Libere dados premium: até 50% de desconto InvestingProGARANTA JÁ SUA OFERTA

Dólar cai a R$5,1533 com alta de commodities em pregão sem EUA; mercado aguarda reuniões de BCs

Publicado 05.09.2022, 17:09
Atualizado 05.09.2022, 17:20
© Reuters. Notas de cem dólares 
REUTERS/Arquivo
BNPP
-
SOGN
-
USD/BRL
-
CL
-
BVSP
-
B3SA3
-
DCIOU4
-
WDOc1
-

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou em queda frente ao real pelo segundo pregão consecutivo nesta segunda-feira, refletindo alta no preço de commodities importantes e alguma trégua no mercado de câmbio internacional, em dia de liquidez reduzida por feriado nos Estados Unidos.

A moeda norte-americana à vista recuou 0,64%, a 5,1533 reais na venda, menor patamar para encerramento desde terça-feira da semana passada (5,1120 reais). As perdas desta sessão se seguiram a uma baixa de 0,99% no fechamento da última sexta, a 5,1867 reais.

Na B3 (BVMF:B3SA3), às 17:08 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento caía 0,29%, a 5,1895 reais.

O dia teve volumes reduzidos e noticiário menos intenso devido ao feriado do Dia do Trabalho nos EUA, que manteve os mercados de títulos e ações do país --referências internacionais para investimentos-- fechados nesta segunda-feira.

Em meio à falta de grandes catalisadores, um índice que mede o comportamento do dólar contra uma cesta de moedas fortes caía 0,2% nesta tarde, mantendo-se abaixo de picos em 20 anos atingidos na semana passada.

A sessão também contou com avanço nos preços de várias commodities importantes, como petróleo e minério de ferro, o que colaborou tanto para a valorização do real no dia quanto para o salto do Ibovespa, principal índice da bolsa de valores brasileira, que fechou acima dos 112 mil pontos, comentou um operador.

Apesar do alento no mercado doméstico neste início de semana, preocupações sobre a trajetória futura de aperto monetário dos principais bancos centrais do mundo continuam em foco, antes de reunião do Banco Central Europeu (BCE) na quinta-feira. A instituição provavelmente elevará sua taxa de juros pelo segundo encontro seguido, mesmo diante de riscos crescentes de recessão em meio a uma crise energética.

Nos EUA, o Federal Reserve também deve dar sequência a seu ciclo de aperto monetário em reunião dos dias 20 e 21 de setembro, e a maior parte dos mercados espera um terceiro ajuste consecutivo de 0,75 ponto percentual nos juros.

"O Fed ainda tem bastante chance de ser agressivo (no aperto monetário). Isso tornaria nossa moeda menos atraente em comparação com o dólar em termos de carrego", disse à Reuters Michelle Hwang, estrategista de câmbio e juros do BNP Paribas (EPA:BNPP).

Seu comentário faz referência a estratégias de "carry trade", que buscam lucrar com a tomada de empréstimo num país de juro baixo e aplicação desses recursos num mercado com rendimentos mais altos. Num geral, quanto mais sobem as taxas de determinado país, mais interessante em termos de retorno potencial fica sua moeda.

© Reuters. Notas de cem dólares 
REUTERS/Arquivo

Apesar dos desafios representados pelo aperto monetário em andamento nos EUA, "ainda gosto do real", afirmou Hwang, em parte devido ao nível elevado da taxa Selic, atualmente em 13,75%.

Ela acredita que o dólar possa encerrar este ano em torno ou até ligeiramente abaixo da marca psicológica de 5 reais, mas prevê "muita flutuação" da moeda ao longo dos próximos meses, devido à corrida eleitoral doméstica e a temores sobre como ficará a saúde fiscal do Brasil após a escolha do próximo presidente.

O Société Générale (EPA:SOGN), mais pessimista, estima que o dólar fechará este ano em 5,50 reais, disparando ao fim de junho de 2023 a 5,95 reais, impulsionado tanto pelo cenário internacional adverso quanto pelos receios fiscais domésticos acerca do período pós-eleição, disse o banco em relatório.

Últimos comentários

Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.