemente não estão disponíveis para os brasileiros.

Nesse caso, não adianta querermos ser bastiões cegos da gestão ativa. Se os dados corroboram que a gestão passiva é o melhor caminho, será por ele que vamos seguir.

Outro caso é aproveitar alguma oportunidade pontual de mercado.

Digamos que, em março do ano passado, você quisesse aproveitar para aumentar sua alocação de bolsa de 30 por cento para 50 por cento.

A questão é: qual é a melhor forma de se fazer isso? Seria aumentar a exposição em gestores ativos em mais 20 pontos percentuais ou fazer o mesmo só que via ETF de Ibovespa?

Eu acredito que seja via ETF e vou explicar o porquê disso.

Pelo caráter de movimento, ele tende a ser um pouco mais “tático”. Você não vai carregar 50 por cento de exposição à bolsa dali em diante, retornando à posição inicial quando o risco/retorno deixar de ser interessante.

Nesse sentido, o ETF tem prazo de resgate imediato, podendo zerar a posição na hora que quisermos. Já com os gestores, ao pedir o resgate, ficamos suscetíveis à cota, que se dará em 30 dias – o que não parece fazer sentido para uma movimentação de mais “curto prazo”.

Do outro lado, o que a história mostra é que a recuperação dos resultados após crises severas é maior no Ibovespa do que nós próprios gestores.

Recuperação pós-crises: Ibovespa x gestores
Recuperação pós-crises: Ibovespa x gestores

Fonte: Bloomberg

O meu recado aqui é simples: não precisamos demonizar uma estratégia ou outra. Precisamos entender o que faz mais sentido para cada caso, buscando aproveitar o que há de melhor em cada uma.

Como em tantas outras circunstâncias, o segredo está no meio do caminho.

Combinar é o caminho

Eu sou um cara que acredita em gestão ativa. Como alguém que estuda e respira a indústria de fundos 24 horas por dia, eu vejo muito valor em investir em gestores brasileiros.

Se você souber escolher bem, muitos deles serão capazes de dar uma surra no Ibovespa e gerar uma performance muito superior a ele.

É por isso que a minha alocação estrutural é em gestores ativos brasileiros, pois eu realmente acredito que ali tem valor a ser extraído.

Ao mesmo tempo, não podemos ser cegos, devemos ser céticos. Em alguns casos, a gestão passiva acaba tendo uma eficiência de resultados muito mais interessante do que a simples gestão ativa.

Então, nesses casos, vamos usá-la. Ao combinar as estratégias, acredito que temos um portfólio melhor, mais robusto e mais rentável no longo prazo.

E há também aqueles investidores que preferem escolher suas próprias ações, que fazem a carteira por conta própria.

Eu acho uma boa estratégia, desde que você tenha um método vencedor para escolher boas empresas.

Um abraço.

A Batalha dos ETFs: Novo Capítulo da Competição Entre BTG e XP
 

Artigos Relacionados

Julio Hegedus Netto
Tentações Populistas Por Julio Hegedus Netto - 17.09.2021 29

Fomos dormir ontem com a notícia de que o governo resolveu elevar o IOF para pessoa física e jurídica, visando o financiamento do novo Bolsa Família (chamado “Auxílio Brasil”). Tal...

