Últimas Notícias
0
Versão sem anúncios. Atualize sua experiência no Investing.com. Economize até 40% Mais detalhes

Se Quiser Ir Longe, Vá Acompanhado: Vale a Pena Investir em ETF de Supply Chain?

Por Leonardo MarquesResumo do Mercado04.06.2021 12:18
br.investing.com/analysis/se-quiserir-longevaacompanhado-vale-a-pena-investir-em-etf-de-supply-chain-200442391
Se Quiser Ir Longe, Vá Acompanhado: Vale a Pena Investir em ETF de Supply Chain?
Por Leonardo Marques   |  04.06.2021 12:18
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 

Você já se perguntou qual seria o retorno e o risco de uma carteira que refletisse um supply chain (cadeia de suprimentos) ao invés de empresas ou setores? Esta foi a pergunta que me fiz e apresento o racional e os resultados neste artigo.

Até a Segunda Guerra Mundial, a Toyota (NYSE:TM) (SA:TMCO34) era uma fabricante de automóveis sem nenhuma expressão, enquanto as três gigantes americanas GM (NYSE:GM) (SA:GMCO34), Ford (NYSE:F) (SA:FDMO34) e Chrysler disputavam a primeira colocação, e as montadoras europeias também já tinham grande porte e completavam o Top 10 do setor.

Em 1970, a Toyota atingiu a sexta posição; em 2005, a segunda posição; e em 2007, se tornou a maior (e melhor) montadora do mundo. Como uma montadora saiu do nada e chegou ao Top 1? A resposta sempre esteve no seu supply chain.

Como mostra uma série de estudos do Professor Jeffrey Dyer, a Toyota conseguiu implementar um modelo de colaboração vencedor com seus fornecedores. Durante o período de 1970 a 1990, por exemplo, enquanto a Toyota melhorou sua produtividade em 8 vezes, as três grandes americanas aumentaram sua produtividade em apenas 2,5 vezes.

Como ela conseguiu isso? Levando seus fornecedores junto com ela. No mesmo período de 1970 a 1990, enquanto os fornecedores das montadoras americanas ficaram estagnados na produtividade (isso mesmo: aumento de zero por cento em 20 anos), os fornecedores da Toyota aumentaram sua produtividade em 6 vezes! Este é um dos melhores exemplos do clássico ‘ganha-ganha’ que tanto se fala.

Mas porque isto importa para o investidor? De lá para cá, diversos setores da economia implementaram modelos de colaboração no supply chain. Uns se esforçaram mais que outros, uns foram mais bem sucedidos que outros.

O Professor Gary Gereffi mapeou diversos setores da economia globalmente, e classificou-os em termos de governança, grau de colaboração e equilíbrio de poder entre compradores e fornecedores. Esses estudos mostram que o setor automotivo avançou muito, com empresas investindo em práticas similares ao modelo Toyota.

Enquanto outros, como o setor de vestuário, seguem muito pulverizados, com alto grau de terceirização (e quarteirização), baixa adoção de tecnologia e baixo grau de colaboração. Em um estudo recém-publicado feito por mim e colegas do Coppead, comparamos empresas brasileiras de diferentes setores a partir da classificação de governança e mostramos que, enquanto desequilíbrio de poder pode melhorar a performance de compradores ou fornecedores isoladamente, o equilíbrio de poder melhora o desempenho financeiro da dupla fornecedor-comprador (ou seja, o supply chain), medido pelo ciclo cash-to-cash (C2C) do negócio. Em outras palavras, mostramos que com equilíbrio de poder, o supply chain como um todo fica mais saudável financeiramente. E possivelmente mais resiliente em uma visão de longo prazo.

No meu texto do mês passado aqui no Investing.com, chamei atenção para a necessidade da governança - ‘G’ do termo ‘ESG’ (Environmental, Social and Governance) - ser estendida para o ‘supply chain’, dando origem ao termo ESEG, ou seja, Environmental, Social and Extended Governance. Este mês resolvi transportar a lógica do artigo recém-publicado para a perspectiva do investidor e perguntar: A governança estendida é boa para quem investe na empresa? Empresas com melhor colaboração no supply chain se refletem em maior retorno e menor risco ao acionista?

Para responder a esta pergunta, eu e Rodrigo Freire Lins, Mestre pelo Coppead, selecionamos dois setores da bolsa brasileira: Automotivo e Vestuário, para representar respectivamente alta colaboração e baixa colaboração no supply chain, conforme exposto anteriormente. Focamos em retorno e risco da ação no lugar de performance financeira, e recortamos dois períodos: um período de crise (2015-2016) e um período de valorização (2017-2019) das ações nos dois setores. Os números repetem a conclusão do artigo científico, agora na visão do investidor, conforme mostra a Tabela abaixo.

Risco e Retorno em Supply Chain de ações brasileiras
Risco e Retorno em Supply Chain de ações brasileiras

Notem que no Período de Crise (2015-2016), o setor Automotivo perdeu menos, e teve menor volatilidade que o setor de Vestuário em qualquer recorte. Ou seja, um supply chain colaborativo se mostrou mais resiliente na crise, menos afetado por risco sistêmico, e uma melhor escolha risco-retorno para o investidor. Já na análise interna do setor Automotivo, a carteira do supply chain apresentou volatilidade e desvalorização bem próxima das carteiras com fornecedores e compradores isoladamente, um certo empate técnico entre as três opções.

Já quando olhamos o Período de Valorização (2017-2019), o setor Automotivo bateu o setor de Vestuário em quase todos os cenários, tanto em retorno, quanto em risco (exceto na carteira de compradores que teve retorno pior, mas menor risco). Assim como no período de crise, no período de valorização, um supply chain colaborativo também se mostrou uma melhor escolha risco-retorno para o investidor, e a carteira do supply chain ainda trouxe a menor volatilidade geral no período.

Esta análise foi um estudo preliminar, limitado a dois setores, que refletiu resultados já mostrados na performance das empresas, agora refletido na carteira de investidores. Finalizo o artigo com perguntas a vocês, caros leitores e leitoras: como será que os diversos setores da economia se comportam quando analisamos retorno e risco sob essa perspectiva do supply chain? Você teria interesse em ver esses números? Você investiria em uma carteira (quem sabe um ETF) focada em supply chains colaborativos?

 

* Dr. Leonardo Marques é PhD pela University of Manchester, Professor do COPPEAD-UFRJ e Coordenador da Rede Transparência & Sustentabilidade em Negócios apoiado pela FAPERJ. Foi Professor visitante da Audencia Business School (2018-2020) e da Politecnica de Milano (2021). É Vice-Presidente do IPSERA International Purchasing and Supply Education and Research Association. Sua pesquisa foca em ESG, transparência e sustentabilidade no supply chain. Pode ser contactado em: https://www.linkedin.com/in/leonardo-marques-38230217/

Se Quiser Ir Longe, Vá Acompanhado: Vale a Pena Investir em ETF de Supply Chain?
 

Artigos Relacionados

Se Quiser Ir Longe, Vá Acompanhado: Vale a Pena Investir em ETF de Supply Chain?

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
Comentários (9)
Jader Alberto do Nascimento
Jader Alberto do Nascimento 05.06.2021 20:01
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Muito bom o artigo, o supply Chain do setor automotivo é um dos mais robustos, a questão que se coloca é a margem líquida que é muito desafiadora para um setor muito sensível a crises econômicas.
Leonardo Marques
LeonardoMarques 05.06.2021 20:01
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Importante reflexão, Jader. Os dois setores foram dois exemplos que tenho mais dados. Mas a provocação a partir do seu comentário seria buscarmos outros setores com colaboração igualmente avançada, porém com margens mais atrativas
EDUARDO MEDEIROS
EDUARDO MEDEIROS 05.06.2021 18:07
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Muito bomFaltou falar qual(is) ETFs de supply chain ele indica…
Róger Rodrigues
Róger Rodrigues 05.06.2021 18:07
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
kkk verdade
Leonardo Marques
LeonardoMarques 05.06.2021 18:07
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Obrigado pelo leitura e pelo comentário, Eduardo. No Brasil certamente não existe. Meu artigo é uma provocação aos gestores de investimentos para pensarem em produtos deste tipo.
Antonio J T Bueno
Antonio J T Bueno 05.06.2021 17:05
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Alguém pode me indicar um ETF de supply chain?
Leonardo Marques
LeonardoMarques 05.06.2021 17:05
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Obrigado pelo leitura e pelo pedido, Antonio. No Brasil certamente não existe. Meu artigo é uma provocação aos gestores de investimentos para pensarem em produtos deste tipo.
Marcus Paegle
Marcus Paegle 05.06.2021 17:03
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
salvador bambino
salvador bambino 05.06.2021 16:54
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
O exemplo é bem convincente. conheço bem os dois setores e o estudo me comprovam isso. sim.
Leonardo Marques
LeonardoMarques 05.06.2021 16:54
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Obrigado pela leitura e pelo comentário Salvador. Interessante sua experiência comprovar os mesmos resultados. Experiência empirica é algo fundamental!
Ronald Sidi
Ronald Sidi 05.06.2021 16:48
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Luiz Ferreira Santos
Luiz Ferreira Santos 05.06.2021 16:42
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Eu investiria
Leonardo Marques
LeonardoMarques 05.06.2021 16:42
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Que interessante, Luiz! Quem sabe temos um nich de mercado para explorar
Lucas de Castro
Lucas de Castro 05.06.2021 16:40
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
boa ideia!
Leonardo Marques
LeonardoMarques 05.06.2021 16:40
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Obrigado, Lucas. Fico feliz que o tema seja bem recebido
Carlos Heitor Campani
Carlos Heitor Campani 05.06.2021 10:08
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Parabéns pela análise e pelo texto. Excelente.
Leonardo Marques
LeonardoMarques 05.06.2021 10:08
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Obrigado, CH! Buscando a ponte entre investimentos, ESG e suply chain
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Declaração de Riscos: Fusion Media would like to remind you that the data contained in this website is not necessarily real-time nor accurate. All CFDs (stocks, indexes, futures) and Forex prices are not provided by exchanges but rather by market makers, and so prices may not be accurate and may differ from the actual market price, meaning prices are indicative and not appropriate for trading purposes. Therefore Fusion Media doesn`t bear any responsibility for any trading losses you might incur as a result of using this data.

Fusion Media or anyone involved with Fusion Media will not accept any liability for loss or damage as a result of reliance on the information including data, quotes, charts and buy/sell signals contained within this website. Please be fully informed regarding the risks and costs associated with trading the financial markets, it is one of the riskiest investment forms possible.
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail