Junte-se a +750 mil investidores que copiaram as ações das carteiras dos bilionáriosAssine grátis

Fique por dentro das 5 principais notícias do mercado desta quinta-feira

Publicado 06.10.2022, 08:12
Atualizado 06.10.2022, 08:32
© Reuters
US500
-
DJI
-
USD/BRL
-
RDSa
-
MKC
-
STZ
-
CAG
-
ESU24
-
CL
-
1YMU24
-
NQU24
-
TSLA
-
IXIC
-
PETR4
-
SHEL
-
APO
-
DXY
-
TLRY
-

Por Geoffrey Smith e Ana Beatriz Bartolo

Investing.com - A Opep e seus aliados decidem cortar sua produção de petróleo em 2 milhões de barris por dia, em uma afronta ao presidente dos EUA, Joe Biden, e à Europa. No Brasil, o governo Bolsonaro pede para que a Petrobras (BVMF:PETR4) ignore os reajustes internacionais de preços, pelo menos até o fim do segundo turno das eleições. O fluxo de dados do mercado de trabalho dos EUA continua com pedidos semanais de seguro-desemprego, enquanto mais conversas agressivas do Federal Reserve estabilizam o dólar após uma correção acentuada. O Banco Central Europeu publica a ata de sua última reunião e a economia da Alemanha continua desacelerando. Enquanto isso, o depoimento de Elon Musk é adiado e as ações do Twitter caem ainda mais longe do preço de aquisição acordado.

Aqui está o que você precisa saber nos mercados financeiros na quinta-feira, 6 de outubro.

CONFIRA: Calendário econômico completo do Investing.com

1. OPEP+ despreza Biden e Europa com grande corte de produção para proteger a Rússia

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo cerrou fileiras com a Rússia para apoiar os preços do petróleo, ordenando um corte de produção de 2 milhões de barris por dia a partir de novembro, apesar da alta e forte pressão dos EUA.

A medida é uma reação aos sinais de enfraquecimento da demanda de uma economia mundial em desaceleração, mas também é um sinal claro para os EUA e a Europa de que os maiores produtores de petróleo do mundo não têm interesse em punir a Rússia por sua invasão da Ucrânia e a anexação de seu território.

A redução real na produção deve ficar próxima de 1 milhão de barris por dia, segundo analistas, uma vez que a maior parte da OPEP (e da Rússia) já está produzindo abaixo de suas cotas. Como tal, a medida tem o efeito de poupar a Rússia de qualquer perda de participação de mercado, já que as sanções ocidentais começam a prejudicar sua produção.

A medida ocorre quando os preços da gasolina estão subindo novamente nos EUA, apenas um mês antes das eleições de meio de mandato. Os estoques dos EUA de petróleo e gasolina também caíram surpreendentemente na semana passada.

Tese de Investimentos do Inter: De banco à plataforma completa, ação vale a pena?

2. Petrobras é pressionada para não mexer nos seus preços

Tentando diminuir a diferença de votos na corrida eleitoral, a equipe do presidente Jair Bolsonaro (PL) pressionou a Petrobras para que a estatal não fizesse nenhum reajuste até o dia 30 de outubro, quando acontece a votação em segundo turno pela presidência. No primeiro turno, Bolsonaro acabou em segundo lugar, atrás do ex-presidente Lula.

O pedido do governo foi divulgado pelo portal G1 e confirmado pelo Estadão. A pressão sobre a petroleira teria se intensificado após a Opep+ anunciar um corte na sua produção a partir de novembro, o que deve levar a uma alta do petróleo no mercado internacional.

A redução no preço dos combustíveis nos últimos meses é parte da estratégia política de Bolsonaro, mas de acordo com a política de paridade de preços, a Petrobras deveria repassar para o mercado nacional o aumento dos custos com a importação de petróleo.

Às 08h24, o ETF EWZ (NYSE:EWZ) caía 0,24% no pré-mercado americano.

Tese de Investimentos: Reajustes e interferências movem ações da Petrobras

3. Ações americanas com abertura em baixa

Os mercados de ações dos EUA devem abrir em baixa novamente depois que uma tentativa de rali rapidamente perdeu força na quarta-feira, lançando novas dúvidas sobre a força subjacente do mercado.

Às 08h25, os futuros da Nasdaq caíam 0,50%, enquanto os da S&P 500 e os da Dow Jones recuavam 0,51% e 0,44%, respectivamente, com as ações da Tesla com queda de 1,1% no pré-mercado, pesando sobre os dois últimos.

Todos os três índices de caixa terminaram cerca de 0,2% mais baixos na quarta-feira, após o relatório de contratação da ADP e a pesquisa de não fabricação do Institute for Supply Management, ambos indicarem bastante impulso ainda na economia.

O depoimento programado de Elon Musk a pedido dos advogados do Twitter foi adiado, depois que o CEO da Tesla (NASDAQ:TSLA) (BVMF:TSLA34) concordou em prosseguir com a aquisição da empresa de mídia social pelo preço inicial de US$ 54,20 por ação. No entanto, o juiz que supervisiona o julgamento solicitado pelo Twitter observou que nenhum dos lados procurou encerrar o litígio, sugerindo que o conselho do Twitter continua a manter os pés de Musk no fogo até que realmente veja seu dinheiro.

As ações que provavelmente estarão em foco mais tarde incluem o setor de petróleo e gás, que equilibrará as implicações positivas do movimento da OPEP + contra uma atualização decepcionante da Shell (NYSE:SHEL) durante a noite (LON:RDSa), que caiu na Europa após alertar que os resultados do terceiro trimestre não corresponderiam aos resultados excepcionais do segundo trimestre.

Constellation Brands (NYSE:STZ), Tilray (NASDAQ:TLRY), McCormick (NYSE:MKC) e ConAgra (NYSE:CAG) ) são todos devidos ao relatório de resultados antes da abertura.

CONFIRA: Cotações das ações americanas

4. Pedidos de seguro-desemprego mantidos perto do mínimo de seis meses

A série de dados do mercado de trabalho da semana continua com o lançamento de pedidos de seguro-desemprego semanais às 09h30, que devem ter aumentado modestamente em relação à baixa de seis meses da semana passada de 193.000.

A pesquisa mensal Challenger Job Cuts para setembro também será lançada às 08h30 e provavelmente estenderá uma sequência de ganhos ano a ano em demissões.

Se qualquer número terá um impacto material no Federal Reserve não está claro. Tanto o presidente do Fed de Atlanta Raphael Bostic quanto sua colega de San Francisco Mary Daly repetiram novamente que mais aumentos de juros serão necessários para domar inflação, com Bostic em particular advertindo explicitamente contra apostar em um 'pivot' antecipado do banco central.

O dollar se estabilizou após algumas perdas acentuadas nos últimos dias.

Charles Evans de Chicago e o Governador do Fed Lisa Cook também devem falar mais tarde.

LEIA MAIS: BCE elevará juros o quanto for necessário para conter inflação, diz Villeroy

5. A ata do BCE será divulgada

O Banco Central Europeu publicará a ata de sua última reunião de política, que deve lançar mais luz sobre o entusiasmo que há em Frankfurt por mais altas de juros à medida que a desaceleração da economia da zona do euro se torna cada vez mais sério.

Os bancos centrais do Eurosistema estão agora alertando abertamente para uma recessão, apesar do BCE preferir não reconhecer esse risco em suas últimas previsões em setembro.

Ordens de fábricas alemãs para agosto, um indicador prospectivo para a maior economia da zona do euro, pouco fez para melhorar as perspectivas, registrando sua maior queda em cinco meses. Houve uma migalha de conforto de uma grande revisão para cima nos números de julho, no entanto, à medida que os gargalos da cadeia de suprimentos diminuíam.

Últimos comentários

Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.