A Batalha dos ETFs: Novo Capítulo da Competição Entre BTG e XP

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
Comentários (10)
Rogério de Camargo
Rogério de Camargo 03.08.2021 10:38
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Boa análise
Leandro Lucio
Leandro Lucio 02.08.2021 19:20
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
nos eua, ando bem de mais com os meus etfs, mas confesso que aqui no Brasil não tem nenhum na minha carteira, agora se não tivesse esses 15% para jogar nas mãos governo eu entraria muito forte em etf... meus etfs dos eua são melhores do que qualquer fundo daqui do Brasil.
Gilberto Machado Gomes
Gilberto Machado Gomes 02.08.2021 17:10
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
hahaha!!! vc vai arrumar briga com a indústria de fundos. Parabéns meu caro vc fez uma análise excelente sobre questionamentos que muitos amigos me fazem e que concordo quase plenamente com você, porque faltou abordar as questões relacionadas a taxas de administração e performance que são cobradas nos fundos.
Benedicta Mattos
Benedicta Mattos 02.08.2021 16:46
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Muito boa a sua explanacao .
Victor Jahara
Victor Jahara 02.08.2021 16:25
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Ótimo artigo como introdução, mas recomendo fortemente a leitura de "O Investidor de Bom Senso" do John Bogle. No livro ele faz um comparativo das taxas dos fundos mútuos X fundos de índices, conclusão: No longo prazo não faz o menor sentido apostar que os gestores vão ganhar do mercado, quando mesmo se ganharem vão te cobrar taxas que corroem sua rentabilidade toda. Ou seja, mesmo se você conseguir escolher os melhores gestores, você certamente vai entregar sua rentabilidade exatamente para eles. Extremamente esclarecedor!!
Antonio J T Bueno
Antonio J T Bueno 02.08.2021 16:03
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Artigo com ótimas análises, bem fundamentado e apresentado de forma muito eficiente. Parabéns!
Leandro Da Mata
Leandro Da Mata 02.08.2021 16:00
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Excelente artigo Luiz, acredito que os ETFs tem um grande potencial aqui no Brasil ainda, e essa competição entre gigantes do mercado tende sempre a ajudar os investidores, que ganham com a diminuição das taxas administrativas
Leandro Da Mata
Leandro Da Mata 02.08.2021 16:00
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Excelente artigo Luiz, acredito que os ETFs tem um grande potencial aqui no Brasil ainda, e essa competição entre gigantes do mercado tende sempre a ajudar os investidores, que ganham com a diminuição das taxas adm
Antal Varga
Varga 02.08.2021 15:11
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Luiz, gostei bastante do seu texto e permita-me algumas considerações. É óbvio que o investimento passivo é pequeno no Brasil, pois a maioria esmagadora dos investidores locais olha para a rentabilidade primeiro e depois, talvez se em algum momento se lembrar, para o risco. Os ETFs e fundos de índice negociados em balcão organizado permitem correr apenas o risco de mercado, que já é suficiente para uma carteira diversificada em classes de ativos. Depois, deveria ser obrigatória a leitura do livro O Investidor de Bom Senso de John Bogle (tem em português) como pré-requisito para abrir conta de investimentos. É uma tremenda falácia que gestores ativos batem o investimento passivo, basta ler o capítulo 4 para entender. O problema é novamente ficar olhando para rentabilidade e ignorar os custos, o famoso 2 com 10. No curto prazo o giro de carteira e busca por gerar alfa é um jogo de soma zero e no longo prazo é um jogo de perdedor, só o gestor ganha.
André Salmerón
André Salmerón 02.08.2021 14:29
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Um questionamento: se investimentos internacionais (dolarizados) são amplamente acessíveis, com baixo custo, na forma de ETFs, por que investir em ativos ou fundos brasileiros? Porque os melhores fundos ativos do Brasil superam o Ibovespa, mas tomam uma surra gigantesca do S&P ao considerarmos o efeito do câmbio. Se você encara a indústria de fundos com um olhar global, teria uma mixaria de ativos brasileiros de renda variável, algo tipo 5% do portfólio total. Então por que investir aqui, e ainda mais focando na gestão ativa (que é bem mais cara)? Abraço e ótimo texto!
Antal Varga
Varga 02.08.2021 14:29
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Boa André ! Correr somente o risco Brasil e achar que está diversificando é uma tremenda ilusão. Vale a pena ? Sim, mas com um capital pequeno, assim como para China e outros mercados emergentes. Existem e são facilmente acessíveis, veículos que permitem investir em mercados maduros e desenvolvidos como Europa e EUA.
Valdir Verdan
Valdir Verdan 02.08.2021 14:29
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Diversificão? Gosto muito dos seus artigos!
Valdir Verdan
Valdir Verdan 02.08.2021 14:29
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Diversificão? Gosto muito dos seus artigos!
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Declaração de Riscos: Fusion Media would like to remind you that the data contained in this website is not necessarily real-time nor accurate. All CFDs (stocks, indexes, futures) and Forex prices are not provided by exchanges but rather by market makers, and so prices may not be accurate and may differ from the actual market price, meaning prices are indicative and not appropriate for trading purposes. Therefore Fusion Media doesn`t bear any responsibility for any trading losses you might incur as a result of using this data.

Fusion Media or anyone involved with Fusion Media will not accept any liability for loss or damage as a result of reliance on the information including data, quotes, charts and buy/sell signals contained within this website. Please be fully informed regarding the risks and costs associated with trading the financial markets, it is one of the riskiest investment forms possible.
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail