📖 Guia da Temporada de Balanços: Saiba as melhores ações escolhidas por IA e lucre no pós-balançoLeia mais

Batalha por dinheiro para desenvolvimento esquenta nas reuniões do FMI/Banco Mundial

Publicado 18.04.2024, 09:35
© Reuters. Mulher coleta grãos que caíram de caminhão de carga em Magunje, Zimbábue
20/02/2016. 
REUTERS/Philimon Bulawayo/File Photo
ALVG
-

Por Libby George e Karin Strohecker

LONDRES (Reuters) - As agências de desenvolvimento que se reúnem em Washington nesta semana enfrentam uma de suas batalhas mais difíceis em anos: fazer com que um mundo rico preocupado com guerras no exterior e eleições domésticas destine mais dinheiro aos países mais pobres do mundo.

O desenvolvimento do mundo pobre está retrocedendo a uma taxa histórica em meio a crises de dívida, taxas de juros globais cada vez mais altas e necessidades crescentes de investimento. Ao mesmo tempo, ele precisa de trilhões a mais por ano apenas para cumprir as metas de gastos com o clima.

Na última rodada de reuniões do FMI e do Banco Mundial, em outubro, os líderes globais esperavam que a inflação do mundo rico diminuísse mais rapidamente do que tem acontecido e, portanto, que os cortes nas taxas de juros aliviassem a pressão sobre os custos de financiamento.

Desde então, a ampliação do conflito no Oriente Médio e a guerra em curso na Ucrânia geraram pressões adicionais de financiamento, reduzindo o apetite do mundo rico, já em declínio, para gastar com ajuda ao desenvolvimento.

"A restrição orçamentária em vários países está aumentando", disse Odile Renaud-Basso, presidente do Banco Europeu de Reconstrução e Desenvolvimento, à Reuters em Londres antes das reuniões. "Há mais gastos com defesa e há tensão sobre o apoio à ajuda ao desenvolvimento."

"A situação global está se tornando cada vez mais desafiadora", acrescentou.

Renaud-Basso disse que os credores que estão tentando levantar fundos, como a Associação Internacional para o Desenvolvimento (AID) do Banco Mundial, darão um termômetro do apetite do mundo rico para doar.

O braço de empréstimos do Banco Mundial para os países pobres tem como meta compromissos recordes acima dos 93 bilhões de dólares da última vez, que foram utilizados antecipadamente devido à pandemia da Covid-19 e às consequências da invasão da Ucrânia pela Rússia. A instituição começou a emitir títulos para alavancar seus empréstimos.

"Conseguimos fazer mais com o mesmo nível de contribuições dos doadores", disse o diretor da AID, Dirk Reinermann, à Reuters. "O problema é que essa festa está lentamente chegando ao fim... o ponto zero, onde estamos totalmente alavancados, está cada vez mais próximo."

Em seu último abastecimento, 52 países de renda alta e média contribuíram, liderados pelos Estados Unidos, Japão, Alemanha, Reino Unido e França.

Mas muitos deles estão enfrentando o cansaço dos doadores. A França e o Reino Unido fizeram grandes cortes na ajuda externa nos últimos anos, enquanto nos Estados Unidos as batalhas políticas antes da eleição presidencial paralisaram outros compromissos de gastos externos, inclusive com Israel e Ucrânia.

De acordo com um relatório recente das Nações Unidas, a assistência oficial ao desenvolvimento em nível global atingiu um recorde em 2022, mas a parcela destinada aos países em desenvolvimento caiu 2%.

"Acho que o mundo nunca esteve em tal situação", disse Vera Songwe, presidente do Mecanismo de Liquidez e Sustentabilidade, um grupo que visa reduzir os custos da dívida para a África.

A própria Songwe trabalhou na rodada de reabastecimento da AID durante seu tempo no Banco Mundial e descreveu uma turnê global turbulenta para pressionar os ministros das Finanças, parlamentares e outras autoridades a obterem financiamento.

Nunca é fácil, disse ela. Mas este ano está sendo diferente.

"Mesmo em 2008, a China ainda estava crescendo. Este ano é muito mais difícil."

Trata-se de uma tempestade perfeita para os países pobres. Na década após a crise financeira global, com taxas de juros em mínimas recordes, o dinheiro fluiu livremente e o estoque da dívida pública externa em países de renda baixa e média subiu para 9 trilhões de dólares, de 5,6 trilhões de dólares em 2012.

Durante esse período, a China também abriu suas torneiras, emprestando bilhões por meio da Iniciativa Nova Rota da Seda. Porém, em meio a problemas de dívida latentes no país, ela se retraiu desde então.

Isso reduziu significativamente a disponibilidade de financiamento acessível para os países em desenvolvimento.

"Há pouquíssimas somas de dinheiro com taxas concessionais tão baixas em todo o mundo, especialmente somas provenientes de um credor multilateral que tem certos controles e equilíbrios", disse Giulia Pellegrini, gerente sênior de carteira para dívida de mercados emergentes da Allianz (ETR:ALVG) Global Investors.

A obtenção de dinheiro da AID ou de outro credor multilateral pode estimular os credores privados e os investidores em eurobônus a abrirem suas carteiras, acrescentou ela.

© Reuters. Mulher coleta grãos que caíram de caminhão de carga em Magunje, Zimbábue
20/02/2016. 
REUTERS/Philimon Bulawayo/File Photo

"Ao ver um forte voto de confiança de alguns desses órgãos multilaterais, conceder-lhes financiamento concessional é uma forma de dizer que esses países estão embarcando em uma reforma positiva", disse ela.

Reinermann disse que o apoio da AID pelo próprio Banco Mundial e de outras instituições é forte. Mas isso não facilitaria, segundo ele, a garantia de compromissos.

"As situações fiscais não estão fáceis em lugar nenhum", disse ele. "Neste momento, parece uma verdadeira montanha a ser escalada."

Últimos comentários

Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.