Garanta 40% de desconto
⚠ Alerta de Balanço! Quais ações estão prontas para disparar?
Veja as ações no nosso radar ProPicks. Essas estratégias subiram 19,7% desde o início do ano.
Não perca a lista completa

Fique por dentro das 5 principais notícias do mercado desta segunda-feira

Publicado 19.02.2024, 06:18
Atualizado 19.02.2024, 07:55
© Reuters

Por Scott Kanowsky e Jessica Bahia Melo

Investing.com – Os mercados acionários dos EUA permanecerão fechados nesta segunda-feira, 19, em comemoração ao feriado do Dia do Presidente. Em Wall Street, os investidores aguardam a divulgação de mais resultados trimestrais, inclusive os balanços da Nvidia e do Walmart, bem como a publicação da ata da reunião de janeiro do Federal Reserve (Fed, banco central americano). No Brasil, expectativa para divulgação de indicador de atividade econômica do Banco Central.

Confira: Calendário Econômico do Investing.com

1. Nvidia e Walmart lideram a semana de resultados nos EUA

A divulgação dos balanços trimestrais em Wall Street continua nesta semana, com os holofotes voltados para a Nvidia e o Walmart (NYSE:WMT).

A Nvidia (NASDAQ:NVDA) viu sua cotação disparar na maior parte do ano passado, impulsionada pela forte demanda por IA. A empresa californiana, reconhecida como uma das principais produtoras de chips gráficos de alto desempenho que viabilizam a tecnologia emergente, recentemente superou a Alphabet (NASDAQ:GOOGL), controladora do Google, como a terceira companhia mais valiosa da bolsa americana.

Junto com seus números do quarto trimestre, que serão divulgados após o fechamento do mercado na quarta-feira, os investidores estarão atentos a qualquer sinal da Nvidia sobre as perspectivas para a demanda por IA neste ano.

Em outra frente, o Walmart estará no foco na terça-feira. O gigante do varejo poderá dar uma ideia do comportamento dos consumidores americanos, que têm enfrentado um cenário de juros altos e inflação elevada. O que o Walmart tem a dizer sobre essas tendências será acompanhado de perto.

ACOMPANHE: Cotação das ações dos EUA na pré-abertura em Wall Street

2. Ata do Fed é o destaque da agenda econômica; China volta do feriado

Esta deve ser uma semana mais tranquila no calendário econômico dos EUA, após uma sequência de dados positivos que mudaram algumas expectativas sobre possíveis cortes nas taxas de juros do Federal Reserve.

O ponto alto da agenda será a minuta da reunião de política monetária de janeiro do banco central americano, na quarta-feira, que poderá trazer novas pistas sobre como os dirigentes veem a trajetória dos juros neste ano.

No mês passado, o Fed manteve as taxas estáveis em um patamar mais alto em duas décadas, enquanto o presidente Jerome Powell ressaltou que as autoridades queriam ver mais provas de que a inflação estava se moderando de forma consistente para a meta de 2% antes de considerar reduções. Na ocasião, Powell afirmou que um corte em março não era seu "cenário base".

Desde então, Powell reafirmou essa mensagem, e essa postura pode ser confirmada na minuta. Enquanto isso, os dados mostraram que os preços continuaram firmes na maior economia do mundo e o mercado de trabalho se manteve robusto, possivelmente reforçando o argumento do Fed para adiar possíveis cortes nos juros neste ano.

Na China, as bolsas avançaram na segunda-feira, com a retomada dos negócios após o feriado do Ano Novo Lunar, diante de indícios de que os gastos dos consumidores aumentaram e, em alguns casos, superaram os níveis pré-covid durante a pausa de uma semana.

O índice de ações de primeira linha Shanghai Shenzhen CSI 300 fechou em alta de 1,1%, enquanto o índice Shanghai Composite subiu 1,6%.

O ânimo foi impulsionado principalmente pelos dados oficiais do fim de semana, que mostraram que os consumidores chineses gastaram mais em viagens, compras e refeições fora de casa durante o feriado do que há um ano. Os números aumentaram as esperanças de que os gastos dos consumidores chineses - que são um dos principais motores do crescimento econômico - estejam agora se recuperando após uma retração de três anos.

VEJA: Monitor de Juros do Fed

3. Apple pode levar multa de 500 milhões de euros da UE por práticas anticompetitivas

A Apple (NASDAQ:AAPL) pode ser multada em cerca de 500 milhões de euros pela União Europeia por abusar de sua posição dominante no mercado de streaming de música, segundo o Financial Times.

O jornal, que citou cinco fontes familiarizadas com o caso, afirmou que a decisão, que resulta de uma investigação da UE sobre se a empresa americana favoreceu seu próprio serviço de música em detrimento dos rivais, deve ser anunciada em abril. Seria a primeira multa aplicada pela UE à Apple.

A investigação focou em como a Apple restringiu os aplicativos que ofereciam aos usuários do iPhone opções mais baratas de assinar música fora de sua loja virtual, a App Store, informou o FT. Bruxelas considerará que as práticas da Apple violaram as regras de concorrência do mercado único europeu, acrescentou o FT.

A Apple e a Comissão Europeia não quiseram comentar o assunto ao FT.

LEIA MAIS: Petróleo: Principal driver de preço deste ano é demanda, segundo este especialista

4. Preços do petróleo recuam com temores sobre a demanda

Os preços do petróleo recuavam na segunda-feira, no início do pregão europeu, diante de temores sobre uma possível queda na demanda.

Os contratos futuros do petróleo Brent para abril recuaram 0,80%, para US$82,80 o barril, enquanto os contratos futuros do petróleo West Texas Intermediate caíram 0,83%, para US$77,81 o barril. O feriado nos EUA na segunda-feira deve limitar a volatilidade dos preços.

Os dois principais indicadores do mercado fecharam a semana passada em alta, mas os ganhos foram limitados por receios sobre a demanda fraca, em meio às expectativas de juros mais altos e mais duradouros nos EUA e às pressões inflacionárias persistentes. Juros mais altos podem afetar a atividade econômica dos EUA, o maior consumidor de petróleo do mundo.

A Agência Internacional de Energia também alertou, na semana passada, sobre uma desaceleração da demanda em 2024, e o alerta coincidiu com os dados que mostraram que o Reino Unido e o Japão entraram em recessão.

5. IBC-Br no Brasil

O Banco Central divulga nesta segunda-feira, 19, o Índice de atividade econômica do Banco Central (IBC-Br) de dezembro, considerado a prévia do Produto Interno Bruto (PIB), com a expectativa consensual de alta de 0,75%. Em novembro, o indicador apresentou elevação de 0,1%.

Segundo o Inter Research, que projeta 0,36%, o período deve ter sido marcado por um crescimento da indústria acima do esperado, varejo surpreendente e serviços abaixo do previsto. “Uma maior volatilidade observada nessa época do ano já era esperada devido à sazonalidade inerente ao período”, aponta o Inter em relatório divulgado ao mercado.

Às 7h49 (de Brasília), o ETF EWZ (NYSE:EWZ) perdia 0,45% no pré-mercado.

Últimos comentários

mercado vai tá em alta
que lixo hein ewz do after market de sexta feira e colocam ai ...
Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.