Últimas Notícias
0
Versão sem anúncios. Atualize sua experiência no Investing.com. Economize até 40% Mais detalhes

Política Monetária: O Pássaro Equilibrista

Por Felipe MirandaResumo do Mercado05.08.2022 15:33
br.investing.com/analysis/politica-monetaria-o-passaro-equilibrista-200451217
Política Monetária: O Pássaro Equilibrista
Por Felipe Miranda   |  05.08.2022 15:33
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 

Já reparou como quando queremos encontrar o ponto de equilíbrio em algum objeto, colocamos o dedo sob sua superfície?

Gastamos alguns segundos tentando encontrá-lo até que possamos mantê-lo nos eixos, seja ele um lápis, um caderno ou uma bola de basquete.

Se você nasceu nos anos 90, talvez conheça o exemplo perfeito dessa prática, o pássaro equilibrista – brinquedo normalmente feito de vidro e que se equilibra em um único ponto a partir, somente, das leis da física.

Pecando pelo excesso (do que pela falta) de detalhes, deixo uma ilustração:

Fonte: Pinterest (NYSE:PINS)

Lembro-me de ficar surpreso na primeira vez que vi a “mágica”.

Nada mais é, entretanto, do que o equilíbrio das forças resultantes do pássaro que levam o centro de gravidade para o seu bico, mantendo-o perfeitamente apoiado.

Aliás, o mesmo processo pode ser feito com dois garfos, um palito de dente e um copo de vidro, quando ajustados na devida configuração.

No pós-pandemia, a inflação alta tem sido objeto de atenção por algumas das principais economias do mundo, que também buscam a “mágica” do equilíbrio e tentam encontrar o ponto ótimo no ajuste das taxas de juros para que possam controlá-la, sem prejudicar o emprego e o crescimento do país.

Na semana passada, a principal autoridade monetária mundial, o Fed (Banco Central americano) deu continuidade ao movimento de alta de juros que acontece desde março deste ano.

O aumento de 75 pontos-base em sua taxa básica de juros (Fed Fund rate), agora em uma faixa entre 2,25% e 2,50%, busca trazer para baixo a inflação da maior economia do mundo, que está em 9,1%, segundo os dados divulgados em junho.

No “economês”, fala-se que o Fed está adotando uma postura mais “hawkish”, termo relacionado, em português, ao falcão – por lá, eles também adoram seus pássaros. Ou seja, a autoridade monetária está comprometida com o seu mandato de controle do índice de preços e deve continuar aumentando os juros por lá.

O inverso dessa posição é uma postura “dovish” (ou pombo, em português), significando que ele estaria menos preocupado com a inflação e mais com um desemprego maior e uma desaceleração da atividade, o que poderia levar a uma queda dos juros e retorno dos estímulos econômicos – movimento feito globalmente durante a crise da Covid-19 e que contribuiu para grande parte da inflação global observada hoje.

No Brasil, o Banco Central já está mais adiantado nessa dinâmica, tendo iniciado seu ciclo de alta de juros na reunião do Copom de março do ano passado, saindo de um patamar de 2% para 13,75% – após a última alta de 50 pontos-base na reunião desta quarta-feira (3).

Entretanto, em um cenário de apreensão global e conflitos internacionais (Rússia e Ucrânia, e, mais recentemente, China, Taiwan e os EUA), além da proximidade das eleições presidenciais por aqui adicionando mais uma fonte de risco, fica a dúvida: será que esse patamar de juros já é suficiente? Já atingimos o tal “ponto de equilíbrio” nos juros?

Afinal, diferentemente dos EUA, a inflação não é uma estranha nossa. O plano real nos salvou do ambiente de hiperinflação entre os anos 80 e 90, entretanto, ela continuou sendo parte de nossas vidas, ainda que de forma mais moderada.

Por aqui, já estamos acostumados a esse balanço.

Apesar de não ser uma posição unânime, muitos gestores de multimercados permanecem com posições tomadas (que ganham com a alta da taxa) em juros americanos, acreditando que o Fed ainda precisa subir mais os juros por lá para atingir seu equilíbrio para o momento.

Para o Brasil, entretanto, apesar de existir um indicativo de estabilidade na taxa para a próxima reunião do Copom em setembro (ou de um último ajuste menor, de 25 pontos-base), há dúvidas sobre quando ela deve começar a cair – muitos acreditam que esse movimento deve começar somente em 2023.

Por aqui, não temos o falcão e o pombo, mas o que acha de seguirmos com o canário e o sabiá?

Um abraço

Política Monetária: O Pássaro Equilibrista
 

Artigos Relacionados

Paulo Ramirez
Bom Dia Trader: Hoje Tem Copom   Por Paulo Ramirez - 03.08.2022

ATIVOS: IBOV, iShares MSCI Brazil ETF (NYSE:EWZ), ADRs de  Petrobras (NYSE:PBR) e Vale (NYSE:VALE), Ásia, Europa, futuros americanos, ouro, brent, minério de ferro, bitcoin Bom...

Política Monetária: O Pássaro Equilibrista

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
Comentários (5)
Cleso Silva Santos
Cleso Silva Santos 08.08.2022 6:16
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Dom Luiz
Dom Luiz 06.08.2022 9:17
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
SOMENTE EM 2023, CONCORDO.
osmar biason
osmar biason 06.08.2022 8:25
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Que enchida de linguiça para falar do básico.
Edson Magalhães
Edson Magalhães 05.08.2022 19:57
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
O título deveria ser...."COMO ESCREVER UMA CARALHADA DE COISA E NÃO PASSAR NENHUM CONTEÚDO " by Empiricus
Alexandre Crispim
Alexandre Crispim 05.08.2022 17:12
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Arnaldo kk
Arnaldo kk 05.08.2022 17:12
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail