Últimas Notícias
0
Versão sem anúncios. Atualize sua experiência no Investing.com. Economize até 40% Mais detalhes

Repensando Inflação, Dólar, Fed e Investimentos

br.investing.com/analysis/repensando-inflacao-dolar-fed-e-investimentos-200442734
Repensando Inflação, Dólar, Fed e Investimentos
Por Sebastião Buck Tocalino   |  19.06.2021 12:50
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 
Desde criança, eu já contemplava a insustentabilidade das coisas. Que me lembre, a primeira vez foi ponderando a breve durabilidade dos meus tênis, cujas solas se gastavam rapidamente. Era muito atrito! Cresci numa época em que entretenimento sedentário e eletrônico se resumia à televisão.
Mesmo assim, além do limite de tempo, imposto pela minha mãe, meu pai deu um sumiço na nossa TV - que nem era colorida! Deixou-a trancada num maleiro por um ano. Moleque tinha que crescer ao ar livre, correr, pular muros, trepar em árvores, subir no telhado, jogar bets, andar de bicicleta, esfolar-se, gastar energia e chegar em casa cansado e sujo. Isso fazia parte de uma infância saudável, promovendo desenvolvimento físico, social e emocional. Entre os amigos, contar cicatrizes e machucados era contar vantagem. Muitas vezes, ao tirar as calças, tinha que molhar o joelho antes, para descolar o jeans grudado às feridas secas. Criança bem nutrida também comia casquinha de machucado! Mas o comportamento na infância parece ter mudado bastante.

Tudo muda. Por isto, na economia e nos mercados financeiros, precisamos estar atentos. Constantemente. Por melhor que seja uma análise, ela não é definitiva ou permanente.

Não sou de publicar análises com frequência e, muito menos, citar os papeis em minha carteira pessoal. Mas, este ano, muitos amigos me pediram sugestões. No início de março, resolvi fugir ao costume e escrevi sobre quatro papeis, nos quais, eu me posicionara (artigo). Quem seguiu aqueles palpites, não se arrependeu. Da publicação, até o fechamento desta terça-feira (15/6/2021), as rentabilidades obtidas foram:

  • Vale (SA:VALE3) = +11,83%.
  • BRF (SA:BRFS3) = +29,28%
  • Embraer (SA:EMBR3) = +74,82%.
  • Atom (SA:ATOM3) = +120,33%.


Mas, justamente por ter fugido ao hábito, citando papéis específicos e sugerindo-os para longo prazo, sinto-me na obrigação de atualizar minhas perspectivas. Novos fatos mudaram parte daquela minha análise. E optei por reduzir minha exposição às ações, realizando boa parte dos lucros. Uma das razões foi a atuação do Fed no reverse repo market (operações compromissadas), onde o Fed tomou dinheiro de volta do mercado, cedendo títulos de sua carteira às instituições interessadas. Parece que o Fed tenta evitar que estas instituições privadas baixem mais ainda os juros, por conta própria, ao trocar um excesso de dólares pelos títulos mais escassos de maior qualidade.

Lembre-se que a maior demanda por títulos aumenta seus preços e, consequentemente, abaixa seus juros. Juros são a diferença entre o preço pago na aquisição e o valor do título na data do vencimento.

Os leitores daqueles meus três artigos, todos publicados no mês de março, deverão ter isto em mente. Assim como minhas considerações atuais. Paradoxalmente, elas contradizem as declarações do presidente do Federal Reserve (banco central americano), divulgadas na tarde desta quarta-feira.

Jerome Powell advertiu sobre a possibilidade de uma elevação antecipada da taxa básica de juros americanos, embora não em 2021. Ficou a ideia de que o Fed reconhece uma maior ameaça inflacionária. Tal risco justificaria a elevação dos juros.

Desde o ano passado, até algumas semanas atrás, eu realmente temia a inflação. Baseava-me em alguns fatores. Entre eles:
  • o enorme saldo da conta corrente do Tesouro americano (Treasury General Account), que acabaria injetado na economia;
  • o auxílio financeiro distribuído à população, talvez se estendendo mais adiante como uma renda básica universal;
  • o aumento do agregado monetário M1 (estoque de dólares prontamente acessíveis ao consumo);
  • a alta nos preços das principais commodities agrícolas e metálicas (cobre e aço, por exemplo);
  • e a necessidade de monetizar a (já impagável?) dívida pública americana - maior do mundo, e que dificilmente será reduzida com mais impostos.

Realmente tivemos dois meses de destaque de inflação nos EUA: abril e maio. Ao comparar os preços destes meses, com os de abril e maio do ano anterior (pleno pânico da pandemia), fica justificada uma grande alta. A base de comparação, em 2020, foi muito baixa. Os preços do petróleo caíram violentamente naquele primeiro isolamento social. Em abril de 2020, os preços ficaram negativos no mercado futuro. Quem tinha o compromisso de receber o petróleo estava pagando para que outro ficasse com a commodity. Afinal, já não havia onde estocar tanto petróleo, pelo qual não havia demanda.
Série Especial – Inflação nos EUA: a Batalha entre Fed e Mercado

O gráfico abaixo mostra a inflação anual no custo de vida americano, em contraposição à variação anual nos preços do petróleo. Fica clara a correlação entre ambas.




Assim como petróleo (fonte de energia) foi o grande vilão da inflação americana, ele já sugere uma remissão para os próximos meses. A inflação é divulgada apenas uma vez por mês, cerca de 12 dias após o fechamento de cada mês. Quanto ao petróleo, sua cotação é disponível diariamente. Isto nos permite observá-lo como um indicador antecedente da inflação. O período mais recente, visualizado no gráfico abaixo, mostra a desaceleração nos preços do petróleo, já sugerindo uma queda da inflação nos EUA.


O saldo na conta corrente do Tesouro americano (Treasury General Account), que outrora também sugeria maior ameaça de inflação, já recuou bastante:


O agregado monetário M1 (que compreende os dólares prontamente acessíveis para o consumo) também já mostra um grande abrandamento na sua variação ano-a-ano.


Quanto ao dinheiro distribuído à população, ficou evidente que muitos dos beneficiados não demonstraram interesse em voltar a trabalhar. As vagas de emprego aumentaram, sem que muitos desocupados se interessassem em preenchê-las. Fica a ideia de que a renda básica universal, se útil para uma demagogia eleitoreira, pode ser um tiro no pé para o financiamento do governo. O interesse governamental na UBI (Universal Basic Income) seria aumentar a demanda de consumo, gerando uma inflação que corroesse a exorbitante dívida acumulada. Mas se a UBI prejudica alguns negócios, que não encontram pessoas interessadas em voltar a trabalhar, a coisa não vai funcionar. Estes negócios, enfraquecidos ou falidos pela falta de trabalhadores, implicariam em menos impostos e receitas para o governo.
Ao contrário do Banco Central, o governo não cria dinheiro do nada. Para conseguir oferecer uma renda básica, o governo precisa recolher impostos. Também é importante lembrar que, quando o governo dá dinheiro à população, ele fomenta um maior custo de vida. E a inflação é sempre o pior dos impostos, pois não há isenção para os mais pobres. Custos de alimentos, habitação e transportes costumam drenar toda, ou quase toda, a renda das pessoas simples. Renda básica, com dinheiro perdendo valor, não aumenta o nível de vida da maioria. Só uma maior produtividade garante maior acesso da população a bens e serviços – isto sim melhora a qualidade de vida. Se a renda básica tende a elevar preços e diminuir o número de trabalhadores produtivos, ela só estará prejudicando a qualidade de vida da maioria.

Também existem restrições legais e constitucionais impedindo o banco central de criar dinheiro para que o governo distribua à população. A justificativa institucional de um banco central é justamente promover estabilidade de preços e menores níveis de desemprego.

Para monetizar a dívida pública, mais fácil seria uma enorme desvalorização do dólar perante o ouro, promovida pelo Tesouro americano. Isto diminuiria rapidamente o endividamento público, através das próprias reservas de ouro do governo americano. Mas não acredito que possa acontecer tão facilmente ou tão cedo... Diante da minha perspectiva de desinflação nos EUA, diminuí muito a minha exposição ao ouro, bem como minha aposta na desvalorização do dólar. Foi em fevereiro do ano passado que me posicionei no ouro. Foi bom até agosto de 2020. De lá para cá, o ouro só devolveu parte daquela alta. Voltarei a aumentar minha posição no metal precioso só quando enxergar novos indícios de maior inflação da economia e uma desvalorização do dólar. E o ouro, caindo mais esta semana, parece endossar mais a minha análise, do que embasar o discurso do Fed. Não há muitas dúvidas de que o banco central é muito mais reativo, do que preventivo.
LEIA MAIS: Liquidação no Ouro e as Reações de Euforia e Medo após Anúncio do Fed

Desde abril, os próprios juros de dez anos nos EUA já mostravam uma menor expectativa de inflação.


Melhor indicador ainda da queda na percepção de inflação pelo mercado é a relação plotada abaixo. O gráfico mostra o ETF de títulos públicos protegidos contra a inflação (TIP), dividido pelo ETF de títulos públicos convencionais (prefixados e não indexados à inflação) de vinte anos ou mais (TLT). Desde a segunda semana de maio, esta razão mostra que a maioria do dinheiro no mercado já enxergava uma queda da inflação futura. Aquela que Jay Powell sugeriu esta semana.


Soja, milho, e trigo também recuaram nos preços.


O Fed estava correto antes, ao dizer que a inflação seria transitória. Estranhei foi esta postura diferente, agora, justamente quando dados sugerem uma nova desinflação...

Enfim, o tempo dirá quem está certo...


Copyright © Sebastião Buck Tocalino
A bolsa estimula a cidadania!
Artigo original aqui.
Repensando Inflação, Dólar, Fed e Investimentos
 

Artigos Relacionados

Repensando Inflação, Dólar, Fed e Investimentos

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
Comentários (10)
Thiago Lugão
Thiago Lugão 23.06.2021 20:42
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
As vezes assisto uns mestre de capoeira fazendo golpes lindos com uma facilidade. Outras vezes ne pego vendo lances do ronaldinho gaucho nos tempos do barcelona. Outras vezes observo mestres de jiu jitsu com golpes plasticos. Ultimamente, descobri os artigos de Tocalino. Escreve com uma maestria, o mesmo dom que vejo nestas artes anteriores descritas. É tão fluido, que parece fácil. Nota mil estes artigos. E valeu pela ATOM3. Nao conhecia a empresa. Analisei, gostei muito dos indicadores fundamentalistas. 2 dias depois, subiu 110%. Teve um evento da natureza no caso, mas a empresa é mesmo boa. Valia a pena na epoca. Bem precisava ter subido isso tudo.
Ray Redington
Ray Redington 19.06.2021 21:12
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
melhor colunista do investing, obrigado pelo texto
Cl Zbn
Cl Zbn 19.06.2021 19:46
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Excelente texto. Ultimamente a economia mundial tem dado sinais um tanto contraditórios na minha visão. Parabéns 👏!
Eduardo Coelho
Eduardo Coelho 19.06.2021 17:16
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
gostei da parte que comia casquinha de machucado
Cícero RP
Cícero RP 19.06.2021 16:00
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Amigo, apesar de seu bom texto vc está esquecendo fatores externos muito relevantes q fariam disparar na hora o dólar e ouro (q pra mim se tornaram boas janelas de oportunidade!) como: peste chinesa ainda fortemente ativa apesar das vacinações, q elas mesmas estão gerando novas cepas, como já vi estudos!🙉 Forte tensão e situação beligerante em vários lugares do mundo, não somente no oriente médio. EUA com fortes diferenças sociais e ideológicas q refletirão em breve na economia e partido belicista de Bidê atiçando guerras por todos os lados. Já deram bilhões pro hamas vc sabia??? E FED pode logo aumentar juros se perceber inflação galopante incontrolável!🤷🏼‍♂️
Paulo Vasconcellos
Paulo Vasconcellos 19.06.2021 16:00
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Quem do Hamas te falou isso?
Cícero RP
Cícero RP 19.06.2021 16:00
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Paulo Vasconcellos  Pesquise: 'Biden restarts aid to Palestinians, adds an extra $38.5 million in midst of Hamas onslaught' e também: 'Biden administration to restore $235m in US aid to Palestinians'
Renato Silveira silva
Renato Silveira silva 19.06.2021 14:53
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Parabéns pelo excelente texto. Humildemente, eu gostaria de entender se sua opinião é baseada em cálculos ordinários da macroeconomia ou se o Sr. se baseia nos gráficos de curto prazo. Eu creio que tenha entendido a sua opinião. Contudo respeitosamente, gostaria de entender se ela traz consigo um cenário “pré-crash” do mercado ou não, pois são visões antagônicas; as de que a inflação irá reduzir sem que haja aumento da produção. Desculpe me, caso não o tenha entendido.
Leandro Dundes
Leandro Dundes 19.06.2021 14:49
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Muito bom! Diante desse cenário quais setores da economia americana acredita que será mais promissor a curto e médio prazo?
Melkzedek feitosa
Melkzedek feitosa 19.06.2021 13:48
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
interessante, ótimo trabalho!
Frederico Alves Monteiro Pereira
Frederico Alves Monteiro Pereira 19.06.2021 13:35
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
E a a alta reserva de dólares nos bancos chineses?! Será se esta variação da moeda norte-americana tb não dependerá do humor asiático?!
Robert Gasparoto
Robert Gasparoto 19.06.2021 13:12
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Muito bom. Coerencia
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Declaração de Riscos: ATENÇÃO: Quaisquer opiniões expressas pelo autor são naturalmente subjetivas e sujeitas a polêmica. Esta não é uma recomendação de investimento! Os dados visualizados aqui procedem de outras fontes, a princípio fidedignas, de boa reputação e acessíveis ao mercado. De Olho Na Bolsa não faz indicações de compra ou venda, ou de negócios de qualquer espécie, e não está autorizada a atuar como consultoria de valores mobiliários. Não nos responsabilizamos por decisões tomadas com base nas informações aqui reunidas. INVESTIMENTOS EM AÇÕES ENVOLVEM RISCOS! Para sua maior segurança, procure sua corretora. Ela poderá ajudá-lo a avaliar riscos e oportunidades em negócios com valores mobiliários.
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail