Últimas Notícias
0
Versão sem anúncios. Atualize sua experiência no Investing.com. Economize até 40% Mais detalhes

Últimas Notícias

Futuros americanos sobem, à espera de dirigentes do Fed, seguro-desemprego

Inflação Americana e CPI da Covid

br.investing.com/analysis/inflacao-americana-e-cpi-da-covid-200441956
Inflação Americana e CPI da Covid
Por Julio Hegedus Netto   |  14.05.2021 09:00
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 

Numa semana intensa, com CPI da Covid, inflação americana, desconfianças entre Fed e mercado, economia brasileira impactada pelo atraso das vacinas, tensões na relação Israel e Palestina, chegamos na sexta-feira “lambendo as feridas”, avaliando os estragos e tentando enxergar o futuro próximo. 

Neste dia, de agenda, destaquemos os dados da economia norte-americana, como as vendas do varejo, a produção industrial e o indicador de confiança do consumidor. No Brasil, repercutem as “oitivas” da CPI da Covid. Foram três depoimentos importantes, do presidente da ANVISA, do ex-secretário de Comunicação do governo e do CEO da Pfizer (NYSE:PFE) (SA:PFIZ34). Dois deles foram esclarecedores sobre a postura do governo nesta pandemia, outro, acabou constrangedor pelo que não foi dito, ou negado. 

Quinta-feira (dia 13) foi um dia de mercados em alta, depois da forte correção do dia anterior, causada pela inflação ao consumidor norte-americana, mais elevada do que o esperado. Tivemos, também, a inflação no atacado (PPI), mas o mercado norte-americano parece que “absorveu bem” estes índices e resolveu acreditar na tese do Fed de que os repiques são temporários, não devendo se propagar nos próximos meses. 

Tal movimento nas bolsas de NY, claro, “contaminou” o mercado de ações brasileiro, que operou no azul, embora com as commodities em queda, o que derrubou a Vale (SA:VALE3) e as siderúrgicas. A Petrobras (SA:PETR4) só não caiu porque foi liberado um pipeline de transporte de petróleo nos EUA, fechado no início da semana devido a um ataque hacker. Além disso, boatos indicavam de que a empresa registrou lucro no primeiro trimestre deste ano, contra prejuízo no mesmo de 2020.  

Ao fim do dia o Ibovespa ganhou 0,83%, a 120.705 pontos. Já as bolsas de NY operaram em alta. Dow Jones fechou em alta de 1,29%, a 34.021 pontos, S&P subiu 1,22%, a 4.112 pontos, e Nasdaq 0,72%, a 13.124 pontos. Nos mercados de câmbio e de juro, o dia foi de volatilidade, pelos motivos acima expostos, mas também pela pesquisa Datafolha, indicando que o ex-presidente Lula da Silva pode vir a ganhar a eleição do ano que vem já em primeiro turno. Neste clima de incertezas, o dólar, em tendência de queda nos últimos dias, virou um pouco e registrou leve alta de 0,15%, a R$ 5,3133, depois de transitar entre R$ 5,25 e R$ 5,33. No mercado de juro, as taxas fecharam próximas da estabilidade, mesmo que em viés de baixa. 

Sobre a inflação norte-americana, como já dito, o que observamos é a existência de alguns gargalos de oferta na economia norte-americana, dada a “forte reabertura” em curso, o que vem pressionando alguns insumos da cadeia produtiva. 

Um deles vem das montadoras (produção de automóveis novos), em baixa oferta, pela falta de “condutores eletrônicos”, em sua maioria, produzidos no exterior. Normalizado este fornecimento, os preços destes insumos devem recuar, assim como o dos automóveis, havendo então uma “normalização” neste mercado específico. Assim, a inflação ao produtor, PPI, chegou a 0,6% em abril, contra estimativa de 0,3%, mas deve ceder nos próximos meses, assim como o CPI (0,8% mensal e 4,2% anualizado). Lembremos que este acabou diretamente impactado pelos custos dos automóveis (novos e usados) e seus seguros. 

No Brasil o IBC-Br, indicador do Bacen, veio abaixo das estimativas de mercado (-3,3%), recuando 1,59% em março contra fevereiro. Contra o mesmo mês do ano passado o avanço foi de 6,2%, no primeiro trimestre avançando 2,2% e em 12 meses +3,3%. Ao fim deste ano estamos prevendo o PIB crescente em 3,8%, podendo chegar a 4,2%, dependendo do ritmo das vacinação e da intensidade da reabertura da economia brasileira. 

Falando da CPI da Covid, tivemos quinta-feira a audiência com o CEO da Pfizer para a América Latina, Carlos Murillo, que descreveu, cronologicamente e detalhadamente, a evolução dos contatos da empresa com o governo brasileiro. 

Tiveram início em maio de 2020, depois, um esforço de assinatura de contrato em 26 de agosto, na qual uma primeira oferta de 18,5 milhões de doses até o segundo trimestre de 2021, o que, estranhamente, foi ignorado pelo governo, que só retornou o contato em novembro. Neste contato de agosto, o fornecimento de doses era o seguinte: 1,5 milhão em 2020, 3 milhões no primeiro trimestre de 2021 e 14 milhões até o segundo trimestre de 2021. Total 18,5 milhões.  

Em verdade, esta relação foi um verdadeiro “gato e rato”, com o governo sempre “fugindo” das sondagens da farmacêutica. Segundo o CEO da empresa, ao longo do ano, foram cinco ofertas, só a última aceita: (1) 14/08; (2) 18/08; (3) 26/08; (4) 15/02/21 e (5) 08/03. 

Ou seja, o contrato de compra de vacinas da Pfizer só veio a ser fechado neste ano, em 08/março, num pacote de 100 milhões de doses, a se iniciar a entrega em setembro agora, com 35 milhões.

Surge então a pergunta que não pode ser evitada. Por que o governo não fechou um contrato logo, lá atrás, em meados de 2020, se foram tantas as tratativas? Mais ainda. Quantas mortes poderiam ter sido evitadas se não tivessem ocorrido tantos adiamentos, tantas idas e vindas? 

Na verdade, o presidente Bolsonaro tratou a questão das vacinas de forma política e não pelo enfoque sanitário. 18,5 milhões de doses deixaram de ser fornecidas. O governo ignorou também uma proposta inicial de 70 milhões de doses do imunizante em agosto de 2020. Como pode? E tudo está documentado e “narrado” pelo próprio presidente, nos seus desdéns e embates retóricos inúteis. 

Como resultado, o desgaste político se torna inevitável e isso já começa a se refletir nas pesquisas de popularidade do governo. 

Uma pesquisa Datafolha, divulgada na quarta-feira, mostra que o ex-presidente Lula teria 41% das intenções de voto para o primeiro turno da eleição presidencial de 2022, e o presidente Bolsonaro 22%. Mostra também que a aprovação a Bolsonaro recuou para 24%, menor nível desde o início do seu mandato, e a rejeição pulou a 45%. Indícios de uma série de decisões e posturas erradas. 

Finalmente, na agenda do dia, destaque para os dados de atividade dos EUA e de Confiança do Consumidor. Dentre os balanços corporativos, destaque para a CVC (SA:CVCB3), COSAN (SA:CSAN3), COGNA (SA:COGN3) e CEMIG (SA:CMIG4).

Agenda Econômica
Agenda Econômica

Inflação Americana e CPI da Covid
 

Artigos Relacionados

Inflação Americana e CPI da Covid

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
Comentários (8)
eduardo perin
eduardo perin 14.05.2021 23:46
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
comentários desnecessário, tendencioso e pouco técnico .
eduardo perin
eduardo perin 14.05.2021 23:46
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
comentário totalmente desnecessário, politicamente tendencioso e pouco técnico .
eduardo perin
eduardo perin 14.05.2021 23:45
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
comentário totalmente desnecessário, politicamente tendencioso e pouco técnico .
Amauri Oleron
Amauri Oleron 14.05.2021 15:06
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Não consigo entender porque a maioria dos comentaristas econômicos são adeptos aos larápios e socialistas. Só pode ser masoquismo.
Arlan Carpini
Arlan Carpini 14.05.2021 10:04
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Datafolha não é um instituto de pesquisa sério. Totalmente enviesado. Pelo Datafolha, quem foi eleito foi Haddad.
Fabio Piloto
Fabio Piloto 14.05.2021 10:04
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
E se essa vacina da Pfizer não fosse aprovada como ocorreu com a Sputnik V ??? Essa mesma corja de vagabundos estaria pedindo a saída do presidente por prevaricação. Fora isso essa vacina necessitava de armazenagem a -70 graus o que inviabilizava seu uso no Brasil.
Cícero RP
Cícero RP 14.05.2021 9:44
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Essa VACINA DA PFIZER está matando!!😮 "Relatório aponta 309 mortes após vacina da Pfizer em Israel e 2,2 mil eventos adversos estudos nacionais"
Sergio Checchia
Sergio Checchia 14.05.2021 9:44
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Matando? HahahahahaCom o país saindo da pandemia devido a efetividade da vacina, você fala uma coisa dessas? Visão distorcida pela política!
Cícero RP
Cícero RP 14.05.2021 9:44
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Não sou eu, são os centros de saúde/pesquisas. Vai no link. E nos EUA mais de 7700 já morreram! Aqui: "Reporting system shows more than 330,000 adverse events following COVID vaccines". Obviamente vc não queria q a mídia informasse essas coisas né!🤦
zeni moura
zeni moura 14.05.2021 9:29
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Ao contrario dos jornalistas formados em medicina com mestrado em infectologia, o seu Presidente Bolsonaro dependia da aprovacao da anvisa... Se era so sair comprando vacina sem aprovacao nenhuma pq a europa nao aceita a coronavac!? Pois é considerada lixo para eles... ou nao é ?! Aaaa mas se fosse o lulinha .. teriamos vacina de cuba imediatamente... por isso lidera as pesquisas....Aguardamos com mt expectativa o Lulinha ir para ruas ser abracado pelo povo q respondeu a tal pesquisa...nao é mesmo.?
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Declaração de Riscos: Fusion Media would like to remind you that the data contained in this website is not necessarily real-time nor accurate. All CFDs (stocks, indexes, futures) and Forex prices are not provided by exchanges but rather by market makers, and so prices may not be accurate and may differ from the actual market price, meaning prices are indicative and not appropriate for trading purposes. Therefore Fusion Media doesn`t bear any responsibility for any trading losses you might incur as a result of using this data.

Fusion Media or anyone involved with Fusion Media will not accept any liability for loss or damage as a result of reliance on the information including data, quotes, charts and buy/sell signals contained within this website. Please be fully informed regarding the risks and costs associated with trading the financial markets, it is one of the riskiest investment forms possible.
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail