Garanta 40% de desconto
🚨 Os mercados estão em baixa. Descubra ações subvalorizadasDescubra ações agora mesmo

Setor bancário apanha, mas não deixa de ser boa opção para investimentos

Publicado 28.03.2023, 16:57
Atualizado 06.10.2023, 17:28

O ano não tem sido muito bom para o Ibovespa, que apresenta queda de -9,27% no período que vai do primeiro dia útil de janeiro até 24 de março. O que estaria acontecendo? Bem, o fato é que o índice da nossa Bolsa tem uma fatia muito grande de bancos em sua composição. Portanto, se o setor como um todo apresenta queda, é natural que o Ibov também sofra, a não ser que as demais empresas do índice tenham um desempenho espetacular para fazerem um contrapeso. E as instituições financeiras também estão vivendo dias ruins, empurrando o Ibovespa para baixo.

Claro que não é o único motivo, mas explica quase tudo. Para efeito de comparação com o Ibovespa, em igual período, o Bradesco (BVMF:BBDC4) acumula perda de 11,95%, o Itaú Unibanco (BVMF:ITUB4) (ITUB3 (BVMF:ITUB3)) está negativo em 7,16% e o Santander (BVMF:SANB3) registra recuo de -5,92%. O mais resiliente é o Banco do Brasil (BVMF:BBAS3), que está positivo em 11,07%. Mesmo assim, apenas no mês de março a instituição sofreu perdas de 5,93%.

O que move o mercado é a sensação que os players têm do andar da economia. E ainda há uma expectativa de que uma nova recessão está para estourar.  Na penúltima semana de março – entre os dias 20 e 24 – o setor bancário apanhou de tudo quanto é lado. Vínhamos de um problema com o Silicon Valley Bank (SVB), dos Estados Unidos. Então veio a notícia sobre o Credit Suisse (SIX:CSGN) e, na sequência, o Deutsche Bank (ETR:DBKGn).

Anúncio de terceiros. Não é uma oferta ou recomendação do Investing.com. Leia as nossas diretrizes aqui ou remova os anúncios .

Não são banquinhos, são instituições de primeiríssima linha que vem sofrendo. No caso do banco suíço, seu principal investidor, o Saudi National Bank (SNB), recusou-se a aportar mais recursos e as consequências para o mercado global só não foram mais contundentes porque o principal concorrente, o UBS, adquiriu a instituição salvando o valioso dinheiro de correntistas e investidores no mundo todo.

Há uma ideia, que não está tão errada, mas também que não pode ser levada ao pé da letra, de que nossos bancos são mais resilientes do que os estrangeiros e, por esta razão, não vão sofrer essa grande crise. Concordo que as instituições daqui estão mais protegidas tanto pela forma que atuam quanto pela nossa normatização, que aumenta o nível de segurança. Mas tudo tem seu limite e, dependendo da tempestade as ondas podem sim afetar a “navegabilidade de nossas embarcações”.

O mercado brasileiro depende muito do capital estrangeiro. Qualquer mexidinha que acontece no mercado internacional, a gente sabe que respinga aqui. Não por conta dos fundamentos dos nossos bancos e sim por conta de a gente ser muito dependente do investidor estrangeiro. Então, quando ocorre o enxugamento de liquidez no mundo, o investidor externo acaba tirando dinheiro do nosso mercado. E isso não prejudica somente os bancos. Acaba derrubando papéis de outras empresas como Petrobras (BVMF:PETR4) e Vale (BVMF:VALE3), que não têm nada a ver com a história.

Na sexta-feira, dia 24 de março e na segunda (27) a Bolsa brasileira até teve um repique de alta com a valorização pontual dos papéis de bancos e de outras empresas que também influenciaram positivamente o Ibovespa. Mas são repiques e é preciso ter atenção. Considerando os últimos cinco meses, os bancos tiveram queda de mais de 20%, então não se pode achar que uma ou outra subidinha de 1%, 2% signifiquem tendência de alta para os próximos dias ou meses. E como o investidor deve se comportar em um cenário como este?

Anúncio de terceiros. Não é uma oferta ou recomendação do Investing.com. Leia as nossas diretrizes aqui ou remova os anúncios .

Pensando no longo prazo, tanto o investidor que está posicionado quanto o que vai começar a tomar risco a partir de agora, tem de ter em mente de que o setor bancário é muito resiliente aqui no Brasil. Como eu já disse, pode sim sofrer com as turbulências externas, mas os fundamentos sólidos dos bancos dão a eles força suficiente para passar pela tempestade. É um excelente segmento.  Só não pode ter realmente aquela visão de curto prazo, porque aí o investidor está sujeito a tudo.

O Ibovespa está na casa dos 99 mil pontos. Acredito que ele possa cair um pouco mais, chegando a uns 95 mil ou 94 mil pontos, patamares que, em minha opinião, já permitirão a montagem de uma carteira de médio ou longo prazo por parte daquele investidor que não está precisando de dinheiro agora.  Com tantas notícias ruins, nossa Bolsa deve demorar um pouco para voltar a subir de forma consistente. E isso ocorrerá não pelo surgimento de boas notícias, mas pela ausência de novas más notícias.

Neste cenário, quem pensa a longo prazo não precisa se preocupar porque o que acontece em uma ou outra semana não importa para aquele que está preparado para esperar cinco anos ou mais para sacar seus recursos. O momento também é bom para se fazer day trade e, reforçando o conselho, é uma péssima hora para investimentos de curto prazo.

Últimos comentários

Razoavel com logica sustentavel.
ok...bem explicado...
Muito boa análise: precisa e objetiva!
Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.