Últimas Notícias
0
Versão sem anúncios. Atualize sua experiência no Investing.com. Economize até 40% Mais detalhes

Últimas Notícias

Índice europeu fecha estável com perdas em ações industriais compensando ganhos em commodities

Ações na B3: Analisando Oportunidades Interessantes sob Perspectiva de Inflação

Por Sebastião Buck TocalinoAções08.03.2021 20:43
br.investing.com/analysis/analisando-oportunidades-interessantes-200440547
Ações na B3: Analisando Oportunidades Interessantes sob Perspectiva de Inflação
Por Sebastião Buck Tocalino   |  08.03.2021 20:43
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 

Em matéria de macroeconomia e análises de longo prazo, tenho tido sorte, ou talvez algum mérito, com um saldo positivo de acertos no câmbio, na renda fixa e no mercado imobiliário brasileiro. Mas acho mais difícil fazer projeções de longo prazo para empresas, especificamente. Salvo raras exceções, não seguro minhas ações em carteira por muitos anos. Precipitadamente, saí de alguns papéis que já poderiam ter me feito milionário. Abri mão de excelentes posições em Vale (SA:VALE3), Weg (SA:WEGE3) e CSN (SA:CSNA3). Até em Natura (SA:NTCO3), cujas ações adquiri na oferta pública inicial, em maio de 2004. Apesar dos prejuízos no ano passado, Natura já subiu 4.200% desde sua estreia na bolsa. Ou seja, R$ 10.000,00 investidos ali seriam hoje R$ 420.000,00.

Gosto muito de observar e analisar a economia. Porém, quanto mais curtas as operações, menos me servem as análises. Se para swingtrades elas são limitadas, para daytrades então, são mesmo inúteis. A movimentação intraday, picotando suportes e resistências gráficas, é errática demais.

Devido às minhas análises e ao meu estilo de investir, a maior parte do meu portfólio ainda está nos antigos e generosos juros prefixados de dois dígitos. Commodities são minha segunda maior exposição. Ouro e prata desde o ano passado. Urânio desde poucas semanas. Minha meta nestas commodities é para os próximos cinco anos. Como alguns títulos prefixados venceram recentemente, busco aumentar minha exposição em ações. Atualmente, elas são a menor parte da minha carteira.

Apesar da volatilidade recente e de tantas altas acumuladas nas bolsas, algumas ações podem sinalizar boas oportunidades.

Alguns amigos e parentes, todos frustrados com a atual rentabilidade da renda fixa, têm me pedido palpites na renda variável. Não gosto de opinar nos investimentos dos outros. Prefiro mostrar como venho ponderando algumas ações. E cada um que faça sua própria leitura e síntese. Cada cabeça, uma sentença.

A primeira coisa a observar é o divórcio entre o mercado de ações e a realidade econômica das últimas duas décadas. Usando o Índice Tocalino, eu estimo o potencial do mercado consumidor nos EUA. É surpreendentemente como este indicador também reflete as oscilações da bolsa americana, apesar de mostrar três grandes defasagens desde setembro de 1996.



Índice Tocalino/Wilshire 5000 ajustado pela inflação nos EUA
Índice Tocalino/Wilshire 5000 ajustado pela inflação nos EUA


Que eu saiba, Alan Greenspan foi o primeiro chairman do banco central americano a demonstrar uma quase obsessão pelo mercado de ações. Apesar disto, antes mesmo dele deixar o Fed, um artigo em The Economist já apontava para sérias repercussões futuras: “Sob a supervisão de Greenspan, experimentamos as maiores bolhas de ações e imóveis da história americana. Uma bolha sob seu mandato pode até ser azar. Duas já indica desleixo. A era Greenspan não vai terminar em 2006. Longe disso, seu legado permanecerá como os maiores desequilíbrios econômicos da história americana”.

Publicada 15 anos atrás, a advertência foi bastante premonitória. Ben Bernanke, Janet Yellen e Jerome Powell herdaram e continuaram o intervencionismo de Greenspan com juros artificialmente baixos. Ainda acrescentaram suas bazucas de afrouxamento monetário, acentuando o contraste entre a Wall Street dos grandes financistas e as Main Streets da economia popular.

O hiato atual é monstruoso! Enquanto a bolsa americana registra novos recordes, a realidade demográfica e econômica da sociedade de consumo norte-americana rasteja à distância. De qualquer forma, sendo a maior economia do mundo, os EUA são vistos como uma importante referência para os demais mercados.

Entre 2008 e 2020, a expansão monetária (QE: Quantitative Easing) ficou fora do alcance da população. Milton Friedman já dizia que inflação é um fenômeno monetário. O dinheiro criado gera inflação. E gerou, onde circulou. Como grande parte deste dinheiro novo ficou acessível só dentro sistema financeiro, a inflação aconteceu nos preços dos ativos financeiros. Ações ficaram muito mais caras! Sem grandes efeitos no comércio das ruas e no poder aquisitivo da população.

Com isto em mente, fiz um novo estudo comparativo entre o mercado de ações americano e o Índice Tocalino. Se a moeda emitida não tinha gerado maior inflação do custo de vida, ajustar as ações pelo índice de preços ao consumidor não parece a melhor forma de observarmos o comportamento da bolsa. Muito mais sensato é ajustar as ações pelo agregado monetário M2. A disponibilidade de dinheiro em M2 é que realmente influencia os preços das ações! O agregado monetário M2 engloba:

  • Todo o dinheiro físico em circulação (notas e moedas);

  • Reservas bancárias mantidas no banco central;

  • Cheques de viagem;

  • Saldos em contas correntes (depósitos à vista);

  • Cadernetas de poupança;

  • Depósitos a prazo até US$ 100.000,00;

  • Participações no mercado financeiro de varejo (retail MMFs), ou fundos mútuos do mercado monetário.

Índice Tocalino/Wilshire Ajustado por M2
Índice Tocalino/Wilshire Ajustado por M2


Para quem não conhece a fórmula do índice Tocalino, este artigo ajuda a entender.

Esta nova abordagem mostra, ainda mais inequivocamente, a relevância do índice Tocalino. Deixa evidente que só o entusiasmo com a internet, aquela exuberância irracional, não foi resultado das políticas anticíclicas do banco central americano. A grande expansão monetária do agregado M2 foi flagrantemente absorvida pelo mercado de ações. M2 ergueu a bolsa! Primeiro graças aos juros excessivamente baixos, iniciados por Alan Greenspan, em 2003. Posteriormente, M2 continuou levitando as ações na esteira de mais juros reais negativos e uma explosiva expansão monetária, iniciada em 2008, sob a coordenação de Ben Bernanke e Henry Paulson (chairman do banco central e secretário do tesouro americano, respectivamente).

Explicados estes descolamentos da bolsa frente à economia, é preciso entender que o direcionamento da expansão de moeda mudou no ano de 2020. Em 2011, eu alertava para uma pressão deflacionária, com o consumo amarrado. Isto fortaleceria a moeda americana, independente da base monetária. Agora acredito na inversão deste quadro. Desta vez, o afrouxamento monetário está chegando à população. Embora ainda não tenha repercutido no custo de vida, e só uma questão de tempo para que isto aconteça. Rupturas da cadeia produtiva (com empresas encerrando suas atividades) e cheques assistenciais enviados aos americanos (experimento de renda básica universal para os consumidores?) potencializam um aumento da demanda consumidora, simultaneamente à menor oferta de bens e serviços. Parece uma fórmula perfeita para minar o poder aquisitivo do dinheiro.

A distribuição de dinheiro pelo Tesouro Americano para a população aumentou a renda pessoal nos EUA. Americanos desempregados, agora sem produzirem quaisquer bens ou serviços, passaram a ganhar mais que quando trabalhavam.

Renda Pessoal nos EUA nos Últimos 10 Anos
Renda Pessoal nos EUA nos Últimos 10 Anos


Desculpe-me ser um estraga-prazer, mas não é o acesso à moeda que aumenta a qualidade de vida da sociedade. É o acesso aos bens e serviços! Imprimir dinheiro é fácil. Difícil é imprimir produtividade de bens e serviços que nos dão melhor qualidade de vida.

Pode parecer uma grande solidariedade do governo com a população – finalmente! Mas esta é só a embalagem. Por trás do belo rótulo, o governo quer é dar um calote técnico na sua própria dívida. A inflação almejada vai desvalorizar a dívida pública. O valor do dinheiro vai diminuir e, com ele, o valor da dívida também. No curto prazo parece bom para a população. Mas, no longo prazo, será um calote técnico do governo e uma aceleração do custo de vida para a todos.

Mais dinheiro não é prosperidade. Maior produtividade é prosperidade!

Enfim, basta-nos a constatação de que as coisas mudaram. Entre 2008 e 2019, o dinheiro criado ia para o sistema financeiro, seus negócios e seus clientes favoritos, sem aumentar o custo de vida. Agora, com o dinheiro chegando às ruas, vamos ter a inflação dos preços de consumo.

Não sei se isto reverterá a alta das bolsas pelo mundo. Mas os juros de longo prazo sobem com a ansiedade dos investidores. Já estão antecipando a erosão no valor do dinheiro. Nas últimas semanas, os juros dos títulos públicos americanos de dez anos alcançaram o mesmo nível dos dividendos calculados para a carteira teórica do S&P500. Neste patamar, a renda fixa concorre com a renda variável. Assim é natural que as bolsas sejam sacudidas. Se cairão ou não, o tempo dirá.

Para o Brasil, o que importa é que muitas carteiras estrangeiras serão remanejadas. Uma rotatividade das carteiras implica na liquidação (ou redução) das posições já vencedoras, redirecionando o capital ganho para novas oportunidades. Ou seja, trocam parte das ações que já subiram muito por ações ainda baratas, que possam subir muito mais.

O mercado americano e o brasileiro subiram bastante nos últimos anos. Entre julho de 2019 e início de 2020, antes da bolsa despencar, todos os meus artigos aconselhavam cautela, alertando para o risco nas ações. Confira-os: (1) Precedente de CPFs na Bolsa; (2) Moeda Sem Lastro e Bolsa Sem Fundamentos; (3) Horizontes de Investimentos e Cascas de Bananas; (4) O Suspense dos Mercados; (5) Uma Espirituosa Teoria Econômica; (6) O Lobo Bobo Na Curva de Juros. Quem deu atenção ao que eu disse se livrou de um grande tombo. Mas, apesar da economia hoje estar pior, no Brasil e mundo todo, já não vejo a bolsa brasileira com o mesmo pessimismo.

Pode até parecer contraditório meu repúdio ao risco naquela época (pré-Covid) se agora, em plena pandemia e desalento econômico, sou mais indulgente com a bolsa brasileira. Mas, entre março de 2016 e fevereiro de 2020, a bolsa brasileira havia se valorizado mais que a bolsa americana. Já não é o caso. Agora a bolsa americana mostrou um desempenho bem melhor que a brasileira. Os últimos cinco anos podem ser vistos nesta comparação entre o S&P500 e o EWZ, fundo americano cuja carteira de empresas brasileiras é basicamente um Ibovespa em dólares.

EWZ x S&P 500
EWZ x S&P 500


Warren Buffet já disse que o negócio é vender quando há muitos entusiasmados e comprar quando há sangue nas ruas. Se não tem sangue, doença é que não falta! Então vamos ponderar melhor a bolsa brasileira.

Geralmente, os grandes investidores procuram primeiro se posicionar mais discretamente nas ações small caps (empresas de menor valor de mercado), para só depois comprarem ações blue chips (de maior capitalização e, portanto, maior repercussão no mercado). Se dividirmos a carteira das maiores ações brasileiras (Ibovespa, ou EWZ em dólar) pela carteira de small caps brasileiras (SMAL, ou EWZS em dólar), vemos que blue chips ainda estão atrasadas em relação às small caps. De um modo geral, isto não costuma indicar uma exaustão do bull market. Pelo contrário.

EWZS vs. EWZ
EWZS vs. EWZ


Dentre as maiores empresas brasileiras, a Vale pode já parecer muito cara. Subiu muito no fim de 2020. Mas, desde 22 de setembro de 2020, ela acumulou sozinha mais de 75% do saldo estrangeiro nas ações do Ibovespa. Ou seja, coube às outras 80 ações do Ibovespa brigaram pelos demais 25% de saldo investido estrangeiro. Por que tanto interesse numa ação brasileira que já subiu muito?

Se, como eu creio, uma rotatividade das carteiras estrangeiras for favorecer a bolsa brasileira, precisamos ver a Vale em dólares, comparada à carteira do S&P500. Só assim podemos julgar se a segunda maior empresa brasileira está cara em relação às 500 maiores empresas americanas.

VALE3 dolarizada / S&P 500
VALE3 dolarizada / S&P 500


Tudo é relativo! VALE3 subiu muito quando comparada à bolsa brasileira. Subiu bem menos em dólares numa comparação com o S&P500! As ADRs da Vale (NYSE:VALE) (negociadas em dólares nos EUA) divididas pelo S&P 500 mostram o mesmo.

Diante da expectativa de inflação, o preço das commodities tende a subir em relação ao dólar. No gráfico abaixo, ferro e aço parecem ter muito potencial de alta pela frente.

Índice de Ferro e Aço
Índice de Ferro e Aço

Se a blue chip que mais subiu na bolsa brasileira não está tão cara para os estrangeiros, quer dizer de outras grandes empresas que, mesmo em moeda nacional, estão historicamente depreciadas?

Embraer (SA:EMBR3) é a terceira maior fabricante de aviões do mundo. A primeira se considerarmos aviões de até 150 lugares. Exporta para o mundo todo e tem fábrica em Portugal. Além disto, seus aviões menores tendem a ganhar mais destaque durante e após esta pandemia.

EMBR3 Dolarizada / S&P 500
EMBR3 Dolarizada / S&P 500


As ações da Embraer já parecem ter decolado e, mesmo com 50% de valorização neste início de 2021, sugerem ter ainda muito céu azul para voar mais alto.

Vale acrescentar que custos na produção de aeronaves nos EUA estão aumentando, o que pode dar à brasileira uma maior competitividade no mercado internacional.

Índice de Preços de Insumos Líquidos Para a Indústria de Aeronaves
Índice de Preços de Insumos Líquidos Para a Indústria de Aeronaves


Numa situação de maior inflação, assim como o ferro e aço já abordados, alimentos são commodities que também devem subir em relação ao dólar.

A BRF Foods (SA:BRFS3), responsável pelas marcas Perdigão e Sadia, é outra empresa que vem andando devagar na bolsa brasileira. Num cenário de inflação, o setor de alimentação pode ser estratégico. Alimentos tendem a sofrer menor queda no consumo, além de repassarem mais facilmente os custos do produtor.

BRFS3 Dolarizada/S&P 500
BRFS3 Dolarizada/S&P 500

(atualizar)


Agarrar facas caindo não é uma boa ideia. No entanto, acredito que BRFS3 pode ser uma aposta promissora para esta década. O gráfico abaixo mostra, à esquerda, os preços em dólares da BRFS (American Depositary Receipts das ações da BRF Foods) (NYSE:BRFS) e, à direita, o índice de preços de alimentação e energia nos EUA. Vinte anos atrás, a linha azul se antecipou, puxando a BRFS (linha vermelha) logo a seguir. Este ano, a linha azul já rompeu a tendência de baixa. Sugere uma inflação nos preços de alimentos e energia. Isso deve puxar novamente as ações da brasileira BRF Foods, bem como suas ADRs em Nova York.

BRFS / Índice de Preços de Alimentação e Energia nos EUA
BRFS / Índice de Preços de Alimentação e Energia nos EUA


Além das três grandes empresas brasileiras que selecionei aqui, uma startup micro cap me chama a atenção, com excelentes resultados financeiros e múltiplos fundamentalistas. Nos últimos 2 meses, a Atom Participações (SA:ATOM3) teve um volume financeiro médio à volta de R$ 400.000,00 por pregão. Um volume modesto que dificulta o posicionamento de investidores de grande porte financeiro. Mas me parece uma oportunidade interessante para os menores investidores. Suas margens, líquida e EBIT, bem como seus retornos sobre capital investido ou patrimônio líquido (ROE e ROIC), estão entre as melhores da bolsa brasileira. Além disto, a empresa não tem qualquer dívida. As relações preço-lucro (P/L = 6,33) e preço-EBIT (P/EBIT = 7,88) sugerem que as ações estão muito baratas.

Ranking DONB de empresas com múltiplos e indicadores fundamentalistas interessantes:

Ranking DONB
Ranking DONB


A gestão financeira da AtomPar surpreende para uma empresa com apenas cinco anos de vida. Principalmente se comparada a tantas startups americanas, que acumulam enormes dívidas e prejuízos recorrentes.

É verdade que, apesar de muito lucrativa, a ATOM3 não paga dividendos. Mas sendo uma empresa pequena, faz bem em reinvestir seus retornos no próprio crescimento. Warren Buffett também não distribui dividendos da sua Berkshire Hathaway (NYSE:BRKa) (SA:BERK34), pois sabe que será capaz de reinvestir os lucros de forma mais eficiente que seus acionistas.

Todas as empresas citadas aqui fazem parte da minha carteira atual e estão no meu radar para um possível aumento de posição. O leitor deve fazer sua própria crítica, levando isto em consideração. Raríssimas vezes escrevi citando empresas de forma específica. Evito fazer isto pois, naturalmente, surge aquela questão dúbia de viés pessoal. Não tenho qualquer interesse em promover ou manipular a opinião alheia. Só fiz esta exposição atendendo ao pedido de algumas pessoas. Quem já é um leitor antigo dos meus textos, sabe que costumo limitar minhas análises a uma crítica econômica mais generalizada.

O mesmo tipo de comparação relativa que fiz aqui pode ser aplicado a outras ações brasileiras. Outras empresas podem parecer também interessantes. A questão é colocar mãos à obra e fazer suas próprias análises antes de investir. Seguir dicas de terceiros não é uma boa estratégia para investir. Além do mais, toda análise precisa ser refeita periodicamente. O contexto econômico e empresarial pode mudar, exigindo reavaliações constantes.

No mais, espero que minha abordagem tenha sido de algum proveito para outros investidores e curiosos.

Bons negócios a todos. E muita saúde!

Copyright © Sebastião Buck Tocalino

A bolsa estimula a cidadania!

Ações na B3: Analisando Oportunidades Interessantes sob Perspectiva de Inflação
 

Artigos Relacionados

Ações na B3: Analisando Oportunidades Interessantes sob Perspectiva de Inflação

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
Comentários (26)
Vicentão Investidor
Vicentão Investidor 03.06.2021 14:51
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Gostei do gráfico do minério. Bom trabalho.
Daniel Pereira
DanielPereira21 31.03.2021 14:03
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Graças a sua análise, entrei em ATOM3 e coloquei 75% de lucro em 15 dias. Vou aguardar para comprar mais. Muito obrigado!
Jorge Efrain Rey de Oliveira
Jorge Efrain Rey de Oliveira 25.03.2021 14:46
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Mais um artigo TOP!
manoel roberto silva
manoel roberto silva 11.03.2021 8:23
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Aton , é lixo, essa materia é paga!!!!
William Souza
William Souza 11.03.2021 8:23
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Hahahahaha
Daniel Pereira
DanielPereira21 11.03.2021 8:23
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Deu zebra....kkkkk
Miguel Eduardo
Miguel Eduardo 10.03.2021 14:52
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Muito bom, mas sua analise diz que a bolsa americana esta esticada e a brasileira ficou para traz indicando oportunidade aqui, mas se houver alguma grande correção no mercado americano vai impactar aqui  também, certo?
Afonso Henrique
Afonso Henrique 10.03.2021 6:22
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
em que pese discordar de alguns papéis, sua tese de investimento encontra-se muito bem embasada e muito bem explicada. Vou dar uma olhada na Atom, n conhecia a empresa;
William Souza
William Souza 10.03.2021 6:22
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Espero que vc tenha entrado
Marcus Guilherme Marcus
Marcus Guilherme Marcus 09.03.2021 16:14
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Analise otima , so uma correçao . A Vale ja é a maior empresa Brasileira , valendo quase o dobro da petrobras
Felipe Feijoo Teixeira
Felipe Feijoo Teixeira 09.03.2021 14:10
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Interessante artigo! Obrigado por compartilhar.
Maxwell Fernandes
Maxwell Fernandes 09.03.2021 12:38
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Sempre aprendo muito com seus artigos. Obrigado e parabéns!!!
Dilezio Ciamarro
Dilezio Ciamarro 09.03.2021 12:05
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Analise muito clara, objetiva e fundamentada, gostei muito, meus cumprimentos.!
Dilezio Ciamarro
Dilezio Ciamarro 09.03.2021 12:04
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Analise muito clara, objetiva e fundamentada, gostei muito, meus cumprimentos.!
Cl Zbn
Cl Zbn 09.03.2021 11:23
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Excelente análise. Vou acompanhar com mais atenção os papéis da análise. Parabéns !
alex marchetti pasqualini
alex marchetti pasqualini 09.03.2021 11:08
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Otima analise.
Wagner Mendes
Wagner Mendes 09.03.2021 9:56
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Obrigado pela aula.
Breno Pimenta
Breno Pimenta 09.03.2021 9:51
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Excelente materia! Parabens!
Onofre Queiroz
Onofre Queiroz 09.03.2021 9:14
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Muito bem fundamentada sua análise! Excelente texto!
Graziela Finger
Graziela Finger 09.03.2021 9:10
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Gostei bastante da sua analise, obrigada
Jian Gustavo
Jian Gustavo 09.03.2021 8:30
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Bom texto amigo, longo mas contextualizou bem, parabéns por trazer uma perspectiva de empresas para o período de inflação qdo a maioria só irá falar disso após já terem se valorizado muito. obg.
Germano Gaick
Germano Gaick 09.03.2021 8:07
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
tenho ATOM3 e após várias análises estou aumentando minha participação toda vez que a ação cai
Carmen Naves
Carmen Naves 09.03.2021 7:45
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Primeira vez lendo sua analise e achei bem fundamentada, coerente e racional. Obrigada por compartilhar suas ideias!
Adam Molinari
Adam Molinari 09.03.2021 7:40
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Muito bem feito, embora ficou simples a uma perspectiva de longo prazo. Outras empresas cabe na lista, porém o raciocínio é o mesmo.
Beto Filho
Beto Filho 09.03.2021 7:36
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
show o texto parabéns
Fernando Pio Cartaxo
Fernando Pio Cartaxo 09.03.2021 7:31
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Excelente texto.
SaNHa Gabriel
SaNHa Gabriel 09.03.2021 7:31
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Uma das melhores que já li aqui. Parabéns!
Claudio Tasselli
Claudio Tasselli 09.03.2021 7:29
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Parabens pela analise !!!
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Declaração de Riscos: ATENÇÃO: Quaisquer opiniões expressas pelo autor são naturalmente subjetivas e sujeitas a polêmica. Esta não é uma recomendação de investimento! Os dados visualizados aqui procedem de outras fontes, a princípio fidedignas, de boa reputação e acessíveis ao mercado. De Olho Na Bolsa não faz indicações de compra ou venda, ou de negócios de qualquer espécie, e não está autorizada a atuar como consultoria de valores mobiliários. Não nos responsabilizamos por decisões tomadas com base nas informações aqui reunidas. INVESTIMENTOS EM AÇÕES ENVOLVEM RISCOS! Para sua maior segurança, procure sua corretora. Ela poderá ajudá-lo a avaliar riscos e oportunidades em negócios com valores mobiliários.
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail