Garanta 40% de desconto
⚠ Alerta de Balanço! Quais ações estão prontas para disparar?
Veja as ações no nosso radar ProPicks. Essas estratégias subiram 19,7% desde o início do ano.
Não perca a lista completa

A correção dos mercados

Publicado 18.01.2024, 08:33
Atualizado 10.01.2024, 08:22

Ainda que de forma tímida, os mercados deram início a uma correção. O Ibovespa caiu pelo segundo pregão consecutivo ontem (17), afastando-se um pouco mais dos 130 mil pontos, enquanto o Dow Jones cravou o terceiro dia seguido de perdas. Já o S&P 500 e o Nasdaq 100 tiveram a pior sessão em duas semanas. O dólar, por sua vez, oscilou em alta.

LEIA MAIS: Melhores ações para investir em 2024

Nesta manhã, os mercados internacionais ensaiam uma recuperação, igualmente tímida. Os futuros dos índices das bolsas de Nova York estão na linha d’água, enquanto as praças europeias têm ganhos. Na Ásia, o sinal foi misto, assim como é nas commodities, com o petróleo em alta e o minério de ferro em baixa. Já o dólar mede forças frente aos rivais.

Não por coincidência, esse movimento mais negativo dos ativos de risco começou pouco depois de a inflação nos Estados Unidos não corroborar as apostas de cortes nos juros pelo Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) tão cedo. Dias antes, foi o relatório de emprego nos EUA (payroll) que apontava para o mesmo caminho.

Aí, então, os mercados ficaram sem saber o que fazer, pois a direção apontada pelos dados era oposta ao tom uníssono que os investidores ouviam de dirigentes dos bancos centrais. Ignoravam os ruídos na comunicação e viam coerência nas mensagens sobre alívio monetário - mas só porque achavam consensuais com a visão dos mercados.

A agenda econômica desta quinta-feira (18) traz a fala de mais um dirigente do Fed, que pode desempatar as apostas para março, entre corte e manutenção. Dos indicadores nos EUA, saem os números semanais sobre pedidos de auxílio-desemprego e os estoques de petróleo, além de dados do setor imobiliário. Aqui, Brasília segue em foco.

Pente fino nos mercados

A boa notícia é que esse desempenho ruim dos ativos de risco pode estar com os dias contados. Mas, atenção: isso não significa que os preços não devem piorar um pouco mais, antes de voltarem a ficar mais atraentes de novo. “O barato de hoje pode ser o caro de amanhã”, me dizia uma fonte do mercado doméstico.

Portanto, algum alívio pode ocorrer após esta correção. A razão para acreditar que o pessimismo está perto de atingir o pico é que os próprios BCs serão forçados a conter o mau humor dos mercados, em breve. A primeira “Super Quarta” deste ano, no fim deste mês, parece ser o momento oportuno para isso.

Isso porque o ajuste dos mercados é mais em relação ao timing do que ao fato em si. Ou seja, a narrativa de cortes nos juros, encabeçada pelo Fed, se mantém. A questão é que, talvez, a queda não comece tão cedo, já em março, nem seja tão intensa quanto o esperado - o que vale também para a taxa Selic.

Como se ouvia dos nossos colonizadores, é preciso passar a pente fino o cenário que garantiu um “rali de tudo” nos últimos dois meses de 2023. Mas nem por isso janeiro será um novo outubro. A ver pela performance dos mercados até aqui, tampouco haverá um “efeito janeiro”, com os índices de ações amargando baixas neste comecinho de 2024.

Assim, a questão agora é: até quando irá essa correção nos mercados? A previsão é de que os ajustes ao rali de fim de ano continuem, ao menos até que os dados e os bancos centrais continuem encorajando o movimento.

Últimos comentários

Humm. Mudou muito rápido de lado, vinha alertando que o mercado estava ignorando os sinais de que a queda de juros ia demorar mais do que eles apostavam e bastou 2 quedas para já falar em breve reversão.
boa avaliação
Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.