Últimas Notícias
0
Versão sem anúncios. Atualize sua experiência no Investing.com. Economize até 40% Mais detalhes

O Argumento do Ouro

br.investing.com/analysis/o-argumento-do-200436815
O Argumento do Ouro
Por Sebastião Buck Tocalino   |  18.08.2020 17:04
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 

Quando criança, ouvi a conversa de dois praticantes de pesca submarina dizendo que parte da falta de ar que sentimos é proveniente da ansiedade. Com treinamento e maior controle pessoal, sobrava ar nos pulmões para mais tempo submerso. Anos mais tarde, tornei-me mergulhador autônomo, depois avançado e, mais adiante, socorrista. Ao terminar minha certificação como DiveMaster, planejava comprar um barco para trabalhar com mergulho e turismo. Acabei mudando de ideia. Dei um cavalo de pau e investi minhas economias na Bolsa. Naqueles tempos de melhor preparo físico, eu passava de 3 minutos e meio em apneia estática (sem inalação prévia de oxigênio). Já era bastante para mim, mas muito longe do recorde mundial, à volta dos 7 minutos. Acontece que, de certa forma, o mercado financeiro também me cobra a capacidade de oxigenação do pensamento e controle do sistema nervoso.

Meu fôlego foi testado na semana passada. No dia 11 de agosto, o ouro (cotado em dólar) recuou 5,7% enquanto a prata tombou 13,72%. Tenho alocações em fundos de ouro desde fevereiro deste ano. E, mais recentemente, também coloquei alguma coisa no único fundo de prata que conheço no Brasil (recém lançado). Faço sempre minhas próprias análises e tomo minhas decisões de forma independente, mas nem por isso sou imune às dúvidas e a alguma insegurança... Sou humano! Tamanha queda num só dia testa qualquer um. Poderia sugerir um final da tendência de alta? Seria melhor reduzir minha exposição aos metais? Naquele desconforto em devolver parte dos lucros, lembrei-me do meu primeiro instrutor de mergulho. Ele repetia em minha memória: "Não se leve pela ansiedade... Pare, analise a situação e aja com calma!" Embaixo d'água, sua vida depende disso, mas em terra firme, também é uma boa lição de vida!

Ao vermos um gráfico básico do ouro, como mostro aqui, seu preço já parece bastante esticado.

(atualizar)

Contudo, as maiores altas ocorreram há muitos anos já. A primeira foi desde 1971 até 1980, iniciando-se logo depois do dólar abandonar sua conversibilidade em ouro. Acentuou-se com as crises do petróleo: a primeira, em 1973, e a segunda, em 1979. Outra alta espetacular foi de 2001 a 2011. Essa segunda começou após o estouro da bolha de tecnologia, passando pelo ataque terrorista ao World Trade Center, continuou pela bolha imobiliária americana (das hipotecas subprime), pela crise financeira global, pela crise da zona do euro e, finalmente chegou à primavera árabe. Na escala logarítmica abaixo, percebemos que a alta dos últimos dois anos ainda pode ser considerada modesta e curta, se comparada às anteriores.

(atualizar)

Via de regra, presto mais atenção aos gráficos logarítmicos, justamente para visualizar melhor as variações no longo prazo. Aprendi com meu mestre grafista (e 'hermano brother') Cláudio Zabani. Infelizmente, a plataforma do banco central americano, que uso para traçar e publicar meus gráficos, nem sempre me permite usar esta escala logarítmica. Na maior parte das vezes, os gráficos dos meus artigos são publicados na escala aritmética.

Também é importante observarmos o preço do ouro ajustado pela inflação, ou seja, no contexto do poder aquisitivo ao longo da história. Para isso, eu dividi seus preços nominais pelo do índice de preços ao consumidor. Veja então o valor real do ouro em relação ao custo de vida nos EUA.

(atualizar)

Assim é que compreendemos a situação real do ouro nos últimos cinquenta anos. Seu valor recorde, ou topo histórico, foi lá em 1980. Não foi em 2011, nem mesmo em 2020... Pelo menos por enquanto.

Para quem segue a análise técnica, é interessante observar que está se formando aí uma enorme figura de "xícara e cabo". Se confirmada, ela sugere uma alta mais animada para o metal.

(atualizar)

Meu foco aqui não é análise técnica, mas sim fundamentos econômicos que possam influenciar o preço do ouro. Publiquei em abril, no artigo Agora Sim Vale Ouro, a relação entre o preço do metal e os agregados monetários, bem como o S&P 500 e a Bitcoin. Reli aquele texto e abordarei aqui novas questões.

Em tempos de inflação subindo, o investimento na renda fixa pode ter sua rentabilidade reduzida. Os juros reais, são resultado dos juros nominais menos a inflação. Se a inflação aumenta, essa conta pode resultar até em rendimentos inferiores à correção monetária, gerando um prejuízo ao poder aquisitivo no fim da aplicação. Situação bastante pertinente ao momento atual... Brasileiro e mundial!

O estudo abaixo é de Robert Shiller, prêmio Nobel em economia. Ele mostra um histórico dos retornos reais obtidos nos títulos do Tesouro americano de 10 anos (levados até o vencimento e ajustados pela inflação).

No gráfico seguinte, eu mesmo fiz uma simplificação com as taxas de juros de Títulos do Tesouro dos EUA com vencimento em 10 anos e subtraí a inflação de 12 meses. O objetivo é ter uma ideia do potencial para o futuro próximo.

(atualizar)

O resultado negativo (em vermelho) é punitivo e tende a empurrar mais investidores para fora da renda fixa. Normalmente em direção às ações. Mas, eventualmente, em direção ao ouro.

Com inflação em alta, as empresas costumam repassar seus custos maiores para os preços de seus produtos ou serviços e para o consumidor final, mantendo-se lucrativas, apesar dos gastos crescentes. Daí serem uma melhor opção de investimento que a renda fixa numa fase inflacionária. A própria inflação costuma ser resultado do crescimento econômico e da maior velocidade com que o dinheiro troca de mãos. Quando a economia cresce assim, as empresas também crescem mais facilmente e a inflação é mera consequência deste maior dinamismo.

Entretanto, existe outro tipo de inflação que não é causado pelo crescimento econômico ou sequer acompanhado dele. Estagflação é o termo que associa a estagnação econômica ocorrendo simultaneamente à inflação do custo de vida. Um cenário cruel para a maioria das empresas e da população. Além da inflação dos custos operacionais e rotineiros, a estagnação da economia representa outro problema para o fluxo de caixa da empresa e suas margens de lucro.

(atualizar)

O Produto Interno Bruto anual dos EUA, que ajustei pela inflação americana (em vez do costumeiro deflator do PIB), é exibido acima como variação percentual em 12 meses. Veja que 2020 já mostra uma impressionante retração econômica, pior que qualquer outra dos últimos cinquenta anos ilustrados no gráfico. Na margem direita, com um ponto de interrogação, desenhei eu mesmo um esboço do possível cenário futuro. Mas o fato importante é que, numa economia assim combalida, fica mais difícil o crescimento das empresas. Não vejo com otimismo os desafios adiante e, portanto, nem mesmo os fundamentos para um desempenho positivo da maioria das ações na bolsa. A complacência dos pequenos e novos investidores, fugindo dos juros baixos, é que parece carregar a recuperação do Ibovespa nas próprias costas. Coisa que pode resultar mal e justamente quando as pessoas físicas poderão precisar mais de suas reservas de capital... Fica então meu alerta para maior cautela e menor entusiasmo com as ações.

Sem otimismo com a renda fixa ou com a renda variável, são os alimentos e os metais que me parecem um refúgio para a preservação do patrimônio, no caso da estagflação que antecipo. Essas commodities básicas não têm grande valor agregado, mas talvez protejam melhor o poder aquisitivo do investidor.

Além disso, se o ouro subia mais rapidamente que a base monetária nos episódios anteriores, agora ele parece é atrasado. O gráfico abaixo mostra uma gigantesca inflação da base monetária americana. E também da carteira de ativos do Federal Reserve. Enquanto o ouro nem sequer alcançou os mesmos patamares.

(atualizar)

Esta defasagem é resultado da falta de acesso, da economia real, à quantidade de dinheiro ainda confinado no sistema financeiro. Quase nada dos novos dólares criados passou pelas mãos da população. Observe abaixo o excesso de reservas dos bancos americanos desde 2008:

(atualizar)

Ainda mais surpreendente é a conta corrente (Treasury General Account) do governo americano no Federal Reserve... O saldo é aberrante neste ano de pandemia:

(atualizar)

Parece-me inevitável que uma porção maior desta dinheirama, até agora encalacrada no sistema financeiro, passe a circular pela economia real. O "Clube do Bolinha" financeiro, ganancioso e causador paulatino desta crise de endividamento há anos (não se iludam responsabilizando apenas o recém chegado Covid-19), não pode se manter assim tão egocêntrico e alheio, arriscando cada vez mais um grave motim social nas ruas. A maior circulação do dinheiro será necessária para causar inflação e monetizar os absurdos níveis de endividamento público e privado. Infelizmente, quando o dinheiro finalmente circular nas mãos da população, será uma breve benção, logo mitigada pela erosão do poder aquisitivo. O sistema financeiro e o governo não oferecem nada por bondade.

Apesar de grandes oscilações e mais sustos pelo caminho, acredito que o ouro e a prata ainda seguirão se valorizando por um bom tempo. Na verdade, o ouro não produz nada, nem mesmo sua valorização, o dinheiro é que perde poder aquisitivo e as empresas encaram maiores adversidades.

Mas, evidentemente, esta é só a minha análise. Sem qualquer bola de cristal, posso estar enganado. Cabe a cada um fazer sua leitura da economia e chegar às próprias conclusões. Além disso, cada um sabe do seu próprio fôlego!

Copyright © Sebastião Buck Tocalino
A bolsa estimula a cidadania!
Artigo original aqui.

O Argumento do Ouro
 

Artigos Relacionados

Scot Consultoria
Boi Gordo: Preços Firmes em São Paulo   Por Scot Consultoria - 18.01.2022

Por Jéssica Olivier e Raphael Poiani Na comparação com o último fechamento (14/1), os preços ficaram estáveis em São Paulo, apregoados em R$337,00/@ de boi gordo, R$308,00/@ de...

O Argumento do Ouro

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
Comentários (11)
Francisco Tavares
Francisco Tavares 18.04.2021 8:05
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Parabéns pelo excelente artigo principalmente do grafico relacionado com a inflação, afinal o ouro e metais ainda têm muito espaço para subir, Parabéns
Frederico Pereira
Frederico Pereira 23.08.2020 17:33
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Bom artigo, continue postando suas análises de tempos em tempos! Obrigado!
Cícero RP
Cícero RP 19.08.2020 16:49
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Olá Sebastião, parabéns pelo estudo de longo prazo do ouro! e poderia citar também esse fundo de prata? grato.
Frederico Pereira
Frederico Pereira 19.08.2020 16:49
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
O fundo recém lançado de prata é na Vitreo. Que eu saiba é o único no Brasil. Mas se tiver conta em corretora dos EUA pode comprar ETFs de ouro e prata lá.
marcelo boskovitz
marcelo boskovitz 19.08.2020 9:38
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Foi um brilhante mergulho nas bases dos valores mostrando claramente a funcao do ouro como seguro em tempos de crise.....o ouro nao cresce ,nao oferece dividendos mas no momento do panico da submersao dos fundamantos das rendas o Ouro sera o minuto de paz e reflexao para comseguir emergir e respirar no limite da agua ou seja ficar vivo e no zero a zero sem perdas !Cada dia mais o tal Buffet mostra que o inportante é tentar nao perder e sobreviver!Parabens pelo folego!
Cl Zbn
Cl Zbn 18.08.2020 22:53
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
O artigo é um retrato perfeito da economia mundial. Aparentemente está faltando uma perna de alta aí no ouro. E das grandes! Parabéns pela análise tão lúcida! 🤝🤜🤛
Dimitri Luna
Dimitri Luna 18.08.2020 22:44
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
tenho 10% dos investimentos em ouro. ta pouco? o que vcs acham?
Ricardo Toledo Coelho
Ricardo Toledo Coelho 18.08.2020 22:44
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
eu acho uma boa porcentagem, desde que seja ouro dolarizado / sem hedge cambial.
Renato Assis
Renato Assis 18.08.2020 21:18
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Belo artigo. Infelizmente será uma triste realidade.
Douglas Almeida
Douglas Almeida 18.08.2020 21:17
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
parabéns pela analise
Remela Gadoso
Remela Gadoso 18.08.2020 21:11
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Com o dinamismo da ousadia e até irresponsabilidade da atualidade as teorias se tornaram apostas
Matheus Versiani
Matheus Versiani 18.08.2020 20:37
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
É assim que venho pensando ha um bom tempo...
William Falcão
William Falcão 18.08.2020 19:57
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Interessante a análise.
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Declaração de Riscos: ATENÇÃO: Quaisquer opiniões expressas pelo autor são naturalmente subjetivas e sujeitas a polêmica. Esta não é uma recomendação de investimento! Os dados visualizados aqui procedem de outras fontes, a princípio fidedignas, de boa reputação e acessíveis ao mercado. De Olho Na Bolsa não faz indicações de compra ou venda, ou de negócios de qualquer espécie, e não está autorizada a atuar como consultoria de valores mobiliários. Não nos responsabilizamos por decisões tomadas com base nas informações aqui reunidas. INVESTIMENTOS EM AÇÕES ENVOLVEM RISCOS! Para sua maior segurança, procure sua corretora. Ela poderá ajudá-lo a avaliar riscos e oportunidades em negócios com valores mobiliários.
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail