⌛ Perdeu a alta de 13% da ProPicks em maio? Assine agora e receba mais cedo as ações de Junho.Desbloquear ações

Fique por dentro das 5 principais notícias do mercado desta segunda-feira

Publicado 22.04.2024, 05:36
© Reuters.
US500
-
DJI
-
MSFT
-
EWZ
-
GOOGL
-
AAPL
-
AMZN
-
NVDA
-
LCO
-
CL
-
1YMM24
-
NQM24
-
TSLA
-
IXIC
-
META
-
GOOG
-
BTC/USD
-
US500
-

Por Peter Nurse e Jessica Bahia Melo

Investing.com – A Tesla reduziu os preços dos seus veículos em todo o mundo, em meio à queda das vendas por conta do aumento da concorrência.

Enquanto isso, o Bitcoin reagiu bem ao evento de halving, que reduz pela metade a oferta da cripto.

No mercado de commodities, o petróleo recuava, enquanto as futuros das ações dos EUA apontavam para uma abertura em alta das Bolsas em Nova York. Esta semana marcará o início da temporada de balanços do setor de tecnologia em Wall Street.

Aqui no Brasil, a renda média per capita cresce 11,5% e atinge maior valor em doze anos.

CONFIRA: Calendário econômico do Investing.com

1. Tesla reduz preços na China e na Alemanha

A Tesla (NASDAQ:TSLA) anunciou uma redução de preços em importantes mercados internacionais, incluindo China e Alemanha, em resposta a uma queda nas vendas e um aumento na competição de preços.

Segundo Elon Musk, CEO da empresa, as alterações nos preços são necessárias para ajustar a produção à demanda. No site oficial, a Tesla revelou que o preço inicial do Model 3 na China foi reduzido em cerca de US$ 2.000.

Reduções similares foram aplicadas na Alemanha e outros mercados da Europa, Oriente Médio e África. Nos Estados Unidos, os preços dos veículos Model Y, Model X e Model S foram reduzidos em US$ 2.000.

Após anunciar uma diminuição em suas entregas globais pela primeira vez em quase quatro anos, a Tesla reduziu sua força de trabalho em mais de 10%, resultando na eliminação de pelo menos 14.000 empregos.

Relatórios indicam que Elon Musk havia proposto cortes ainda maiores, possivelmente excedendo 20.000 posições.

A empresa deve revelar seus resultados financeiros do primeiro trimestre amanhã, antecipando-se a uma queda significativa no lucro operacional e uma redução na receita pela primeira vez em quatro anos.

As ações da Tesla já acumulam uma queda superior a 40% neste ano.

Enquanto isso, os futuros das ações dos EUA apresentaram alta nesta segunda-feira, com o Dow futuros subindo 0,49%, o S&P 500 futuros aumentando 0,50% e o Nasdaq 100 futuros crescendo 0,58%.

Os índices S&P 500 e Nasdaq Composto tiveram quedas acentuadas na semana passada, influenciados por dados rígidos de inflação que diminuíram a probabilidade de cortes nas taxas de juros pelo Federal Reserve em 2024. O Dow Jones Industrial se destacou, minimamente afetado por sua menor exposição ao setor tecnológico.

A divulgação do índice de despesas com consumo pessoal, principal indicador de inflação do Federal Reserve, e os resultados do setor tecnológico serão pontos de atenção nesta semana.

ACOMPANHE: Cotações das ações americanas

2. Temporada de resultados do setor de tecnologia começa nesta semana

A temporada de lucros trimestrais se desloca do setor bancário para o setor de tecnologia avançada nesta semana, uma fase crítica para a volátil recuperação do mercado de ações dos EUA, que tem sido impactada pela redução nas expectativas de cortes nas taxas de juros.

Entre os destaques estão os relatórios de quatro gigantes tecnológicos, conhecidos como as "Sete Magníficas".

A Tesla apresentará seus resultados na terça-feira, após o fechamento do mercado, seguida pela Meta (NASDAQ:META), empresa-mãe do Facebook, na quarta-feira; pela Microsoft (NASDAQ:MSFT) e pela Alphabet (NASDAQ:GOOGL), empresa-mãe do Google, na quinta-feira. As outras gigantes tecnológicas, como Apple (NASDAQ:AAPL) e Amazon (NASDAQ:AMZN), deverão apresentar seus resultados na semana seguinte, enquanto a Nvidia (NASDAQ:NVDA) divulgará seus resultados em 22 de maio.

Embora a temporada de relatórios do primeiro trimestre ainda esteja em seus estágios iniciais, as expectativas diminuíram. Os analistas agora veem um crescimento agregado dos lucros do S&P 500 de 2,9% em relação ao ano anterior, abaixo da estimativa de 5,1% em 1º de abril, de acordo com dados da LSEG citados pela Reuters.

Uma parte significativa desse crescimento provavelmente virá das grandes potências tecnológicas, com o UBS prevendo no início deste mês que seis das sete, excluindo a Tesla, deverão registrar um crescimento coletivo dos lucros de 42,1% no primeiro trimestre.

VEJA: Calendário da temporada de balanços

3. Halving do Bitcoin ocorre sem intercorrências

O Bitcoin, a maior criptomoeda do mundo em capitalização de mercado, recuava na segunda-feira, mas foi difícil encontrar ganhos significativos após o evento de halving (redução de oferta), amplamente esperado.

Às 7h58, o Bitcoin foi negociado 0,86% mais baixo, a US$66.055,6, após o quarto halving no fim de semana, que viu as recompensas pela mineração de novos Bitcoins serem cortadas pela metade.

Os halvings anteriores ocorreram em 2012, 2016 e 2020, e foram seguidos por altas significativas de preços, já que os investidores consideraram uma taxa reduzida de geração de novos Bitcoins.

No entanto, o Bitcoin teve apenas um ganho marginal, mesmo com a melhora do apetite pelo risco em meio à diminuição das preocupações com uma guerra entre Irã e Israel, e é negociado significativamente abaixo do recorde histórico de US$ 73.750, atingido em março.

A força do dólar e a perspectiva de taxas de juros mais altas por mais tempo nos EUA limitaram qualquer grande aumento nos preços das criptomoedas.

ACOMPANHE: Cotações das criptomoedas

4. O petróleo cai com a diminuição das tensões entre Irã e Israel

Os preços do petróleo operavam em queda, em meio a esperanças crescentes de que o conflito entre Irã e Israel não aumentará ainda mais, reduzindo as chances de grandes interrupções nos suprimentos dessa região rica em petróleo.

Às 7h58, os futuros do petróleo dos EUA eram negociados 0,44% mais baixos, a US$ 81,86 por barril, enquanto o contrato do Brent caía 0,44%, para US$ 86,91 por barril.

Ambos os índices de referência caíram cerca de 3% na semana passada, registrando sua maior perda semanal desde fevereiro, depois que o Irã minimizou o ataque retaliatório de drones de Israel em seu solo, indicando que uma escalada das hostilidades no Oriente Médio poderia ser evitada.

A atenção está voltando para as questões fundamentais, em meio a temores de que as taxas de juros mais altas e prolongadas dos EUA e a inflação rígida reduzam o crescimento econômico este ano, o que, por sua vez, diminuirá a demanda global por petróleo.

O aumento dos estoques de petróleo bruto também está pressionando o mercado, enquanto na sexta-feira surgiram relatos de que o Fundo Monetário Internacional espera que a Opep+ comece a aumentar a produção de petróleo a partir de julho.

Os membros da Opep+, liderados pela Arábia Saudita e pela Rússia, concordaram no mês passado em estender os cortes voluntários de produção de 2,2 milhões de barris por dia até o final de junho.

CONFIRA: Cotação das principais commodities

5. Renda média dos brasileiros atinge recorde

A renda média dos brasileiros atingiu patamar histórico em 2023. De acordo com do módulo Rendimento de todas as fontes, da PNAD Contínua, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a massa de rendimento mensal domiciliar chegou a R$ 398,3 bilhões, um incremento de 12,2% ante 2022. O rendimento médio mensal real domiciliar per capita atingiu R$ 1.848, ganho de 11,5%, também maior valor da pesquisa até o momento.

A diminuição do desemprego e o aumento do salário mínimo estiveram entre os motivos do aumento da renda brasileira, assim como maior proporção de domicílios do país com algum beneficiário do programa Bolsa-Família passou de 16,9% em 2022 para 19,0% em 2023.

O relatório também apontou o nível de desigualdade, sendo que o 1% da população do país com maior rendimento ganhava 39,2 vezes o rendimento dos 40% da população de menor renda. O índice de Gini, que mede a concentração de renda, ficou estável frente a 2022 em 0,518, o menor da série histórica.

Às 7h58 (de Brasília), o ETF EWZ (NYSE:EWZ) recuava 0,33% no pré-mercado.

**

Precisa de ajuda para navegar nos mercados? InvestingPro é para você!

Seja você busca conquistar orientações sobre investimentos ou procura por ferramentas que permitam escolher as ações corretas do Ibovespa ou dos mercados globais por conta própria, o InvestingPro tem algo a oferecer.

Você encontrará estratégias de IA, indicadores exclusivos, dados financeiros históricos, notícias profissionais e muitos outros serviços para sempre manter uma vantagem nos mercados e saber quais ações comprar e quais evitar.

E os leitores de nossos artigos têm por tempo limitado um desconto especial nas assinaturas Pro e Pro+ de 1 e 2 anos, graças ao código promocional INVESTIR a ser inserido na página de pagamento.

Inscreva-se agora! E não esqueça o código promocional "INVESTIR", válido para assinaturas Pro e Pro+ de 1 e 2 anos!

Recursos do InvestingPro - Use o cupom INVESTIR para um desconto adicional





Veja como aplicar o cupom no vídeo abaixo:



Últimos comentários

Carregando o próximo artigo...
Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.