Últimas Notícias
0
Versão sem anúncios. Atualize sua experiência no Investing.com. Economize até 40% Mais detalhes

ANÁLISE-Volta do PIB a nível pré-pandemia levará mais de 1 ano e ficará vulnerável a fiscal e mercado de trabalho

Indicadores Econômicos01.09.2020 17:40
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 
© Reuters. .

Por Camila Moreira e José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - A economia brasileira já deixou para trás o fundo do poço da crise causada pelo coronavírus, depois de registrar contração recorde no segundo trimestre, mas a recuperação a patamares pré-pandemia ainda vai demorar mais de um ano e permanecerá suscetível ao estado deprimido do mercado de trabalho e aos riscos associados à questão fiscal, de acordo com especialistas consultados pela Reuters.

Após retração histórica do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro de 9,7% no segundo trimestre sobre os três meses anteriores, a atividade retornou aos níveis vistos em 2009, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta terça-feira. [L1N2FY0SN]

Embora sinais de retomada já sejam evidentes, principalmente na indústria e no varejo, esses ganhos vêm na esteira de medidas de estímulo, que têm duração limitada.

"Esses impulsos de curto prazo são importantes, mas essencial é o médio prazo, cinco a dez anos. O ponto central é, quando tirar todas essas ajudas, qual será a posição da economia e qual será a taxa de crescimento de médio prazo?", afirmou Flávio Serrano, economista-chefe do banco Haitong.

"Existe sim esse trabalho de recuperação de curto prazo com sustentação da renda, mas quanto ficará comprometido para as gerações futuras?", completou.

Nesta terça-feira, o governo anunciou a extensão do auxílio emergencial pago a vulneráveis, confirmando que o valor a ser pago até o final do ano ficará em 300 reais mensais. O combate ao coronavírus também teve aumento do crédito, programa de proteção ao emprego e flexibilização monetária.

Entretanto, a saúde fiscal do Brasil assombra tanto o governo quanto os mercados financeiros, pressionando o real (BRBY) recentemente e levantando questões sobre um furo do teto de gastos.

A própria Secretaria de Política Econômica (SPE) do Ministério da Economia destacou nesta terça-feira que é preciso continuar com a agenda de reformas e de consolidação fiscal para que a retomada econômica seja "consistente".

Os dados do PIB mostraram que houve perdas acentuadas em segmentos que são grandes empregadores, como indústria, comércio e transportes, o que levanta cautela quanto à qualidade e velocidade da retomada do emprego.

"A questão do emprego será determinante para a qualidade de recuperação da economia. O governo está preocupado e até estendendo os incentivos, mas o empresário ainda ficará receoso de fazer investimentos para expansão, que é onde teria recuperação mais rápida das contratações", disse o economista-chefe da TCP Partners, Ricardo Jacomassi, destacando que ainda levará um ano para o emprego voltar ao nível de 2019.

SERVIÇOS

O setor de serviços --um grande empregador e o que vem mostrando recuperação mais lenta-- tombou 9,7% no segundo trimestre sobre o primeiro, maior queda da série histórica.

Mayara Santiago, pesquisadora da área de Economia Aplicada do FGV IBRE, prevê que o segmento voltará a crescer na margem no terceiro trimestre, mas ainda com perdas na comparação anual.

"O consumo como víamos não vai voltar de imediato, e há muita incerteza sobre como será esse padrão de comportamento", disse Santiago. "Olhando o peso dos serviços da composição do PIB, acaba que o crescimento da economia, nesse cenário, fica comprometido", acrescentou.

O IBRE prevê contração de 5,4% da economia em 2020 e expansão "em torno de" 2,5% em 2021. Já o governo estima que o PIB vai contrair 4,7% este ano e crescerá 3,2% em 2021.

O Itaú Unibanco tem uma estimativa melhor --de queda de 4,5% neste ano e de crescimento de 3,5% para 2021, o que deve ajudar a levar o PIB no quarto trimestre do ano que vem aos níveis de antes da pandemia.

O economista Luka Barbosa avaliou que a economia tem se recuperado de forma "robusta" e não apenas a reboque do estímulo emergencial, que ele coloca na quarta posição entre os elementos favoráveis ao PIB --depois de juros baixos, recuperação global e queda no isolamento social.

O ponto de alerta, segundo ele, está relacionado sobretudo à política fiscal.

"O risco é manter o auxílio emergencial, não retirá-lo", afirmou. "É preciso uma política fiscal sustentável para o juro continuar baixo. Sem isso, o juro sobe, você tem aperto nas condições financeiras e então um impacto negativo na atividade."

A taxa Selic --que baliza os empréstimos no país-- está na mínima recorde de 2% ao ano, mas os juros de médio e longo prazo têm subido por causa do receio de investidores com as contas públicas, o que encarece o custo de financiamento da população e do setor produtivo.

O Santander Brasil (SA:SANB11) vê chances de a economia retomar patamares do começo deste ano apenas no início de 2022 e afirmou que, depois dos números divulgados nesta terça, seu viés de alta para o PIB "se apagou". O banco estima crescimento entre 6% e 6,5% para o terceiro trimestre e de retração de 6,4% em 2020, antes de expansão de 4,2% em 2021.

"Estamos preocupados com o teto de gastos. Um prejuízo a esse mecanismo vai ter implicações na confiança e nas condições financeiras, afetando todo o processo da retomada", afirmou o superintendente de pesquisas macroeconômicas do Santander Brasil, Maurício Oreng, acreditando que o consenso de mercado --de queda de 5,28% do PIB neste ano-- caminhe para a casa dos 6% de baixa.

ANÁLISE-Volta do PIB a nível pré-pandemia levará mais de 1 ano e ficará vulnerável a fiscal e mercado de trabalho
 

Artigos Relacionados

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Declaração de Riscos: Fusion Media would like to remind you that the data contained in this website is not necessarily real-time nor accurate. All CFDs (stocks, indexes, futures) and Forex prices are not provided by exchanges but rather by market makers, and so prices may not be accurate and may differ from the actual market price, meaning prices are indicative and not appropriate for trading purposes. Therefore Fusion Media doesn`t bear any responsibility for any trading losses you might incur as a result of using this data.

Fusion Media or anyone involved with Fusion Media will not accept any liability for loss or damage as a result of reliance on the information including data, quotes, charts and buy/sell signals contained within this website. Please be fully informed regarding the risks and costs associated with trading the financial markets, it is one of the riskiest investment forms possible.
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail