😎 Promoção de meio de ano - Até 50% de desconto em ações selecionadas por IA no InvestingProGARANTA JÁ SUA OFERTA

Ibovespa cai 0,7%, aos 109,1 mil pontos, mas sobe 1% na semana

Publicado 18.02.2023, 05:00
© Reuters Ibovespa cai 0,7%, aos 109,1 mil pontos, mas sobe 1% na semana
CL
-
SB
-
IBOV
-
BBAS3
-
BBDC4
-
B3SA3
-
CSNA3
-
ELET3
-
PRIO3
-
HYPE3
-
ITUB4
-
MGLU3
-
PETR4
-
SANB11
-
UGPA3
-
VALE3
-
VIVT3
-
WEGE3
-
DCIOU4
-
WDOc1
-
PCAR3
-
SOMA3
-

Acompanhando o sinal negativo do exterior, o Ibovespa aparou os ganhos da semana a 1,02% nesta sexta-feira, 17, ao encerrar a sessão em baixa de 0,70%, a 109.176,92 pontos, vindo de alta nos dois dias anteriores. Com feriado na segunda-feira nos Estados Unidos e retomada dos negócios na B3 (BVMF:B3SA3) apenas na quarta-feira de cinzas, os investidores optaram pela cautela, o que se refletiu também no giro financeiro, muito enfraquecido na sessão (R$ 21,2 bilhões) mesmo com o vencimento de opções sobre ações.

Apesar do recuo nesta última sessão do intervalo, o ganho de 1,02% foi o primeiro para o Ibovespa nas últimas três semanas, após perdas de 0,41% e 3,38% nas anteriores. No mês, o índice cai 3,75% e, no ano, cede 0,51%. Hoje, oscilou em faixa restrita, de pouco menos de mil pontos entre a mínima (108.968,48) e a máxima (109.941,46), correspondente à abertura do dia.

O índice MSCI do Brasil em reais deve cair de 5% a 10% nos próximos dois trimestres antes de começar a melhorar, estima a Capital Economics. O indicador é composto por 48 ações que representam cerca de 85% do peso do Ibovespa. A consultoria alerta que há pouco espaço para melhora consistente dos valuations no País, devido à tendência de redução do apetite global por risco com o enfraquecimento da economia mundial. Ruídos internos também podem prejudicar o cenário, avalia a Capital Economics.

No exterior, a sexta-feira foi de queda forte para as cotações do petróleo, o que segurou as ações de Petrobras (BVMF:PETR4) (ON -1,53%, na mínima do dia no fechamento; PN também -1,53%), enquanto as da Vale (BVMF:VALE3) (ON -1,30%), apesar do avanço de 2% no minério de ferro na China (Dalian), refletiram a retração do lucro da empresa no quarto trimestre. O dia também foi ruim para as ações de siderurgia, com CSN (BVMF:CSNA3) (ON -3,12%) à frente.

As utilities, por outro lado, foram relativamente bem na sessão, mas sem sinal único no fechamento, com destaque para a PNB de Eletrobras (BVMF:ELET3) (+0,80%). Entre os bancos, o sinal também foi misto, com BB (BVMF:BBAS3) (ON +0,99%) e Santander Brasil (BVMF:SANB11) (Unit +0,37%) no campo positivo, e Bradesco (BVMF:BBDC4) (PN -0,57%) e Itaú (BVMF:ITUB4) (PN -0,33%) no lado contrário. Na ponta vencedora do Ibovespa nesta sexta-feira, Telefônica Brasil (BVMF:VIVT3) (+2,69%), Ultrapar (BVMF:UGPA3) (+2,48%), Soma (BVMF:SOMA3)(+2,29%) e WEG (BVMF:WEGE3) (+2,17%), com Pão de Açúcar (BVMF:PCAR3) (-5,07%), Prio (BVMF:PRIO3) (-5,07% também), Hypera (BVMF:HYPE3) (-4,90%) e Magazine Luiza (BVMF:MGLU3) (-3,94%) no canto oposto.

"A semana foi marcada por dados fortes sobre a economia americana, com a inflação e o mercado de trabalho ainda mostrando aquecimento", observa Dennis Esteves, especialista em renda variável da Blue3, destacando também, no período, declarações "hawkish" de autoridades do Federal Reserve, como o presidente do Fed de St. Louis, James Bullard, no sentido de uma orientação ainda restritiva para a política monetária, com novos aumentos de juros para os Estados Unidos.

"Na margem, o dia foi ruim para as ações de commodities, como Petrobras e Vale, mas o câmbio, em baixa, sugere entrada de fluxo, com o dólar futuro mostrando queda acima de 1% durante a sessão. Ainda assim, o Ibovespa não reagiu hoje, em dia um pouco mais confuso nas curvas de juros, com os vértices mais curtos subindo um pouco e os mais longos, 'flat' estabilizados", acrescenta o analista.

Assim, a sessão na B3 foi negativa tanto para ações com exposição à demanda externa como as de commodities, com o índice de materiais básicos em baixa de 1,30%, como para as voltadas à economia doméstica, do índice de consumo (-0,30%).

No Brasil, ontem, em entrevista à CNN, o presidente Lula voltou a fazer referência à meta de inflação, definida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), e também sinalizou que pode discutir a autonomia do Banco Central, caso as ações da autoridade monetária não contribuam para melhorar a economia.

Até a negativa do ministro Fernando Haddad (Fazenda) nesta semana, a poucos dias da reunião, "muito se falava que o CMN (de ontem) pudesse já trazer resposta sobre a meta de inflação, deste como dos próximos anos", observa Davi Lelis, especialista da Valor Investimentos. "É uma discussão muito importante e deve seguir no radar dos investidores. Caso a elevação da meta venha a se confirmar adiante, o ciclo de corte de juros pode ser antecipado, e talvez até de forma mais intensa."

"Na entrevista de ontem à CNN, não dá pra falar em Lula paz e amor, bem longe disso. Mas deu para sentir tom um pouco mais brando nos ataques e críticas ao Banco Central, parte de um movimento (de moderação) que parece ter sido liderado nesta semana pelo Haddad, para acalmar os ânimos. O cachimbo da paz parece estar funcionando por enquanto, assim como o anúncio antecipado do arcabouço fiscal, para março", diz Paulo Gala, economista-chefe do Banco Master.

No front externo, o economista-chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI) para o Hemisfério Ocidental, Andrew Hodge, argumenta que o Federal Reserve (Fed) precisa continuar elevando as taxas de juros este ano para poder "domar" a inflação nos Estados Unidos, sobretudo no setor de serviços, que somente deve cair com a desaceleração do aumento de salários.

Em artigo, Hodge afirma que "as taxas de juros mais altas enfraqueceriam a demanda por trabalhadores e aumentariam modestamente o desemprego", e, a longo prazo, reduziriam os aumentos salariais e, consequentemente, os preços, especialmente no setor de serviços.

Apesar dos desafios domésticos e externos, o mercado financeiro está relativamente otimista quanto ao desempenho das ações no curtíssimo prazo, segundo mostra o Termômetro Broadcast Bolsa desta sexta-feira. Entre os participantes, 50% esperam alta e 50% estabilidade para o Ibovespa na próxima semana, sem nenhuma resposta indicando perda. No Termômetro anterior, 70,0% disseram que a presente semana seria de ganhos; 20,0%, de variação neutra; e 10,0%, queda.

Últimos comentários

Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.