Últimas Notícias
Investing Pro 0
Últimas horas: acesse dados premium com Garanta 60% DE DESCONTO

Renda Fixa: Semana positiva para o mercado de juros domésticos

Por Luís LisboaRenda Fixa20.11.2023 10:00
br.investing.com/analysis/renda-fixa-semana-positiva-para-o-mercado-de-juros-domesticos-200460925
Renda Fixa: Semana positiva para o mercado de juros domésticos
Por Luís Lisboa   |  20.11.2023 10:00
Salvo. Ver Itens salvos.
Esse artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 
 
USD/BRL
+0,42%
Adicionar/Remover de uma Carteira
Adicionar aos favoritos
Adicionar posição

Posição adicionada com êxito a:

Dê um nome à sua carteira de investimento
 
LCO
+2,16%
Adicionar/Remover de uma Carteira
Adicionar aos favoritos
Adicionar posição

Posição adicionada com êxito a:

Dê um nome à sua carteira de investimento
 
CL
+2,77%
Adicionar/Remover de uma Carteira
Adicionar aos favoritos
Adicionar posição

Posição adicionada com êxito a:

Dê um nome à sua carteira de investimento
 

A semana terminou de forma positiva para o mercado de juros domésticos, com as taxas devolvendo prêmios ao longo de toda a curva, apoiada na manutenção da meta de déficit zero no Brasil e apostas no fim do ciclo de aperto monetário nos EUA. A inclinação da curva medida pelo spread entre os DIs jan/25 e jan/29 fechou em 24 pontos-base, ante 20 pontos na sexta-feira anterior (10).

Os principais vetores que influenciaram o fechamento da curva de juros foram:

  • a expectativa de fim do aperto monetário nos EUA, endossada pelos dados fracos do mercado de trabalho e de inflação, tanto ao consumidor quanto no atacado, abaixo do previsto, 

  • o número de pedidos de auxílio-desemprego nos EUA subindo 13 mil na semana encerrada em 11 de novembro, a 231 mil, acima da projeção de 220 mil solicitações, tirando a pressão para mais aumentos de juros pelo Fed, 

  • o índice de preços ao consumidor (CPI) dos EUA estável em outubro na comparação com setembro, ante consenso de 0,1%, e o núcleo com alta de 0,2%, ante mediana de 0,3%, reforçando a percepção de que o Fed não deve elevar mais os juros e pode até antecipar o corte em 2024. Em 12 meses, o CPI subiu 3,2%, desacelerando ante o aumento de 3,7% de setembro, enquanto o núcleo arrefeceu a 4% no mês passado, de 4,1% em setembro. O yield da T-Note de dez anos fechou em 4,44%, ante 4,64% na sexta-feira anterior (10), 

  • a inesperada deflação dos preços do atacado nos EUA em outubro. O índice de preços ao produtor (PPI) teve queda de 0,5% em outubro ante setembro. Analistas previam avanço de 0,1% no indicador. O núcleo do PPI, que exclui os itens voláteis de alimentos, energia e comércio exterior, aumentou 0,1% na comparação mensal de outubro, inferior ao consenso, que indicava alta de 0,2%,

  • a aprovação do orçamento temporário no Congresso dos EUA, impedindo a paralisação da máquina pública ou shutdown,

  • no cenário fiscal doméstico, a decisão do governo de não propor alteração na meta de déficit primário zero em 2024 no texto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), 

  • a queda de 0,3% em setembro ante agosto, perto do piso das estimativas (-0,4%) no volume de serviços prestados no País, que deve gerar menor pressão inflacionária, contribuindo para a curva a termo novamente precificar a Selic em um dígito no fim do ciclo de cortes,

  • a queda inesperada de 0,06% do IBC-Br em setembro ante agosto. A mediana das projeções indicava alta de 0,2%. Apesar da queda, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse que o dado não muda as expectativas da autoridade monetária para o crescimento da economia em 2023 e 2024, sinalizando que o BC não pretende acelerar o ritmo de cortes da Selic, atualmente em 50 pontos-base,

  • as expectativas de que a guerra do Oriente Médio não seja tão duradoura quanto o esperado no início do conflito,

  • e a queda nos preços do petróleo, pressionada pelos receios de desaceleração da demanda global. O barril do Brent, que serve de parâmetro para os preços internos, fechou em US$ 80,61, ante US$ 81,43 na sexta-feira anterior (10), reforçando a possibilidade de novo ajuste em baixa nos preços dos combustíveis no curto prazo, o que representaria alívio adicional ao cenário inflacionário.

Fizeram o contraponto ao fechamento da curva de juros:

  • a revisão da Moody's da perspectiva do rating AAA dos EUA de estável para negativa. O sinal de alerta da agência de classificação de risco, a única das três grandes que ainda atribui nota AAA ao país, reforça a preocupação com o cenário fiscal dos EUA. 

Fatores que foram considerados de menor potencial para influenciar o movimento da curva de juros:

  • o Índice Geral de Preços - 10 (IGP-10) subindo 0,52% em novembro, repetindo a alta de 0,52% de outubro e em linha com a mediana das estimativas,

  • e as vendas no varejo dos EUA caíram 0,1% em outubro ante setembro, abaixo da expectativa do mercado, que previa queda de 0,3% no período. Foi a primeira queda desde março. Na comparação anual de outubro, as vendas no varejo cresceram 2,5%.

No Relatório de Mercado Focus (20), a projeção para a inflação oficial em 2023 passou de 4,59% para 4,55%. Um mês antes, a mediana era de 4,65%. Para 2024, foco principal da política monetária, a projeção oscilou de 3,92% para 3,91%. Há um mês, a mediana era de 3,87%, dentro do intervalo de tolerância superior, que vai até 4,50%, mas acima do alvo central de 3,0%.

A conferir:

No Brasil

a possível votação do relatório final que trata da Lei das Diretrizes Orçamentárias (LDO) na Comissão Mista de Orçamento, 

Nos EUA

a ata da última reunião do Fed, que manteve a taxa de juros no país no intervalo de 5,25% a 5,50%, na terça-feira (21),

No Mundo

os desdobramentos da guerra no Oriente Médio.

O dólar no mercado à vista encerrou a sessão da sexta-feira (17) cotado a R$ 4,9059, terminando a semana com leve baixa (-0,17%), acumulando desvalorização de 2,69% em novembro. 

Os principais fatores que influenciaram o preço da moeda americana foram:

  • a percepção de que, em função dos números mais recentes de inflação, tanto o índice ao consumidor como no atacado desaceleraram em outubro, vindo abaixo do esperado, o ciclo de aperto monetário nos EUA já se encerrou. Parte do mercado já começa a especular com a possibilidade de o Fed iniciar um processo de corte da taxa básica ainda no primeiro semestre de 2024,

  • a antecipação de compra por importadores e de remessas ao exterior por bancos e empresas, dado que na segunda-feira (20) será feriado estadual em São Paulo pelo do Dia da Consciência Negra e aproveitando que a taxa tinha vindo abaixo de R$ 4,90. Embora o mercado de câmbio funcione normalmente, a expectativa é que a liquidez seja muito reduzida, 

  • o resultado fraco do Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) em setembro, recuando 0,6% em relação a agosto, contrariando o consenso do mercado, de alta de 0,20%,

e o fraco desempenho do volume de serviços, que recuou 0,3% na margem no mês, enquanto a mediana da pesquisa sugeria crescimento de 0,4%.

Agenda de eventos e indicadores econômicos

Segunda-feira (20): 

  • Brasil - BC: Boletim Focus, Secex: Balança comercial semanal, 

  • Alemanha - Destatis: PPI de outubro,

Terça-feira (21): 

  • Brasil - CNI: Sondagem Industrial de outubro,  

  • EUA - Fed Chicago: Índice de Atividade Nacional de outubro, NAR: vendas de moradias usadas em outubro, Fed divulga ata da última reunião de política monetária,

Quarta-feira (22): 

  • Brasil - IBGE: PNAD Contínua do 3º tri, 

  • EUA - Deptº do Comércio: Encomendas de bens duráveis em outubro, Deptº do Trabalho: pedidos de auxílio-desemprego na semana até 18 de novembro, Univ. Michigan: Índice de Sentimento do Consumidor em novembro (final), Expectativas de inflação em 1 e 5 anos de novembro (final), Baker Hughes: poços de petróleo em operação na semana até 24 de novembro, DoE: estoques de petróleo, de gasolina, de destilados e taxa de utilização das refinarias na semana até 17 de novembro,  

  • Zona do euro - Comissão Europeia: índice de confiança do consumidor em novembro (preliminar), 

Quinta-feira (23): 

  • Brasil - CNI: Sondagem da Indústria da Construção em outubro, FGV: IPC-S semanal,

  • EUA - Feriado de Ação de Graças deixa mercados financeiros fechados, 

  • Zona do euro - S&P Global/HCOB: PMI composto, industrial e de serviços de novembro (preliminar), 

  • Alemanha -  S&P Global/HCOB: PMI composto, industrial e de serviços de novembro (preliminar), BCE divulga ata referente à mais recente reunião de política monetária, 

  • Reino Unido - S&P Global /CIPs: PMI composto, industrial e de serviços de novembro (preliminar), 

Sexta-feira (24): 

  • Brasil - FGV: Sondagem do consumidor de novembro,   

  • EUA - S&P Global: PMI composto, industrial e de serviços de novembro (preliminar), Bolsas de NY e Mercado de Treasuries fecham mais cedo por conta do feriado de Ação de Graças, 

  • Alemanha - Destatis: PIB (final) do 3º tri, Ifo: índice de sentimento das empresas em novembro,  

Fonte: Broadcast 

Renda Fixa: Semana positiva para o mercado de juros domésticos
 

Artigos Relacionados

ING Economic and Financial Analysis
Juros nos EUA: barreira dos 4,5% foi rompida Por ING Economic and Financial Analysis - 09.11.2023

Por Padhraic Garvey O leilão do título de 10 anos dos EUA mostrou um spread maior do que o previsto, mas isso não parece preocupar os investidores otimistas...

Renda Fixa: Semana positiva para o mercado de juros domésticos

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir esse gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por esse motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
 
Tem certeza que deseja excluir esse gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar esse comentário

Diga-nos o que achou desse comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail