Garanta 40% de desconto
🚀 6 ações que subiram +25% no 1º tri selecionadas pela nossa IA. Quais ações vão subir no 2º tri?Não perca a lista completa

Deutsche Bank em apuros: banco alemão será a próxima peça do dominó a cair?

Publicado 28.03.2023, 11:58
Atualizado 02.09.2020, 03:05
  • Na semana passada, as ações do Deutsche Bank afundaram, diante da alta dos CDS do banco, gerando preocupação entre investidores e depositantes.
  • Os problemas estruturais do Deutsche Bank já vêm de longa data, desde a crise financeira de 2008, e deterioraram a confiança no banco.
  • Os bancos centrais talvez precisem imprimir dinheiro para fornecer liquidez e resgatar os bancos problemáticos, mas as preocupações com a inflação podem fazê-los pensar duas vezes.

No fim da semana passada, testemunhamos a queda de mais uma peça do dominó que ameaça a estabilidade financeira dos EUA e da Europa.

Desta vez foi o Deutsche Bank (ETR:DBKGn) (NYSE:DB), cujas ações chegaram a cair mais de 10%. Isso ocorreu após a forte alta nos swaps de crédito (CDS) do banco, que refletem o custo de seguro contra a insolvência da instituição para os titulares de títulos de dívida.

Há especulações de que o gatilho foi o anúncio de um resgate antecipado de títulos de nível 2. Embora, em tese, esse não seja um sinal de fraqueza, o mercado interpretou dessa forma.

Em razão dos problemas estruturais de longa data do Deutsche Bank, o mercado tende a adotar conclusões negativas dos fatos.

CDS do Deutsche Bank

Fonte: Bloomberg

Riscos do Deutsche Bank já vinha sendo acompanhados

Os problemas estruturais de uma das maiores instituições financeiras da Alemanha, cujos ativos são avaliados em cerca de US$ 1,5 trilhão, remontam à crise financeira de 2008.

O maior empecilho daquela época foram os prejuízos da unidade de investimentos, que acabou sendo desmembrada e gradativamente extinta, além das várias multas aplicadas por órgãos reguladores.

A base do plano de recuperação dos últimos anos foi o foco em áreas tradicionais do setor bancário, como serviços a clientes corporativos e de varejo, e sua implementação ainda está sendo executada, de acordo com um relatório de 2022.

O resultado, que pode ser visto como um sinal positivo, é um lucro de mais de US$ 6,45 bilhões, excluindo o braço de investimentos do banco.

Então, o que há de errado com o banco alemão?

Os pontos fracos estão relacionados ao fator “confiança”, não apenas em bancos individuais, mas também no sistema como um todo.

No momento, nenhum dos bancos do sistema de reservas fracionárias consegue sobreviver a uma corrida em massa dos depositantes por seus recursos.

Ainda que não haja nada de errado, do ponto de vista dos fundamentos, com o Deutsche Bank, a má reputação do banco pode ser um problema sério.

Os bancos centrais terão que imprimir dinheiro?

Em vista dos anúncios e das ações dos principais bancos centrais, especialmente do Federal Reserve, tudo indica que o remédio para uma eventual crise bancária seria, mais uma vez, imprimir dinheiro, algo que, infelizmente, soa bastante familiar.

Na prática, as propostas do Fed são fornecer liquidez aos bancos em dificuldade, ou seja, criar mais dinheiro do nada e aumentar o tamanho das garantias bancárias, que é um resgate de curto prazo, mas também um aprofundamento da crise estrutural.

Isso ocorre porque os bancos, por contarem com um avalista que virá em seu socorro sempre que algo der errado, terão menos incentivos para gerenciar o risco de forma eficaz ou melhorar a gestão de forma geral, o que representa um risco moral.

Por outro lado, as garantias de depósitos tendem a reduzir a pressão sobre os bancos por parte dos clientes, que irão se concentrar mais nas taxas de juros do que na situação financeira da instituição.

Isso faz sentido do ponto de vista do cliente, pois os fundos são legalmente protegidos. Então, tudo leva a crer que o banco central terá que imprimir dinheiro novamente.

Ainda assim, desta vez há um fator-chave que pode fazer o Federal Reserve pensar duas vezes antes de continuar a injetar centenas de bilhões de dólares no mercado: a inflação.

Mínimas do ano passado em perigo

As ações do Deutsche Bank entraram em tendência de baixa no início do mês. O papel está agora se aproximando das mínimas de 2022, que estão um pouco acima da marca de US$ 7.

Deutsche Bank diário

É provável que vejamos um ataque a essa região. Se os vendedores conseguirem fazer um rompimento, a mínima de março de 2020 poderia ser o próximo alvo.

***

Aviso: O autor não possui atualmente qualquer posição nos ativos mencionados.

 

Últimos comentários

Tudo fakenews da mídia e dos bancos internacionais. Tudo subindo. Todas as bolsas em alta. Quero mais crises assim. kkkkk
mas a economia não mudou. se tiraram o dinheiro de um banco, ele foi parar em outro.
essencialmente, nenhum banco no mundo resiste a corrida de saques. essencialmente, o negócio bancário é pegar dinheiro de depositários e emprestar a prazos mais longos. Isto não é novidade a ninguém. é qual o susto agora ?
Tudo fakenews. Todas as bolsas subindo. Alguém está mentindo e parece que é a mídia.
Que mídia ? O mundo inteiro está falando em coisa muito pior e não é a mídia. Se você não assiste vídeo em inglês está perdido .
Só se esse idiota derrubar.
daqui a pouco vai ter um comentário fazueli. 1,5 trilhão de dólares de ativo. o pib do brasil em 2022 foi 1,9 trilhão de dólares. se este banco cair, vai balançar o capitalismo. haja casa da moeda pra imprimir dinheiro.
L
Mais pânico no mercado . . .
Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.